Condições de saúde e aconselhamento sobre alimentação e atividade física na Atenção Primária à Saúde de Belo Horizonte-MG

Health conditions and counseling on diet and physical activity in Primary Care in Belo Horizonte, Minas Gerais State, Brazil

Condiciones de salud y consejos sobre alimentación y actividad física en la Atención Primaria de Salud de Belo Horizonte-MG

Aline Cristine Souza Lopes Mariana Tâmara Teixeira de Toledo Ana Maria Chagas Sette Câmara Hans-Joachim Karl Menzel Luana Caroline dos Santos Sobre os autores

Resumos

OBJETIVO:

investigar fatores associados ao recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física.

MÉTODOS:

estudo transversal, realizado de outubro de 2009 a janeiro de 2010, com amostra de usuários de Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Foram coletados dados sociodemográficos, antropométricos, sobre consumo alimentar, uso de serviços e condições de saúde e relato de recebimento de aconselhamento.

RESULTADOS:

a frequência média de aconselhamento foi de 51,1%, com variação de 16,5% a 36,0% entre as UBS. Foram variáveis associadas ao recebimento de aconselhamento (p<0,05): ter hipertensão arterial, hipercolesterolemia, diabetes, excesso de peso; usar medicamentos e participar do Programa Academia da Saúde (PAS).

CONCLUSÃO:

a presença de agravos e a participação do PAS foram as condições de saúde associadas ao recebimento do aconselhamento, evidenciando-se a importância deste programa e a necessidade de reforçar a prática do aconselhamento com caráter preventivo e promotor da saúde na Atenção Primária.

Aconselhamento; Atenção Primária à Saúde; Estudos Transversais; Hábitos Alimentares; Atividade Motora


OBJECTIVE:

to investigate health factors associated with receiving counseling on diet andphysical activity.

METHODS:

cross-sectional study with a sample of Primary Health Care Centers service users in Belo Horizonte-MG. Sociodemographic, anthropometric and dietary intake data were collected, as were data on use of services, health conditions and reported receipt of counseling.

RESULTS:

on average 51.1% received counseling, varying between 16.5% at Center A and 36.0% at Center D. After adjusting for Primary Health Care Center, variables associated with receiving counseling (p<0.05) were: having hypertension, hypercholesterolemia, diabetes, overweight, taking medication and taking part in the Health Fitness Academy Program (HFAP).

CONCLUSION:

health factors associated with counseling were the presence of disease and taking part in HFAP. These findings highlight the importance of HFAP and the need to strengthen preventive health promotion counseling in Primary Care.

Counseling; Primary Health Care; Cross-Sectional Studies; Food Habits; Motor Activity


OBJETIVO:

investigar factores asociados a la recepción de consejos sobre alimentación y actividad física.

MÉTODOS:

estudio transversal, realizado de octubre de 2009 a enero de 2010, con muestra de usuarios de Unidades Básicas de Salud (UBS) de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Se recolectaron datos sociodemográficos, antropométricos, sobre consumo alimentario, uso de servicios y condiciones de salud y relato de recibimiento de consejos.

RESULTADOS:

la frecuencia media de ofrecimiento de consejos fue de 51,1%, con variación de 16,5% a 36,0% entre las UBS. Fueron variables asociadas para recibir consejos (p<0,05): sufrir de hipertensión arterial, hipercolesterolemia, diabetes, exceso de peso; usar medicamentos y participar del Programa Academia de Salud (PAS).

CONCLUSIÓN:

la presencia de agravamientos y la participación del PAS fueron las condiciones de salud asociadas a la recepción de consejos, evidenciando la importancia de este programa y la necesidad de reforzar la práctica de los consejos con carácter preventivo y como promotor de salud en la Atención Primaria.

Consejo; Atención Primaria de Salud; Estudios Transversales; Hábitos Alimenticios; Actividad Motora


Introdução

O cenário epidemiológico da saúde no Brasil é marcado pelo aumento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), com destaque para as doenças cardiovasculares, câncer, doenças respiratórias crônicas e diabetes mellitus (DM), que, em 2007, representaram 58% dos óbitos no país.11. Schimid M, Egli K, Martin BW, Bauer G. Health promotion in primary care: evaluation of a systematic procedure and stage specific information for physical activity counseling. Swiss Med Wkly. 2009 Nov;139(45-46):665-71. Este quadro é potencializado pela tendência pouco favorável dos principais fatores de risco envolvidos em sua etiologia, como a alimentação inadequada e a inatividade física.11. Schimid M, Egli K, Martin BW, Bauer G. Health promotion in primary care: evaluation of a systematic procedure and stage specific information for physical activity counseling. Swiss Med Wkly. 2009 Nov;139(45-46):665-71.

