Avaliação da completude e da concordância das variáveis dos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos e sobre Mortalidade no Recife-PE, 2010-2012**Pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)/Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI): Processo nº 144065/2013-4

Evaluación de la completitud y concordancia entre variables de los sistemas de informaciones en nacidos vivos y de mortalidad en Recife-PE, 2010-2012

Lays Janaina Prazeres Marques Conceição Maria de Oliveira Cristine Vieira do Bonfim Sobre os autores

Resumo

OBJETIVO:

avaliar a completude e a concordância das informações sobre óbitos infantis.

MÉTODOS:

pesquisa avaliativa com desenho descritivo com dados dos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) e sobre Mortalidade (SIM) de residentes no Recife-PE, Brasil, em 2010-2012; para vinculação dos dados sobre óbitos infantis e nascidos vivos, empregou-se o relacionamento determinístico de registros.

RESULTADOS:

dos 837 óbitos de menores de um ano no SIM, 811 (96,9%) foram relacionados entre os sistemas; obteve-se completude acima de 95% no SIM e de 98% no Sinasc; a concordância variou de 0,762 (substancial) a 0,997 (excelente) para o coeficiente de correlação intraclasse e foi excelente para o índice Kappa (>0,80).

CONCLUSÃO:

o Sinasc e o SIM apresentaram completude e concordância excelentes para a maioria das variáveis analisadas. O relacionamento das bases de dados é mais um instrumento a ser utilizado pelos serviços de saúde do município, para melhoria dos sistemas de informações de estatísticas vitais.

Palavras-chave:
Mortalidade Infantil; Estatísticas Vitais; Sistemas de Informação; Epidemiologia Descritiva

Resumen

OBJETIVO:

evaluar la integridad y concordancia de informaciones de muertes infantiles.

MÉTODOS:

estudio descriptivo con datos de los Sistemas de Informaciones de Nacidos Vivos (Sinasc) y Mortalidad (SIM) de residentes de Recife-PE, Brasil, en 2010-2012; para la vinculación de datos de muertes infantiles y nascido vivos, utilizando el relacionamiento determinista de los registros.

RESULTADOS:

de las 837 muertes (<un año) del SIM, 811 (96,9%) fueron relacionadas entre los sistemas; evidenciamos la integridad de 95% del SIM y 98% del Sinasc; la concordancia varió de 0,762 (sustancial) a 0,997 (excelente) para el coeficiente de correlación intraclase y el índice Kappa fue excelente con (> 0,80).

CONCLUSIÓN:

el Sinasc y SIM han mostrado integridad y completitud excelentes para gran parte de las variables; el relacionamiento de las bases es otra herramienta para ser utilizada por los servicios de salud, para la mejora de los sistemas de información de estadísticas vitales.

Palabras-clave:
Mortalidad Infantil; Estadísticas Vitales; Sistemas de Información; Epidemiología Descriptiva

Introdução

O coeficiente de mortalidade infantil é um indicador de saúde que reflete as condições de vida da população e a qualidade da assistência à saúde materna e infantil.11. Mello Jorge MHP, Laurenti R, Gotlieb SLB. Avaliação dos sistemas de informação em saúde no Brasil. Cad Saude Colet. 2010;18(1):7-18.,22. Frias PG, Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Lira PIC. Correção de informações vitais: estimação da mortalidade infantil, Brasil, 2000-2009. Rev Saude Publica. 2013 dez;47(6):1048-58. Apesar de seu uso consagrado, a maioria dos países de baixa e média renda não dispõem de informações satisfatórias para calcular as taxas de óbitos em menores de um ano de vida.33. Szwarcwald CL, Frias PG, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Morais Neto OL. Correction of vital statistics based on a proactive search of deaths and live births: evidence from a study of the North and Northeast regions of Brazil. Popul Health Metr. 2014;12:16.

