Epidemiologia em serviço: conhecimento útil e inovador para o Sistema Único de Saúde

Leila Posenato Garcia Elisete Duarte Sobre os autores

A Epidemiologia e Serviços de Saúde: revista do Sistema Único de Saúde do Brasil (RESS) encerra o ano de 2014 comemorando importantes conquistas e avanços. Destacam-se a inclusão na coleção SciELO Brasil, o importante crescimento no número de artigos publicados, de submissões e de citações dos artigos publicados na RESS, a ampliação de sua equipe editorial e o sucesso do Prêmio RESS Evidencia, cuja terceira edição foi finalizada durante a 14a Expoepi - Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças, com a premiação dos três melhores artigos publicados na RESS em 2013.

Com isso, a RESS se consolida como um dos principais periódicos brasileiros na área da saúde coletiva, com ênfase na epidemiologia. Todavia, a RESS é a única revista científica brasileira que privilegia a epidemiologia em serviço e, mais especificamente, os serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Mas, afinal, o que entendemos como epidemiologia em serviço? De forma sintética, como o uso da epidemiologia para a produção de conhecimento útil para trabalhadores e gestores dos serviços de saúde, nos diferentes níveis de gestão do SUS. Isso inclui não somente o conhecimento produzido nos serviços, mas também a importante contribuição da academia, tendo em vista que no Brasil a epidemiologia se desenvolveu associada à construção do campo da saúde coletiva e do próprio SUS. Da mesma maneira, o conhecimento produzido nos serviços e na gestão do SUS fornece subsídios e elementos para discussão da produção científica na academia.

Dessa forma, ao mesmo tempo que a RESS tem a particularidade de transitar entre os serviços e a academia, possui escopo bastante amplo. Como veículo privilegiado para a divulgação de conteúdo científico na área da epidemiologia em serviços, propõe-se a publicar artigos com grande diversidade de temas, todavia destacando relevantes desafios para o SUS. Entre eles, citamos a persistência das doenças transmissíveis de comportamento endêmico e epidêmico, incluindo as doenças relacionadas à pobreza e que acometem populações negligenciadas; a tendência ascendente de doenças crônicas não transmissíveis, como câncer e mal de Alzheimer, associadas ao envelhecimento populacional; o enfrentamento das violências e acidentes, inclusive acidentes de trânsito, de trabalho, violência urbana e doméstica, importantes causas de morbimortalidade, especialmente entre os jovens; o enfrentamento de fatores de risco a saúde, como o álcool e outras drogas, o sedentarismo e o tabagismo; questões relacionadas à vigilância em saúde ambiental, como poluição do ar, falta de água, desastres climáticos, cujas consequências sobre a saúde têm sido crescentemente visíveis no Brasil; e por último, mas não menos importante, as desigualdades em saúde relacionadas a características dos territórios e das populações, abrangendo desigualdades regionais, intraurbanas, de sexo, gênero, raça ou etnia.

Ressalta-se ainda o interesse na publicação de artigos do campo da avaliação em saúde, com incorporação de métodos epidemiológicos, que teve grande desenvolvimento no Brasil a partir do início do século XXI. Estudos epidemiológicos de avaliação têm papel importante para o fortalecimento de políticas públicas de saúde em diversas áreas, a exemplo dos estudos sobre o impacto da estratégia de Saúde da Família sobre diversos desfechos em saúde.11. Macinko J, Guanais FC, Souza MFM. Evaluation of the impact of the Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990-2002. J Epidemiol Community Health. 2006 Jan;60(1):13-9. , 22. Rasella D, Aquino R, Santos CAT, Paes-Sousa R, Barreto ML. Effect of a conditional cash transfer programme on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. Lancet. 2013 Jul;382(9886):57-64.

Ademais, merece destaque uma das modalidades de manuscritos aceitos para publicação na RESS: o Relato de Experiência. Esta modalidade está voltada para a divulgação de experiências em epidemiologia, vigilância, prevenção e controle de doenças e agravos, além de relatos de investigações de surtos, em especial as experiências selecionadas para participação nas edições da Expoepi. Considera-se o registro e a divulgação dessas experiências de extrema relevância para o aprimoramento das ações no âmbito dos serviços de saúde.

Uma dúvida frequente quanto ao potencial para publicação dos artigos submetidos à RESS refere-se à abrangência dos estudos. Na avaliação do potencial para publicação, levam-se em conta sua relevância, originalidade, caráter inovador, adequação do método e qualidade do relato. Estudos realizados com populações ou amostras pequenas podem ter potencial para publicação, desde que atendam a esses critérios, ou seja, que não resultem de mera reprodução de estudos previamente realizados em outros locais, sem que tragam contribuição nova.

Ao mesmo tempo que a RESS se consolida como periódico de relevância no cenário da publicação científica nacional e internacional, reitera seu compromisso com a publicação de artigos científicos de alta qualidade, que tragam conhecimento útil e inovador que possa verdadeiramente contribuir para o aprimoramento dos serviços de saúde e, consequentemente, para o fortalecimento do SUS.

  • 1
    Macinko J, Guanais FC, Souza MFM. Evaluation of the impact of the Family Health Program on infant mortality in Brazil, 1990-2002. J Epidemiol Community Health. 2006 Jan;60(1):13-9.
  • 2
    Rasella D, Aquino R, Santos CAT, Paes-Sousa R, Barreto ML. Effect of a conditional cash transfer programme on childhood mortality: a nationwide analysis of Brazilian municipalities. Lancet. 2013 Jul;382(9886):57-64.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2014
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil Brasília - Distrito Federal - Brazil
E-mail: leilapgarcia@gmail.com