De modo a enfrentar essa situação, o Brasil vem implementando estratégias de vigilância às DCNT e seus fatores de risco, com destaque para o monitoramento dos fatores de risco mediante pesquisas nacionais e o fortalecimento da Atenção Primária à Saúde (APS).11. Schimid M, Egli K, Martin BW, Bauer G. Health promotion in primary care: evaluation of a systematic procedure and stage specific information for physical activity counseling. Swiss Med Wkly. 2009 Nov;139(45-46):665-71.

A APS objetiva ampliar o acesso à saúde integral e positiva.33. Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a estratégia saúde da família. Cienc Saude Colet. 2011 jan;16(1):319-5. Para tal, o aconselhamento em saúde constitui importante estratégia de cuidado, sobretudo no que concerne à alimentação saudável e à prática de atividade física.44. Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009 jan;25(1):203-13.

O aconselhamento em saúde pode ser compreendido como um processo genérico de apoio aos usuários,55. Rodrigues EM, Soares FPTP, Boog MCF. Resgate do conceito de aconselhamento no contexto do atendimento nutricional. Rev Nutr. 2005 jan-fev;18(1):119-28. no qual o profissional considera o contexto biopsicossociocultural do indivíduo e o auxilia a explicitar os conflitos que permeiam seu cotidiano, visando construir estratégias conjuntas para o enfrentamento dos problemas de saúde.55. Rodrigues EM, Soares FPTP, Boog MCF. Resgate do conceito de aconselhamento no contexto do atendimento nutricional. Rev Nutr. 2005 jan-fev;18(1):119-28.

Incorporar a prática do aconselhamento na APS tem sido um desafio, uma vez que estudos revelam proporção de aconselhamento variando de 20 a 40%.44. Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009 jan;25(1):203-13. , 66. Wynn K, Trudeau JD, Taunton K, Gowans M, Scott I. Nutrition in primary care: current practices, attitudes, and barriers. Can Fam Physician. 2010 Mar;56(3):e109-16. O objetivo deste artigo foi investigar os fatores associados ao recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física na APS.

Métodos

Estudo transversal realizado de outubro de 2009 a janeiro de 2010, em Belo Horizonte.

Em 2007, Belo Horizonte contava com população estimada de 2.412.937 habitantes, em nove regionais administrativas.77. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem da população: Belo Horizonte - 2007. Rio de Janeiro: IBGE; 2007. Este município tem implementado ações intersetoriais voltadas para a promoção da saúde de populações vulneráveis no âmbito da APS, como o Programa Academia da Saúde (PAS), que oferece prática regular de exercícios físicos e acompanhamento nutricional para indivíduos com 18 ou mais anos.88. Dias MAS, Giatti L, Guimarães VR, Amorim MA, Rodrigues CS, Lansky S, et al. BH Saúde: projeto promoção de modos de vida saudáveis. Pensar BH Polit Soc. 2006 out-dez;16:21-24. , 99. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 719, de 7 de abril de 2011. Institui o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2011 abr 7; Seção 1:62.

Este estudo foi realizado em quatro Unidades Básicas de Saúde (UBS), aqui denominadas de UBS A, B, C e D, de diferentes regiões da cidade, que se distinguem pelo contexto social e presença de um polo do PAS. Devido a estas especificidades, as quatro Unidades foram incluídas na linha de pesquisa "Promoção de Modos Saudáveis de Vida", do Programa de Educação pelo Trabalho em Saúde (PET-Saúde), gerido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. A UBS A não possuía PAS na regional, enquanto duas outras UBS apresentavam estes serviços em suas áreas de abrangência (UBS B - distância de 300m; e C - distância de 600m), e a última, situada na mesma regional, mas fora de sua área adstrita (UBS D - distância de 2.000m).

Estes serviços situavam-se em áreas com índices de vulnerabilidade social (IVS) baixos: 0,56 para a UBS A; 0,77 para a B; 0,60 para a C; e 0,76 para a D. O IVS é constituído por variáveis ambientais, culturais, econômicas e jurídicas, sendo que quanto mais próximo de 1,00, pior a situação de vulnerabilidade.1010. Nahas MIP. Metodologia de construção de índices e indicadores sociais como instrumentos balizadores da gestão municipal da qualidade de vida urbana: uma síntese da experiência de Belo Horizonte. In: Hogan RB, Baeninger R, Cunha JMP, Carmo RL, organizadores. Migração e ambiente nas aglomerações urbanas. Campinas: UNICAMP; 2001. p. 465-87.