Os Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) e sobre Mortalidade (SIM) foram criados pelo Ministério da Saúde do Brasil em 1976 e 1990, respectivamente, e representam importantes fontes de dados para o monitoramento da mortalidade infantil. A Declaração de Nascido Vivo (DN) e a Declaração de Óbito (DO) são os instrumentos que alimentam esses sistemas, fornecendo dados para o cálculo de indicadores de saúde, epidemiológicos e demográficos.11. Mello Jorge MHP, Laurenti R, Gotlieb SLB. Avaliação dos sistemas de informação em saúde no Brasil. Cad Saude Colet. 2010;18(1):7-18.

2. Frias PG, Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Lira PIC. Correção de informações vitais: estimação da mortalidade infantil, Brasil, 2000-2009. Rev Saude Publica. 2013 dez;47(6):1048-58.
-33. Szwarcwald CL, Frias PG, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Morais Neto OL. Correction of vital statistics based on a proactive search of deaths and live births: evidence from a study of the North and Northeast regions of Brazil. Popul Health Metr. 2014;12:16.

O relacionamento de bases de dados (linkage) consiste em uma estratégia para melhoria da qualidade das informações. O uso integrado de bancos de dados favorece a recuperação de registros incompletos ou inconsistentes.44. Barreto JOM, Nery IS. Óbitos infantis em um estado do Nordeste brasileiro: características e evitabilidade. Tempus Actas Saude Colet. 2015 set;9(3):9-19.

5. Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras. Rev Bras Saude Matern Infant. 2015 jan-mar;15(1):57-66.
-66. Coeli CM. A qualidade do linkage de dados precisa de mais atenção. Cad Saude Publica. 2015 jul;31(7):1349-50. A utilização do linkage depende de fatores como cobertura e qualidade dos dados, para que a identificação de um mesmo indivíduo em diferentes bancos seja vinculada a um só registro, possibilitando o ganho de informações aos sistemas comparados.77. Correia LOS, Padilha BM, Vasconcelos SML. Métodos para avaliar a completitude dos dados dos sistemas de informação em saúde do Brasil: uma revisão sistemática. Cienc Saude Coletiva. 2014 nov;19(11):4467-78.,88. Santos SLD, Silva ARV, Campelo V, Rodrigues FT, Ribeiro JF. Utilização do método linkage na identificação dos fatores de risco associados à mortalidade infantil: revisão integrativa da literatura. Cienc Saude Coletiva. 2014 jul;19(7):2095-104.

O emprego da técnica de linkage em pesquisas sobre as características de óbitos e nascimentos no Brasil melhora a completude e a confiabilidade das informações disponibilizadas pelo Sinasc e pelo SIM.99. Schoeps D, Almeida MF, Raspantini PR, Novaes HMD, Silva ZP, Lefevre F. SIM e SINASC: representação social de enfermeiros e profissionais de setores administrativos que atuam em hospitais no município de São Paulo. Cienc Saude Coletiva. 2013 maio;18(5):1483-92.,1010. Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Avaliação dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e óbitos no Brasil na década de 2000. Cad Saude Publica. 2014 out; 30(10):2068-80. Estudos utilizaram o linkage para identificação dos fatores de risco associados à mortalidade infantil e neonatal,88. Santos SLD, Silva ARV, Campelo V, Rodrigues FT, Ribeiro JF. Utilização do método linkage na identificação dos fatores de risco associados à mortalidade infantil: revisão integrativa da literatura. Cienc Saude Coletiva. 2014 jul;19(7):2095-104.,1111. Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saude Publica. 2014;30 supl 1:S192-207.,1212. Gaiva MAM, Fujimori E, Sato APS. Mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer. Rev Esc Enferm. USP. 2014 out;48(5):778-86. verificação da qualidade da informação sobre nascidos vivos e óbitos infantis,55. Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras. Rev Bras Saude Matern Infant. 2015 jan-mar;15(1):57-66.,77. Correia LOS, Padilha BM, Vasconcelos SML. Métodos para avaliar a completitude dos dados dos sistemas de informação em saúde do Brasil: uma revisão sistemática. Cienc Saude Coletiva. 2014 nov;19(11):4467-78. e avaliação da taxa de mortalidade infantil.1313. Morais CAM, Takano OA, Souza JSF. Mortalidade infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, 2005: comparação entre o cálculo direto e após o linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis. Cad Saude Publica. 2011 fev; 27(2):287-94.

