This erratum corrects:

ERRATUM: Consumption of ultra-processed foods and socioeconomic position: a cross-sectional analysis of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health

Simões BS, Cardoso LO, Benseñor IJM, Schmidt MI, Duncan BB, Luft VC, Molina MCB, Barreto SM, Levy RB, Giatti L. Consumption of ultra-processed foods and socioeconomic position: a cross-sectional analysis of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health. Cad Saúde Pública 2018; 34(3):e00019717.

The journal has been informed about some errors in the paper. The corrections are follows:

Where it reads:

Consumption of ultra-processed foods and socioeconomic position: a cross-sectional analysis of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health

O consumo de alimentos ultraprocessados e nível socioeconômico: uma análise transversal do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto, Brasil

Consumo de comida ultraprocesada y nivel socioeconómico: un análisis transversal del Estudio Longitudinal Brasileño sobre Salud en la Edad Adulta

It should read:

Consumption of ultra-processed foods and socioeconomic position: a cross-sectional analysis of the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil)

Consumo de alimentos ultraprocessados e nível socioeconômico: uma análise transversal do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA-Brasil)

Consumo de comida ultraprocesada y nivel socioeconómico: un análisis transversal del Estudio Longitudinal Brasileño sobre Salud en la Edad Adulta (ELSA-Brasil)

Where it reads:

Bárbara dos Santos Simões 1*

Letícia de Oliveira Cardoso 2

Isabela Judith Martins Benseñor 3

Maria Inês Schmidt 4

Bruce Bartholow Duncan 4

Vivian Cristine Luft 4

Maria del Carmen Bisi Molina 5

Sandhi Maria Barreto 1

Renata Bertazzi Levy 3

Luana Giatti 1

1 Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Universidade Federal Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

2 Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil.

3 Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

4 Programa de Pós-graduação em Epidemiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

5 Programa de Pós-graduação em Saúde e Nutrição, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil

* Correspondence

B. S. Simões

Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Universidade Federal Minas Gerais.

Av. Alfredo Balena 190, Belo Horizonte, MG 30130-100, Brasil.

barbarassimoes@gmail.com

It should read:

Bárbara dos Santos Simões 1

Sandhi Maria Barreto 1

Maria del Carmen Bisi Molina 2

Vivian Cristine Luft 3

Bruce Bartholow Duncan 3

Maria Inês Schmidt 3

Isabela Judith Martins Benseñor 4

Letícia de Oliveira Cardoso 5

Renata Bertazzi Levy 4

Luana Giatti 1*

1 Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

2 Programa de Pós-graduação em Saúde e Nutrição, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil.

3 Programa de Pós-graduação em Epidemiologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

4 Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

5 Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil.

* Correspondence

L. Giatti

Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Universidade Federal de Minas Gerais.

Av. Alfredo Balena 190, Belo Horizonte, MG 30130-100, Brasil.

luana.giatti@gmail.com

Where it reads:

We analyzed baseline data from the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil 2008-2010; N = 14.378) and data on dietary intake using a food frequency questionnaire, assigning it into three categories: unprocessed or minimally processed foods and processed culinary ingredients, processed foods, and ultra-processed foods.

It should read:

We analyzed baseline data from the Brazilian Longitudinal Study of Adult Health (ELSA-Brasil 2008-2010; N = 14,378). Dietary intake, obtained through a food frequency questionnaire, was classified according extent and purpose of food processing in unprocessed or minimally processed foods and processed culinary ingredients, processed foods, and ultra-processed foods.

Where it reads:

Compared to individuals from upper income classes, the caloric contribution of ultra-processed foods was 10%, 15% and 20% lower among the ones from the three lowest income, respectively.

It should read:

Compared to individuals from upper income quintile, the caloric contribution of ultra-processed foods was 10%, 15% and 20% lower among the ones from the three lowest income, respectively.

Where it reads:

O estudo teve como objetivo estimar a contribuição dos alimentos ultraprocessados à ingestão calórica total e investigar se essa contribuição difere de acordo com nível socioeconômico. Analisamos os dados da linha de base do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto-Brasil (ELSA-Brasil 2008-2010; N = 14.378) e os de ingestão alimentar, usando um questionário sobre frequência de consumo alimentar, em três categorias: alimentos não processados ou minimamente processados e ingredientes culinários processados, alimentos processados e alimentos ultraprocessados.

It should read:

O estudo teve como objetivo estimar a contribuição dos alimentos ultraprocessados em relação ao consumo calórico total e investigar se essa contribuição difere de acordo com nível socioeconômico. Analisamos os dados da linha de base do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto-Brasil (ELSA-Brasil 2008-2010; N = 14.378). O consumo alimentar, obtido por questionário de frequência de consumo alimentar, foi classificado de acordo com o propósito e extensão do processamento em: alimentos não processados ou minimamente processados e ingredientes culinários processados, alimentos processados e alimentos ultraprocessados.

Where it reads:

Quando comparados aos indivíduos das classes de renda mais alta, a contribuição calórica dos ultraprocessados foi 10%, 15% e 20% mais baixa entre aqueles pertencentes aos três quintis de renda mais baixos, respectivamente.

It should read:

Quando comparados aos indivíduos do quintil de renda mais alta, a contribuição calórica dos ultraprocessados foi 10%, 15% e 20% mais baixa entre aqueles pertencentes aos três quintis de renda mais baixos, respectivamente.

Where it reads:

Table 5
Association between socioeconomic position indicators and caloric contribution percentage of ultra-processed foods. ELSA-Brasil (2008-2010).

It should read:

Table 5
Association between socioeconomic position indicators and caloric contribution percentage of ultra-processed foods. ELSA-Brasil (2008-2010).

Submitted on 15/Mar/2018

Approved on 08/May/2018

Published on Jun/2018

Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br