A amostra do estudo foi composta por usuários de ambos os sexos, com 20 anos ou mais de idade, que aguardavam acolhimento ou procedimento eletivo e que aceitaram participar da pesquisa, excluindo aqueles com demanda aguda mais grave. O cálculo amostral baseou-se na população com 20 anos ou mais idade residente nas áreas de abrangência das UBS, em torno de 10 mil sujeitos por unidade, e na prevalência de obesidade (12,1%), em 2008, em Belo Horizonte.22. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. (Série G. Estatística e informação em saúde). Considerou-se para o cálculo poder de 80% e nível de significância de 5%, sendo estimada uma amostra proporcional ao número de usuários nos serviços, com margem de 5% de erro, sendo 135 indivíduos para a UBS A, 137 para a B e a C, e 141 para a D, utilizando-se fórmulas de amostragem para fins descritivos.1111. Browner WS, Cummings SR, Hulley SB. Estimando o tamanho da amostra e o poder estatístico: pontos básicos. In: Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Hearst N, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. Porto Alegre: Artmed; 2001. Foram convidados a participar do estudo todos os usuários que aguardavam acolhimento ou atendimento eletivo na UBS durante o período da coleta de dados.

Todos os dados foram coletados por acadêmicos da área de saúde integrantes do PET-Saúde da UFMG e Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. Os entrevistadores receberam treinamento com duração de 12 horas, sendo oito em campo simulando a entrevista e a realização de medidas físicas visando sua padronização. Destaca-se que, tanto durante o treinamento quanto na realização da coleta dos dados, os entrevistadores foram supervisionados pelos preceptores.

Os dados foram obtidos por meio de um questionário pré-testado,1212. Lopes ACS, Santos LC, Ferreira AD. Atendimento nutricional na atenção primária à saúde: proposição de protocolos. Nutr Pauta. 2010 mar-abr;18(101):40-4. constando de: 1) variáveis sociodemográficas - idade, sexo, escolaridade (anos de estudo) e renda (renda familiar mensal dividida pelo número de moradores do domicílio, convertida em dólares pela cotação do dia, visando sua comparabilidade temporal); 2) perfil alimentar - número de refeições diárias; consumo de alimentos, obtido a partir de Questionário de Frequência Alimentar (QFA);1212. Lopes ACS, Santos LC, Ferreira AD. Atendimento nutricional na atenção primária à saúde: proposição de protocolos. Nutr Pauta. 2010 mar-abr;18(101):40-4. ingestão de gordura aparente das carnes e pele do frango, e de frutas, legumes e verduras (FVL); 3) condições autorreferidas de saúde - presença de doenças, uso referido de medicamentos, atividade física e tabagismo (autorrelato atual do hábito de fumar). Ademais, foram aferidas as medidas antropométricas.

No QFA, os usuários foram questionados sobre a frequência (diária, semanal, mensal, rara/nunca) de consumo alimentar nos últimos seis meses de 20 alimentos. As quantidades de FLV foram transformadas em porções, sendo toda adequação do consumo alimentar realizada de acordo com as recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira.1313. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Série A. Normas e manuais técnicos).

Para mensurar o nível de atividade física, empregou-se a versão reduzida do International Physical Activity Questionnaire (IPAQ), sendo os usuários classificados como sedentários, irregularmente ativos, regularmente ativos ou ativos.1414. Hallal PC, Matsudo SM, Matsudo VKR, Araújo TL, Andrade DR, Bertoldi AD. Physical activity in adults from two Brazilian areas: similarities and differences. Cad Saude Publica. 2005 Mar-Apr;21(2):573-80.