O acesso a dados confiáveis permite verificar, com maior validade, as condições de nascimentos, óbitos e seus determinantes. A disponibilidade de informações com qualidade adequada favorece a análise da situação de saúde e as ações de planejamento para reduzir a mortalidade infantil. Este estudo teve por objetivo avaliar a completude e a concordância das informações dos óbitos infantis.

Métodos

Pesquisa avaliativa com desenho descritivo, com dados de todos os óbitos de menores de um ano e nascidos vivos de mães residentes no Recife-PE, ocorridos nos anos de 2009 (nascidos vivos) a 2012, registrados nas bases de dados do Sinasc e SIM.

Para vinculação dos dados sobre óbitos infantis e nascidos vivos, foi empregado o relacionamento determinístico de registros (deterministic record linkage) utilizando-se o programa Epi Info versão 6.04d. O linkage parte de uma variável comum às diferentes fontes de informações para a unificação dos registros em um banco único, preenchendo os campos em branco e corrigindo os dados incorretos.55. Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras. Rev Bras Saude Matern Infant. 2015 jan-mar;15(1):57-66.,1414. Coeli CM, Pinheiro RS, Camargo Júnior KR. Conquistas e desafios para o emprego das técnicas de record linkage na pesquisa e avaliação em saúde no Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2015 out-dez;24(4):795-802.

Foram adotados os seguintes campos identificadores, no relacionamento entre Sinasc e SIM: número da DN; nome da mãe e data de nascimento. Para se evitar a classificação errônea de falsos positivos e/ou falsos negativos, os pares formados foram verificados mediante revisão manual, utilizando-se as variáveis 'endereço', 'sexo' e 'peso ao nascer'.66. Coeli CM. A qualidade do linkage de dados precisa de mais atenção. Cad Saude Publica. 2015 jul;31(7):1349-50.

Para cada variável comum ao Sinasc e SIM, realizou-se a análise do preenchimento pré-linkage e pós-linkage segundo os escores propostos por Romero e Cunha,1515. Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis epidemiológicas e demográficas do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, 2002. Cad Saude Publica. 2007 mar;23(3):701-14. que consideram a incompletude como a proporção de campos ignorados/em branco, adotando os seguintes critérios: excelente (<5%); bom (5 a 9,9%); regular (10 a 19,9%); ruim (20 a 49,9%) e muito ruim (≥50%).

O teste do qui-quadrado (c2) de Pearson foi utilizado para verificar a existência de diferenças significativas entre as proporções de preenchimento das variáveis comuns ao SIM e ao Sinasc e o banco de dados resultante do linkage. Analisou-se a concordância das variáveis qualitativas pelo índice Kappa, e a concordância das variáveis quantitativas discretas pelo coeficiente de correlação intraclasse (ICC). Os parâmetros utilizados como ponto de referência para classificar o índice Kappa e o ICC foram: concordância excelente (0,80 a 1,00), substancial (0,60 a 0,79), moderada (0,40 a 0,59), razoável (0,20 a 0,39), pobre (0 a 0,19) e sem concordância (<0).1616. Landis JR, Koch GC. A medida da concordância entre observadores para dados categóricos. Biometrics. 1977 mar;33(1):159-74. Adotou-se o nível de significância de 5%. As análises foram realizadas com auxílio do programa R versão 3.2.2 for Windows(r).

O projeto do estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisas da Fundação Joaquim Nabuco (CAAE: 27491014.6.0000.5619) em 10 de março de 2014, e contou com a anuência da Secretaria de Saúde do Recife.

