EDITORIAL EDITORIAL

 

Utilização e financiamento de serviços de saúde: dez anos de informação das PNAD

 

 

Desde a década de 1950, pesquisadores da área reconhecem a importância de se tomar como objeto de investigação os sistemas e os serviços de saúde. O histórico do desenvolvimento dos inquéritos populacionais de saúde guarda relação com o surgimento da área temática de Investigação em Serviços de Saúde. Essa área volta-se para o estudo da organização de seus vários componentes e dos processos de cuidado, de modo a contribuir positivamente com o impacto deles sobre a saúde da população. Envolve, portanto, as necessidades de saúde dos grupos populacionais, as características da demanda e da oferta, os sistemas de financiamento e os mecanismos de pagamento aos prestadores de serviços, as relações público e privado e seu impacto sobre a equidade em saúde. Engloba ainda aspectos gerenciais e clínicos que se traduzem pela efetividade, segurança e eficiência do cuidado em saúde, assim como pela garantia dos direitos dos pacientes, participação destes no processo do cuidado de saúde e humanização do cuidado. No livro editado para comemorar os cinquenta anos da Associação Internacional de Epidemiologia (IEA), Kerr White narra o longo caminho percorrido por pesquisadores para demonstrar a importância da Investigação em Serviços de Saúde. Em 1961, Kerr White publicou em The New England Journal of Medicine o clássico artigo "A ecologia da atenção médica". Destaca-se também sua liderança no primeiro inquérito comparativo sobre a utilização de serviços de saúde, realizado em sete países, entre 1964 e 1976, em colaboração com a OMS. Vale notar a grande importância deste estudo para a pesquisa sobre serviços de saúde na América do Sul, particularmente na Argentina, onde seu desenvolvimento possibilitou a formação de profissionais de diversas disciplinas sobre o desenho, a aplicação e a análise de dados de inquéritos domiciliares de saúde. Como relata Mario Hamilton em livro póstumo, recentemente publicado, este estudo teria tido maior expressão, não fosse sua interrupção prematura, antes mesmo do término da análise dos dados, em 1973.

Mecanismos para o fomento à investigação de serviços de saúde foram desenvolvidos nos EUA e em alguns países europeus. A produção de pesquisas nessa área teve um aumento expressivo nas décadas de 1970 e 1980 nesses países, em associação com o aumento da cobertura e da densidade tecnológica do cuidado em saúde, com impacto marcado sobre os custos dos sistemas de saúde e dúvidas crescentes sobre a sua efetividade.

O monitoramento do desempenho do sistema de saúde brasileiro implica em investimento na formação de pesquisadores, na realização de pesquisas e na produção regular de dados de base populacional. Precisamos conhecer sistematicamente quais os fatores que, em nosso contexto, facilitam ou impedem que as pessoas obtenham o cuidado de que necessitam e deles se beneficiem, para redirecionar os caminhos e continuamente orientar o sistema na direção dos princípios do SUS. Esses são os objetivos que orientaram os suplementos de saúde que acompanharam PNAD em 1998, 2003 e 2008, formulados com a cooperação de pesquisadores de diversas disciplinas da Saúde Coletiva. Mais uma vez, como aconteceu em 2002 e 2006, Ciência & Saúde Coletiva publica artigos que utilizaram os dados da série histórica dos suplementos saúde coletados pelo IBGE. Esperamos que a série de dados gerados pelos suplementos saúde da PNAD tenha um futuro promissor, de modo a manter visibilidade sobre os resultados das políticas de saúde em nosso país.

 

 

Claudia Travassos, Francisco Viacava
Editores Convidados

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revscol@fiocruz.br