Para a realização de todas as medidas antropométricas, os usuários retiraram adornos, objetos dos bolsos, casacos e sapatos. A medida de peso foi obtida por tomada única em balança digital com capacidade para 180kg e precisão de 100g. A estatura foi verificada por tomada única com estadiômetro portátil, com fita métrica milimetrada de 220cm de extensão. A leitura foi realizada com aproximação de 0,5cm. As medidas de peso e altura foram usadas para o cálculo do índice de massa corporal (IMC), definido como peso (em kg) dividido pela estatura (em metros) ao quadrado. Para a mensuração da circunferência da cintura (CC), uma fita métrica inelástica e inextensível foi posicionada no ponto médio entre a crista ilíaca e a última costela, sem comprimir tecidos. A classificação do IMC foi realizada conforme proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS)1515. World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995 (Technical Report Series, 854). para adultos e a Nutrition Screening Initiative 1616. Nutrition Screening Initiative. Nutrition interventions manual for professionals caring for older Americans. Washington, DC: Nutrition Screening Initiative; 1992. para idosos. Para CC utilizaram-se as referências preconizadas pela OMS.1717. World Health Organization. Waist circumference and waist-hip ratio: report of a WHO expert consultation Geneva, 8-11 December 2008. Geneva: WHO; 2011.

A informação desfecho deste estudo - recebimento ou não de aconselhamento sobre modos saudáveis de vida - foi obtida pelo relato dos participantes à pergunta: "Alguma vez na vida, em uma consulta no Centro de Saúde, algum profissional (médico, enfermeiro, nutricionista...) lhe disse que o(a) Sr. (a) deveria melhorar/mudar sua alimentação e/ou fazer atividade física para melhorar a sua saúde?" Adicionalmente, foram questionados sobre os profissionais responsáveis pelo aconselhamento. Cabe ressaltar que todas as perguntas do questionário se relacionavam às atividades vivenciadas no centro de saúde em estudo, e que tal questão era explicitada ao entrevistado no início da entrevista e resgatada em seu decorrer.

As análises estatísticas foram efetuadas com o auxílio do programa Statistical Softwarefor Professionals (Stata), versão 9.2. Aplicou-se o teste Kolmogorov-Smirnov para verificar a normalidade dos dados, sendo as variáveis com distribuição normal apresentadas como média e desvio padrão, e as demais, como mediana e percentis 25 (P25) e 75 (P75).

Para verificar a associação entre o desfecho e as variáveis explicativas foram utilizados os testes estatísticos Qui-Quadrado de Pearson ou Exato de Fisher, e estimada a Razão de Prevalência (RP), com respectivo Intervalo de Confiança de 95% (IC95%). As variáveis que apresentaram valor p inferior a 0,20 na análise univariada foram incluídas no modelo multivariado de Regressão de Poisson com variância robusta por meio do método stepwise backward. Para o ajuste do modelo, realizou-se eliminação individual das variáveis por meio do teste de Deviance, permanecendo no modelo final aquelas com nível de significância de até 5%.

Ressalta-se que o estudo foi aprovado pelos Comitês de Ética da Prefeitura de Belo Horizonte (0037.0.410.203.09A) e da UFMG (ETIC 037.0.410.203-09). O estudo foi realizado em conformidade com a Resolução no 466/12 do Conselho Nacional de Saúde.

Resultados

Participaram do estudo 1.616 indivíduos, com proporção de perda global de 8%, variando de 6 a 10% entre as UBS, sem diferenças significantes entre elas. A mediana de idade dos participantes foi de 44 anos (P25: 30,0; P75: 56,0), 8 anos de estudo (P25: 4,0; P75: 11,0) e a renda per capita mensal de US$ 195,00 (P25: 118,0; P75: 314,50). Dos participantes, 78,9% eram mulheres, a maioria adulta (81,2%), e 33,3% regularmente ativos, sendo elevadas as prevalências de DCNT, mas com características distintas entre as UBS (p<0,05) (Tabela 1).

Tabela 1
Perfil sociodemográfico e de saúde de usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde. Belo Horizonte-MG, 2009-2010

Dos entrevistados, 51,1% (n=823) relataram ter recebido aconselhamento sobre alimentação e atividade física, com maiores prevalências nas UBS C e D (p<0,001) (Tabela 2). Os médicos (69,0%) foram os principais responsáveis pelo aconselhamento, seguidos por enfermeiros (6,1%), nutricionistas do Núcleo de Apoio à Saúde da Família - NASF (3,0%) e estagiários de nutrição (2,6%), sendo dentistas, técnicos de enfermagem e Agentes Comunitários de Saúde (ACS) pouco citados (0,5%).

Tabela 2
Associação do recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física e variáveis sociodemográficas, nível de atividade física e uso de serviços de saúde entre usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde. Belo Horizonte-MG, 2009-2010

A maioria (63,0%) referiu desconhecer o PAS. Entre os que conheciam, os principais informantes foram amigos, vizinhos ou parentes (60,6%), sendo os profissionais das UBS pouco citados (10,2% por médicos, enfermeiros ou ACS e 0,7% por nutricionistas/ estagiários de nutrição). No que se refere à prática de atividade física e orientação nutricional no PAS, apenas 4,2% (n=67) relataram participar.