Resultados

Foram registrados 88.988 nascidos vivos no Sinasc, de 1º de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2012; e 837 óbitos de menores de um ano de idade no SIM, de 1º de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2012. Foi possível relacionar 811 (96,9%) DO com suas respectivas DN. Constatou-se que das 26 (3,1%) observações não pareadas, 15 (1,8%) demonstraram problemas em uma das variáveis identificadoras - nome da mãe - que apresentou grafias diferentes entre bancos de dados; sete variáveis (0,8%) não possuíam preenchimento do número da DN no SIM e quatro (0,4%) tinham divergência entre os dois bancos quanto a esse campo (Figura 1).

Figura 1
- Fluxograma do linkage entre os Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) e sobre Mortalidade (SIM) na cidade do Recife, Pernambuco, 2010-2012

No pré-linkage, observou-se um baixo percentual de incompletude no Sinasc, menor que o encontrado no SIM. Todas as variáveis apresentaram preenchimento acima de 95% no SIM e de 98% no Sinasc, sendo classificadas como excelentes. No pós-linkage, foi possível recuperar os campos não preenchidos e completar a informação total das variáveis, que alcançaram entre 99 e 100% do preenchimento, mantendo-se excelentes (Tabela 1).

Tabela 1
- Completude dos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) e sobre Mortalidade (SIM), antes e após o linkage, na cidade do Recife, Pernambuco, 2010-2012

Na comparação das proporções de preenchimento entre as variáveis dos bancos Sinasc e pós-linkage, apenas a variável 'quantidade de filhos tidos mortos' apresentou diferença estatisticamente significativa (p<0,05). Na análise entre os bancos SIM e pós-linkage, houve diferença estatisticamente significativa para todas as variáveis, exceto 'sexo' (Tabela 1).

Segundo o índice Kappa, a concordância foi excelente para todas as variáveis (índice Kappa >0,80). A maior concordância aferida pelo ICC, classificada como excelente, foi identificada para a variável 'peso ao nascer' (ICC=0,997), enquanto a menor concordância, classificada como substancial, foi encontrada para 'quantidade de filhos tidos vivos' (ICC=0,762) (Tabela 2).

Tabela 2 -
Análise da concordância entre as variáveis comuns aos Sistemas de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) e sobre Mortalidade (SIM) na cidade do Recife, Pernambuco, 2010-2012

Discussão

Observou-se uma elevada proporção de vinculação entre ambos sistemas de informações, superior a 95%. Pesquisa recente (2015) sobre o linkage entre o SIM e o Sinasc para o aperfeiçoamento das informações da mortalidade infantil também identificou um percentual maior que 95% no Recife-PE.55. Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras. Rev Bras Saude Matern Infant. 2015 jan-mar;15(1):57-66. Avanços na cobertura e regularidade do SIM e do Sinasc,1717. Ramalho MOA, Frias PG, Vanderlei LCM, Macedo VC, Lira PIC. Avaliação da incompletitude de óbitos de menores de um ano em Pernambuco, Brasil, 1999-2011. Cienc Saude Coletiva. 2015 set;20(9):2891-8.,1818. Rodrigues M, Bonfim C, Portugal JL, Frias PG, Gurgel IGD, Costa TR, et al. Análise espacial da mortalidade infantil e adequação das informações vitais: uma proposta para definição de áreas prioritárias. Cienc Saude Coletiva. 2014 jul;19(7):2047-54. melhorias no preenchimento da DO e da DN,1919. Oliveira MM, Andrade SSCA, Dimech GS, Oliveira JCG, Malta DC, Rabello Neto DL, et al. Avaliação do Sistema de Informações sobre nascidos vivos. Brasil, 2006 a 2010. Epidemiol Serv Saude. 2015 out-dez;24(4):629-40. além da consolidação da vigilância do óbito infantil e fetal na capital pernambucana, são fatores que contribuíram para a adequação das informações relacionadas.22. Frias PG, Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Lira PIC. Correção de informações vitais: estimação da mortalidade infantil, Brasil, 2000-2009. Rev Saude Publica. 2013 dez;47(6):1048-58.

