Construção científica e inovação teórica: um desafio para a epidemiologia

 

Scientific construction and theoretical innovation: a challenge for epidemiology

 

Construction scientifique et inovation théorique: un défi pour 1'épidémiologie

 

 

Dina Czeresnia

Departamento de Epidemiologia. Escola Nacional de Saúde Pública -FIOCRUZ.

 

 


RESUMO

Tem sido crescente a reflexão sobre a construção do conhecimento em epidemiologia. Até que ponto este interesse teórico está referido a uma preocupação mais ampla com a humanização da ciência? Ou se restringe à busca de legitimação da autoridade e da competência científica, de acordo com a racionalidade dominante?
Este trabalho analisa o desenvolvimento da epidemiologia, a sua institucionalização como disciplina científica e a concepção hegemônica de método construída nesse processo. Analisa também a introdução do pensamento popperiano, que se apresentou como crítico no debate interno da epidemiologia norte-americana.
Finalmente, refere-se a alternativas metodológicas apontadas por alguns autores frente a questões e impasses identificados no desenvolvimento da disciplina.


ABSTRACT

The reflection upon the construction of knowledge in epidemiology is increasing. To what extent this theoretical interest refers to a broader preocupation with the humanization of science? Or is it restricted to the search of legitimation of authority and scientific competence, according to the dominating rationality?
This work analyses the development of epidemiology, its institutiona-lization as scientific discipline and the method's hegemonic conception built within this process. It also analyses the introduction of the Popperian thought, who was a critic in the internai debate of the american epidemiology.
Finally, it refers to methodological alternatives mentioned by some authors in face or questions and impasses identified in the development of the discipline.


RESUME

Ce texte a comme but analyser le développement de l'épidémiologie, son processus d'institutionalisation et la conception méthodologique qui a été établie comme hégémonique dans ce processus. L'article discute les alter-natives méthodologiques qui ont étè posées par plusieurs auteurs face aux questions, problèmes et impasses produits dans le processus de développement de l'épidémiologie.


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

1 MORIN E., Ciência com consciência. Portugal, Europa-América, 1982.         
2 KUHN T. S., A estrutura das revoluções científicas. São Paulo, Perspectiva, 1982, p. 90.         
3 KUHN T. S., op. cit.
4 BACHELARD G., Episiemologia. Rio de Janeiro, Zahar, 1983.         
5 BACHELARD G., O novo espírito científico. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1968, p. 127.         
6 GONÇALVES R. B. M., "Reflexão sobre a articulação entrea investigação epidemiológica e a prática médica a propósito das doençascrônica-degenerativas."Jn: Epidemiologia Teoria eObjeto, D.C. Costa (org.). São Paulo, Hucitec-Abrasco, 1990, p. 66.         
7 FOUCAULT M., O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1977.         
8 BARRETO M. L. A, "Epidemiologia, sua história e crises: notas para pensar o futuro." In: Epidemiologia Teoria e Objeto, D.C. Costa (org.          ), op. cit.
9 AYRES J. R. C. M., "A epidemiologia e o projeto emancipador nas práticas de saúde: A crítica da razão instrumental na constituição histórica da ciência epidemiológica". Tese de Mestrado, Universidade de São Paulo/USP, 1991.         
10 SNOW J., Sobre a maneira de transmissão do cólera. São Paulo, Hucitec, 1990.         
11 BOURDIEU P., "O campo científico". In PierreBourdieu, Coleção Grandes Cientistas Sociais, São Paulo, Ática, 1983, p. 122-155.         
12 BARRETO M.L., op. cit.
13 SUSSER M., "Epidemiology in the United States After World War II: theEvolution of Technique." Epidemio!. Rev., 1985, 17:147-177.         
14 BARRETO M. L., "A epidemiologia, sua história e crises: notas para pensar o futuro," op. cit.
15 ALMEIDA FILHO N., Epidemiologia sem números. Uma introdução crítica à ciência epidemiológi-ca. Rio de Janeiro, Editora Campus, 1989.         
16 SUSSER M., Causai Thinking in theHealth Science. Nova York, Oxford University Press, 1973.         
17 POPPER K.R., Conjecturas e refutações. Universidade de Brasília, 1982, p. 223.         
18 POPPER K.R., op.cit.
19 HABERMAS J., Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro, Guanabara, 1987.         
20 MORIN E.,op. cit.
21 AYRES J.R.C.M., "O problema do conhecimento verdadeiro em epidemiologia." Revista de Saúde Pública 26(3), 1992
22 BUCKC.          , "Popper's Philosophy for Epidemiologists."Int. J. Epidemiol., 1975, 4:159-168
23 MacLURE M.          , "Popperian Refutation in Epidemiology." Am. J. Epidemiol., 1985,121:343-350.         
24 WEED D., "On the Logic of Causai Inference." Am. J. Epidemiol., 1986, 123:965-979.         
25 SUSSER M., "The logic of Sir Karl Popper and the practice of epidemiology." Am. J. Epidemiol., 1986,124:711-718.         
26 PEARCE N. & CRAWFORD-BROWN D., "Criticai Discussion in Epidemiology: Problems with the Popperian Approach."/. Clin. Epidemiol., 1989,42:177-184.         
27 NG STEPHEN K. C, "Does Epidemiology need a new Philosophy?" Am. J. Epidemiol., 1991, 133:1073-1077.         
28 MIETTINEN O., "The Clinicai Trial as a Paradigm for Epidemiologic Research," J. Clin. Epidemiol. 42:491-6,1989.         
29 ALMEIDA FILHO N. A., "Desconstruçáo do conceito de risco." In: Avanços conceituais em epidemiologia: desafios para a década de 90. Rio de Janeiro, ENSP, 1992.         
30 ALMEIDA FILHO N., op. cit..
31 BIRMAN J., "A physis da saúde coletiva." Phvsis, 1991, 1:7-11.         
32 ALMEIDA FILHO N., op cit.
33 MINAYO M. C. de S., O desafio do conhecimento. Metodologia de pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Hucitec, 1989.         
34 BREILH J., "A reprodução social e a investigação em saúde coletiva. Construção do pensamento e debate." In: Epidemiologia Teoria e Objeto, D.C. Costa (org.), op. cit.
35 ALMEIDA FILHO N., "Paradigmas em Epidemiologia." I Congresso Brasileiro de Epidemiologia. Anais, Rio de Janeiro, Abrasco, 1990.         
36 BOURDIEU P., "O Campo Científico." In: Pierre Bourdieu, Coleção Grandes Cientistas Sociais,          op. cit.
37 FOUCAULT M., O nascimento da clínica, op. cit.

IMS-UERJ RJ - Brazil
E-mail: publicacoes@ims.uerj.br