Os resultados da análise bivariada encontram-se descritos nas Tabelas 2, 3 e 4. Ter recebido aconselhamento foi mais frequente entre os indivíduos com 50 a 59 anos; do sexo feminino; com maior renda e escolaridade; não fumantes; que possuíam doenças crônicas não transmissíveis, excesso de peso e de gordura abdominal; usavam medicamentos; que conheciam o PAS e frequentavam o atendimento nutricional da UBS e o PAS; e que possuíam hábitos alimentares adequados (não ingeriam líquidos às refeições principais, retiravam a pele do frango e a gordura aparente das carnes, e possuíam consumo adequado de refrigerantes e suco artificial).

Tabela 3
Associação entre variáveis de saúde e recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física entre usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde. Belo Horizonte-MG, 2009-2010
Tabela 4
Associação entre perfil alimentar e recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física entre usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde. Belo Horizonte-MG, 2009-2010

Após ajuste para variáveis de confusão, permaneceram significativamente associadas ao desfecho possuir HAS (RP: 1,12; IC95%: 1,01; 1,26), hipercolesterolemia (RP: 1,29; IC95%: 1,17; 1,42), DM (RP: 1,16; IC95%: 1,04; 1,29), excesso de peso (RP: 1,35; IC95%: 1,20; 1,52), uso de medicamento (RP: 1,27; IC95%: 1,11; 1,46), não ingerir líquidos nas principais refeições (RP: 0,83; IC95%: 0,75; 0,91) e participar do PAS (RP: 1,21; IC95%: 1,02; 1,43) (Tabela 5).

Tabela 5
Modelo final da Regressão de Poissona de variáveis associadas ao recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física entre usuários de serviços de Atenção Primária à Saúde. Belo Horizonte-MG, 2009-2010

Discussão

Os resultados revelaram baixas prevalências de recebimento de aconselhamento sobre alimentação e atividade física, sendo superior entre os usuários com morbidades e em uso de medicamentos. Ao investigar os fatores associados ao recebimento de aconselhamento, ajustado por UBS, verificou-se associação com a presença de DCNT, uso de medicamentos e participação no Programa Academia da Saúde.

Ressalta-se que, apesar da baixa prevalência de aconselhamento, esta foi superior àquela verificada na maioria dos estudos que também trabalharam com o aconselhamento para atividade física e alimentação ao longo da vida, variando de 29,0 a 42,0%.44. Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009 jan;25(1):203-13. , 1818. Sinclair J, Lawson B, Burge F. Which patients receive advice on diet and exercise? Do certain characteristics affect whether they receive such advice? Can Fam Physician. 2008 Mar;54(3):404-12. Por outro lado, em estudo realizado por meio de entrevistas telefônicas com médicos e enfermeiros de todas as regiões brasileiras sobre a percepção de sua prática de aconselhamento voltado exclusivamente para atividade física, a prevalência de realização de aconselhamento foi de 68,9%.1919. Florindo AA, Mielke GI, Gomes GAO, Ramos LR, Bracco MM, Parra DC, et al. Physical activity counseling in primary health care in Brazil: a national study on prevalence and associated factors. BMC Public Health. 2013 Aug;13:794.

As UBS que participaram da pesquisa apresentaram diferentes distribuições para as variáveis sociodemográficas - sexo, idade, renda e escolaridade dos usuários -, sendo as maiores proporções de mulheres e idosos, e pessoas com menor escolaridade verificadas na UBS D e menor renda na UBS A. A menor escolaridade apresentada pelos usuários da UBS D em contraponto à maior renda possivelmente pode ser explicada pela maior proporção de idosos, refletindo as dificuldades de acesso à escola no passado. Por outro lado, a UBS A, apesar de localizar-se em um ponto do município com menor índice de vulnerabilidade à saúde, atende os usuários que apresentam menor renda e baixa escolaridade. Tal fato advém possivelmente das diferenças vivenciadas nas grandes metrópoles, onde desigualdades compartilham o mesmo espaço geográfico, podendo o IVS da área ser distinto da comunidade ao redor. Na análise univariada, a variável UBS foi significativamente associada ao recebimento de aconselhamento, perdendo a significância no modelo multivariado, mas sendo mantida como variável de ajuste. Desta forma, objetivou-se atenuar as diferenças sociodemográficas identificadas entre os usuários das UBS, sendo fatores significativamente relacionados ao recebimento de aconselhamento as condições e os serviços de saúde.