Verificou-se que uma das variáveis identificadoras (nome da mãe) demonstrou grafias diferentes em parte dos registros, entre os bancos de dados. Trata-se de um caso com poder de dificultar o pareamento entre a DO e a DN.66. Coeli CM. A qualidade do linkage de dados precisa de mais atenção. Cad Saude Publica. 2015 jul;31(7):1349-50. Outra parcela importante das observações não pareadas apresentou ausência ou divergência no número na DN, fato revelador de uma deficiência na coleta dessa informação, remetendo à necessidade de melhorias no preenchimento desse dado.44. Barreto JOM, Nery IS. Óbitos infantis em um estado do Nordeste brasileiro: características e evitabilidade. Tempus Actas Saude Colet. 2015 set;9(3):9-19.

Para todas as variáveis comuns ao Sinasc e ao SIM analisadas, houve completude excelente. Uma avaliação do Sinasc no âmbito nacional constatou que o sistema apresenta alta completitude e baixo percentual de ignorados.1919. Oliveira MM, Andrade SSCA, Dimech GS, Oliveira JCG, Malta DC, Rabello Neto DL, et al. Avaliação do Sistema de Informações sobre nascidos vivos. Brasil, 2006 a 2010. Epidemiol Serv Saude. 2015 out-dez;24(4):629-40. A quase totalidade dos óbitos registrados ocorreu em ambiente hospitalar, facilitando o resgate das informações nos prontuários da mãe e do recém-nascido.1717. Ramalho MOA, Frias PG, Vanderlei LCM, Macedo VC, Lira PIC. Avaliação da incompletitude de óbitos de menores de um ano em Pernambuco, Brasil, 1999-2011. Cienc Saude Coletiva. 2015 set;20(9):2891-8. Essa circunstância, provavelmente, permitiu a recuperação dos dados do SIM a partir dos registros do Sinasc, com incremento do percentual de completude após o linkage.

Os campos de todas as variáveis analisadas nas DN e DO apresentaram concordância substancial a excelente. Este achado também ratifica a melhoria no nível de adequação das informações vitais,2020. Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Estimação da mortalidade infantil no contexto de descentralização do Sistema Único de Saúde (SUS). Rev Bras Saude Matern Infant. 2011 out-dez;11(4):463-70. demonstra a qualidade satisfatória dos dados relacionados aos eventos vitais e reafirma a utilização desses sistemas de informações como instrumentos de aferição da situação de saúde.1010. Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Avaliação dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e óbitos no Brasil na década de 2000. Cad Saude Publica. 2014 out; 30(10):2068-80.

Para que as avaliações da adequação das informações possam contribuir com o aperfeiçoamento das estatísticas vitais, é necessário incorporar a análise contínua da completude da DO e da DN. Sugere-se a utilização do linkage na rotina dos serviços de saúde do município, haja vista seu baixo custo operacional, facilidade de execução e potencial de melhorias na qualidade dos sistemas de informações de estatísticas vitais.