O maior recebimento de aconselhamento entre usuários com doenças e em uso de medicamentos pode sugerir uma possível dificuldade dos profissionais de saúde em lançar mão dessa estratégia de prevenção de doenças e promoção da saúde, dada a elevada demanda por assistência e procedimentos curativos apresentada pelos usuários, o que pode se configurar como limitante para o cuidado integral à saúde.

Apesar de positiva a iniciativa de aconselhar indivíduos com DCNT, em virtude de sua maior demanda por cuidados - o que caracteriza a equidade em saúde -, a necessidade de se aconselhar também para promover a saúde é premente, dadas as características da APS. Ressalta-se seu papel como principal nível de atenção responsável pelas ações de prevenção e promoção da saúde, devendo, assim, garantir que o aconselhamento seja ofertado independentemente da presença de doenças.44. Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009 jan;25(1):203-13. , 2020. Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Cienc Saude Colet. 2000;5(1):163-77.

Além da universalização da prática do aconselhamento para os sujeitos, é necessário enfatizar a importância de sua realização por todos os profissionais de saúde. Os médicos serem citados predominantemente como responsáveis pelos aconselhamentos pode sugerir a influência do modelo biomédico na "realidade clínica" das unidades e na percepção dos usuários.2121. Bydlowski CR, Westphal MF, Pereira IMTB. Promoção da saúde. Porque sim e porque ainda não! Saude Soc. 2004 jan-abr;13(1):14-24.

Estudos nacionais também apontaram os médicos como os principais responsáveis pelo aconselhamento - 76,0 a 96,5% -,2222. Guimarães FPM, Takayanagui AMM. Orientações recebidas do serviço de saúde por pacientes para o tratamento do portador de diabetes mellitus tipo 2. Rev Nutr . 2002 jan-abr;15(1):37-44. , 2323. Cotta RMM, Batista KCS, Reis RS, Souza GA, Dias G, Castro FAF, et al. Perfil sociossanitário e estilo de vida de hipertensos e/ou diabéticos, usuários do Programa de Saúde da Família no município de Teixeiras-MG. Cienc Saude Colet. 2009 jul-ago;14(4):1251-60. enquanto nos trabalhos internacionais os médicos foram os únicos citados.1616. Nutrition Screening Initiative. Nutrition interventions manual for professionals caring for older Americans. Washington, DC: Nutrition Screening Initiative; 1992. , 2424. Kreuter MW, Scharff DP, Brennan LK, Lukwago SN. Physician recommendations for diet and physical activity: which patients get advised to change? Prev Med. 1997 Nov-Dec;26(6):825-33. Corroborando estes achados, Florindo e colaboradores,1919. Florindo AA, Mielke GI, Gomes GAO, Ramos LR, Bracco MM, Parra DC, et al. Physical activity counseling in primary health care in Brazil: a national study on prevalence and associated factors. BMC Public Health. 2013 Aug;13:794. também verificaram que os médicos foram os profissionais que referiram maior percentual de realização de aconselhamento regular, há pelo menos seis meses, sobre a prática de atividade física em relação aos enfermeiros (81,2 e 61,4%, respectivamente).

Salienta-se que a participação de todos os profissionais de saúde na realização do aconselhamento favorece o processo de aprendizagem e autonomia dos sujeitos, uma vez que a equipe interdisciplinar identifica melhor os conflitos, propondo projetos terapêuticos mais efetivos.33. Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a estratégia saúde da família. Cienc Saude Colet. 2011 jan;16(1):319-5.

Participar do PAS também foi uma condição que favoreceu o recebimento de aconselhamento. No Brasil, o Programa Academia da Saúde tem sido proposto como pontos de atenção da APS propícios para ações de promoção da saúde, incluindo a prática de exercícios físicos e a alimentação saudável. Ademais, se configura como oportunidade de engajamento e participação social voltado para o empoderamento e a construção da autonomia dos sujeitos em seu cuidado em saúde,99. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 719, de 7 de abril de 2011. Institui o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2011 abr 7; Seção 1:62. , 2525. Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA, et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: percepções de usuários e não-usuários. Cad Saude Publica. 2010 jan;26(1):70-8. apresentado resultados positivos para a saúde dos participantes, como a melhoria dos hábitos alimentares e a redução da obesidade abdominal.2626. Mendonça RD, Lopes ACS. Efeitos de intervenções em saúde sobre os hábitos alimentares e medidas físicas. Rev Esc Enferm USP. 2012 jun;46(3):573-9. A maior prevalência de aconselhamento na UBS para aqueles participantes do PAS pode ser consequência desta proposta de empoderamento e autonomia dos sujeitos em seu cuidado em saúde, preconizada pelo programa. Isso pode ter como resultado um usuário mais crítico-reflexivo, que, de modo indireto, pode despertar mudanças na prática de aconselhamento dos profissionais, além de favorecer o cuidado em rede. Entretanto, apesar dos benefícios relacionados à participação no PAS, a maioria dos entrevistados relatou desconhecê-lo, denotando a necessidade de melhorar a comunicação em rede entre os serviços.

Em relação ao perfil alimentar dos usuários, ingerir líquidos durante as refeições principais, almoço e jantar, se configurou como fator associado a menor prevalência de aconselhamento. Na análise dos indivíduos que relataram possuir este hábito, verificou-se que estes apresentavam outras características que suscitavam o menor recebimento de aconselhamento, como menores prevalências de DM, hipercolesterolemia, excesso de peso e uso de medicamentos, bem como participavam menos do PAS, sugerindo ser esta uma possível variável de confundimento. Entretanto, cumpre destacar que esse hábito deve ser abordado em estratégias de aconselhamento nutricional, tendo em vista sua interface com o consumo de bebidas açucaradas e consequente incremento do consumo calórico, contribuindo para o excesso de peso e seus agravos.2727. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 2000 (Technical Report Series, 894).

Uma das limitações deste estudo é o seu caráter transversal, que impossibilita estabelecer relações temporais de causa-efeito entre as variáveis. Entretanto, o delineamento utilizado se ajusta à proposta apresentada de melhor conhecer o recebimento de aconselhamento entre os usuários e apontar variáveis associadas. Ademais, os resultados apontam questões importantes a serem verificadas na prática do serviço, além de sugerirem a necessidade de estudos longitudinais que confirmem tais achados.

A utilização de medidas de autorrelato, que podem ser influenciadas pela cognição, linguagem e escolaridade dos participantes, pode também ter constituído uma limitação deste estudo. No entanto, o autorrelato tem sido amplamente empregado em estudos epidemiológicos, apresentando boa concordância com medidas objetivas.

Outros fatores não analisados neste estudo podem estar associados ao aconselhamento, constituindo-se em possíveis efeitos de confundimento residual e limitações. Ressalta-se, porém, que uma gama de variáveis relacionadas às condições sociodemográficas (idade, sexo, renda e escolaridade) e de saúde (morbidades referidas, estado nutricional, obesidade abdominal, uso de medicamentos, tabagismo, hábitos e consumo alimentar, e uso de serviços de saúde) foi analisada buscando caracterizar tais associações. Adicionalmente, os resultados encontrados contribuem para a compreensão da situação da realização do aconselhamento sobre modos saudáveis de vida por profissionais de saúde na APS, reforçando a importância desta prática, independentemente dos contextos sociais e condições de saúde vivenciadas.

Por fim, os achados evidenciam a associação entre as condições de saúde sobre a prática de aconselhamento para alimentação e atividade física, sobretudo na presença de doenças. No entanto, também expõem a necessidade que este aconselhamento seja realizado com caráter preventivo e promotor da saúde, visando garantir a cobertura de todos os usuários dos serviços, dada a importância da prática do aconselhamento para a saúde.