Referências

  • 1
    Mello Jorge MHP, Laurenti R, Gotlieb SLB. Avaliação dos sistemas de informação em saúde no Brasil. Cad Saude Colet. 2010;18(1):7-18.
  • 2
    Frias PG, Szwarcwald CL, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Lira PIC. Correção de informações vitais: estimação da mortalidade infantil, Brasil, 2000-2009. Rev Saude Publica. 2013 dez;47(6):1048-58.
  • 3
    Szwarcwald CL, Frias PG, Souza Júnior PRB, Almeida WS, Morais Neto OL. Correction of vital statistics based on a proactive search of deaths and live births: evidence from a study of the North and Northeast regions of Brazil. Popul Health Metr. 2014;12:16.
  • 4
    Barreto JOM, Nery IS. Óbitos infantis em um estado do Nordeste brasileiro: características e evitabilidade. Tempus Actas Saude Colet. 2015 set;9(3):9-19.
  • 5
    Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. A contribuição do linkage entre o SIM e SINASC para a melhoria das informações da mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras. Rev Bras Saude Matern Infant. 2015 jan-mar;15(1):57-66.
  • 6
    Coeli CM. A qualidade do linkage de dados precisa de mais atenção. Cad Saude Publica. 2015 jul;31(7):1349-50.
  • 7
    Correia LOS, Padilha BM, Vasconcelos SML. Métodos para avaliar a completitude dos dados dos sistemas de informação em saúde do Brasil: uma revisão sistemática. Cienc Saude Coletiva. 2014 nov;19(11):4467-78.
  • 8
    Santos SLD, Silva ARV, Campelo V, Rodrigues FT, Ribeiro JF. Utilização do método linkage na identificação dos fatores de risco associados à mortalidade infantil: revisão integrativa da literatura. Cienc Saude Coletiva. 2014 jul;19(7):2095-104.
  • 9
    Schoeps D, Almeida MF, Raspantini PR, Novaes HMD, Silva ZP, Lefevre F. SIM e SINASC: representação social de enfermeiros e profissionais de setores administrativos que atuam em hospitais no município de São Paulo. Cienc Saude Coletiva. 2013 maio;18(5):1483-92.
  • 10
    Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Avaliação dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e óbitos no Brasil na década de 2000. Cad Saude Publica. 2014 out; 30(10):2068-80.
  • 11
    Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad Saude Publica. 2014;30 supl 1:S192-207.
  • 12
    Gaiva MAM, Fujimori E, Sato APS. Mortalidade neonatal em crianças com baixo peso ao nascer. Rev Esc Enferm. USP. 2014 out;48(5):778-86.
  • 13
    Morais CAM, Takano OA, Souza JSF. Mortalidade infantil em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, 2005: comparação entre o cálculo direto e após o linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis. Cad Saude Publica. 2011 fev; 27(2):287-94.
  • 14
    Coeli CM, Pinheiro RS, Camargo Júnior KR. Conquistas e desafios para o emprego das técnicas de record linkage na pesquisa e avaliação em saúde no Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2015 out-dez;24(4):795-802.
  • 15
    Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis epidemiológicas e demográficas do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos, 2002. Cad Saude Publica. 2007 mar;23(3):701-14.
  • 16
    Landis JR, Koch GC. A medida da concordância entre observadores para dados categóricos. Biometrics. 1977 mar;33(1):159-74.
  • 17
    Ramalho MOA, Frias PG, Vanderlei LCM, Macedo VC, Lira PIC. Avaliação da incompletitude de óbitos de menores de um ano em Pernambuco, Brasil, 1999-2011. Cienc Saude Coletiva. 2015 set;20(9):2891-8.
  • 18
    Rodrigues M, Bonfim C, Portugal JL, Frias PG, Gurgel IGD, Costa TR, et al. Análise espacial da mortalidade infantil e adequação das informações vitais: uma proposta para definição de áreas prioritárias. Cienc Saude Coletiva. 2014 jul;19(7):2047-54.
  • 19
    Oliveira MM, Andrade SSCA, Dimech GS, Oliveira JCG, Malta DC, Rabello Neto DL, et al. Avaliação do Sistema de Informações sobre nascidos vivos. Brasil, 2006 a 2010. Epidemiol Serv Saude. 2015 out-dez;24(4):629-40.
  • 20
    Frias PG, Szwarcwald CL, Lira PIC. Estimação da mortalidade infantil no contexto de descentralização do Sistema Único de Saúde (SUS). Rev Bras Saude Matern Infant. 2011 out-dez;11(4):463-70.

  • *
    Pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)/Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI): Processo nº 144065/2013-4

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2016

Histórico

  • Recebido
    06 Mar 2016
  • Aceito
    20 Maio 2016
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil Brasília - Distrito Federal - Brazil
E-mail: leilapgarcia@gmail.com