  • 1
    Schimid M, Egli K, Martin BW, Bauer G. Health promotion in primary care: evaluation of a systematic procedure and stage specific information for physical activity counseling. Swiss Med Wkly. 2009 Nov;139(45-46):665-71.
  • 2
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Vigitel Brasil 2009: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. (Série G. Estatística e informação em saúde).
  • 3
    Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a estratégia saúde da família. Cienc Saude Colet. 2011 jan;16(1):319-5.
  • 4
    Siqueira FV, Nahas MV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, et al. Aconselhamento para a prática de atividade física como estratégia de educação à saúde. Cad Saude Publica. 2009 jan;25(1):203-13.
  • 5
    Rodrigues EM, Soares FPTP, Boog MCF. Resgate do conceito de aconselhamento no contexto do atendimento nutricional. Rev Nutr. 2005 jan-fev;18(1):119-28.
  • 6
    Wynn K, Trudeau JD, Taunton K, Gowans M, Scott I. Nutrition in primary care: current practices, attitudes, and barriers. Can Fam Physician. 2010 Mar;56(3):e109-16.
  • 7
    Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem da população: Belo Horizonte - 2007. Rio de Janeiro: IBGE; 2007.
  • 8
    Dias MAS, Giatti L, Guimarães VR, Amorim MA, Rodrigues CS, Lansky S, et al. BH Saúde: projeto promoção de modos de vida saudáveis. Pensar BH Polit Soc. 2006 out-dez;16:21-24.
  • 9
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 719, de 7 de abril de 2011. Institui o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2011 abr 7; Seção 1:62.
  • 10
    Nahas MIP. Metodologia de construção de índices e indicadores sociais como instrumentos balizadores da gestão municipal da qualidade de vida urbana: uma síntese da experiência de Belo Horizonte. In: Hogan RB, Baeninger R, Cunha JMP, Carmo RL, organizadores. Migração e ambiente nas aglomerações urbanas. Campinas: UNICAMP; 2001. p. 465-87.
  • 11
    Browner WS, Cummings SR, Hulley SB. Estimando o tamanho da amostra e o poder estatístico: pontos básicos. In: Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Hearst N, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. Porto Alegre: Artmed; 2001.
  • 12
    Lopes ACS, Santos LC, Ferreira AD. Atendimento nutricional na atenção primária à saúde: proposição de protocolos. Nutr Pauta. 2010 mar-abr;18(101):40-4.
  • 13
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral de Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. (Série A. Normas e manuais técnicos).
  • 14
    Hallal PC, Matsudo SM, Matsudo VKR, Araújo TL, Andrade DR, Bertoldi AD. Physical activity in adults from two Brazilian areas: similarities and differences. Cad Saude Publica. 2005 Mar-Apr;21(2):573-80.
  • 15
    World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995 (Technical Report Series, 854).
  • 16
    Nutrition Screening Initiative. Nutrition interventions manual for professionals caring for older Americans. Washington, DC: Nutrition Screening Initiative; 1992.
  • 17
    World Health Organization. Waist circumference and waist-hip ratio: report of a WHO expert consultation Geneva, 8-11 December 2008. Geneva: WHO; 2011.
  • 18
    Sinclair J, Lawson B, Burge F. Which patients receive advice on diet and exercise? Do certain characteristics affect whether they receive such advice? Can Fam Physician. 2008 Mar;54(3):404-12.
  • 19
    Florindo AA, Mielke GI, Gomes GAO, Ramos LR, Bracco MM, Parra DC, et al. Physical activity counseling in primary health care in Brazil: a national study on prevalence and associated factors. BMC Public Health. 2013 Aug;13:794.
  • 20
    Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Cienc Saude Colet. 2000;5(1):163-77.
  • 21
    Bydlowski CR, Westphal MF, Pereira IMTB. Promoção da saúde. Porque sim e porque ainda não! Saude Soc. 2004 jan-abr;13(1):14-24.
  • 22
    Guimarães FPM, Takayanagui AMM. Orientações recebidas do serviço de saúde por pacientes para o tratamento do portador de diabetes mellitus tipo 2. Rev Nutr . 2002 jan-abr;15(1):37-44.
  • 23
    Cotta RMM, Batista KCS, Reis RS, Souza GA, Dias G, Castro FAF, et al. Perfil sociossanitário e estilo de vida de hipertensos e/ou diabéticos, usuários do Programa de Saúde da Família no município de Teixeiras-MG. Cienc Saude Colet. 2009 jul-ago;14(4):1251-60.
  • 24
    Kreuter MW, Scharff DP, Brennan LK, Lukwago SN. Physician recommendations for diet and physical activity: which patients get advised to change? Prev Med. 1997 Nov-Dec;26(6):825-33.
  • 25
    Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA, et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil: percepções de usuários e não-usuários. Cad Saude Publica. 2010 jan;26(1):70-8.
  • 26
    Mendonça RD, Lopes ACS. Efeitos de intervenções em saúde sobre os hábitos alimentares e medidas físicas. Rev Esc Enferm USP. 2012 jun;46(3):573-9.
  • 27
    World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 2000 (Technical Report Series, 894).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jul-Sep 2014

Histórico

  • Recebido
    20 Nov 2013
  • Aceito
    16 Jul 2014
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil Brasília - Distrito Federal - Brazil
E-mail: leilapgarcia@gmail.com