Prevalência de consulta odontológica e fatores associados à sua realização durante o pré-natal: estudo transversal com puérperas em hospitais do Sistema Único de Saúde, Santa Catarina, 2019**A pesquisa foi financiada com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Santa Catarina (Fapesc): Processo nº 2017TR1364.

Consulta odontológica y factores asociados durante la atención prenatal: estudio transversal con puérperas en hospitales del Sistema Único de Salud, Santa Catarina, Brasil, 2019

Katia Jakovljevic Pudla Wagner Manoela de Leon Nobrega Reses Antonio Fernando Boing Sobre os autores

Resumo

Objetivo

Analisar a prevalência de consulta odontológica e fatores associados a sua realização durante o pré-natal.

Métodos

Estudo transversal, baseado em entrevistas com puérperas em 31 hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS) de Santa Catarina, Brasil, 2019. Foram coletados dados sociodemográficos, econômicos e relacionados ao pré-natal. Foram realizadas análises multivariadas, mediante regressão logística, para calcular razões de chances (odds ratio, OR).

Resultados

Foram incluídas 3.580 puérperas e 41,4% (intervalo de confiança de 95% [IC95%] 39,7;43,0%) realizaram consulta odontológica durante o pré-natal. Maior chance de consulta odontológica foi observada com maior escolaridade (OR=1,35 - IC95% 1,06;1,71) e maior número de consultas médicas/de enfermagem (OR=1,97 - IC95% 1,47;2,65); diminuiu essa chance não ter trabalho remunerado (OR=0,82 - IC95% 0,70;0,96) e não participar de atividade educativa no SUS (OR=0,63 - IC95% 0,52;0,77).

Conclusão

Fatores relacionados a escolaridade, emprego, consultas de pré-natal e atividades educativas aumentaram a chance da consulta odontológica na gravidez em Santa Catarina.

Palavras-chave:
Assistência Odontológica; Cuidado Pré-Natal; Educação em Saúde Bucal; Atenção à Saúde; Disparidades em Assistência à Saúde; Estudos Transversais

Resumen

Objetivo

Analizar la prevalencia y los factores asociados a la consulta odontológica durante la atención prenatal.

Métodos

Estudio transversal a partir de entrevistas a puérperas de 31 hospitales del Sistema Único de Salud (SUS) de Santa Catarina, Brasil, 2019. Se recolectaron datos sociodemográficos, económicos y prenatales. Se realizaron análisis multivariados mediante regresión logística para calcular las razones de probabilidades (OR, razón de probabilidades).

Resultados

Se incluyeron 3.580 puérperas y el 41,4% (intervalo de confianza del 95% [IC95%] 39,7;43,0%) se sometió a consultas dentales durante la atención prenatal. Se observó una mayor probabilidad de consulta a mayor escolaridad (OR=1,35 - IC95% 1,06;1,71) y un mayor número de consultas médicas/de enfermería (OR=1,97 - IC95% 1,47;2,65); disminuyó la probabilidad el no tener trabajo remunerado (OR=0,82 - IC95% 0,70;0,96) y no participar en una actividad educativa en el SUS (OR=0,63 - IC95% 0,52;0,77).

Conclusión

Los factores relacionados con la educación, el empleo, las consultas prenatales y las actividades educativas aumentaron la posibilidad de consultas dentales durante el embarazo en Santa Catarina.

Palabras clave:
Atención Odontológica; Atención Prenatal; Educación en Salud Dental; Atención en Salud; Disparidades en Asistencia a la Salud; Estudios Transversales

Introdução

A assistência odontológica durante a gravidez tem potenciais resultados positivos para a saúde da mãe e da criança, como a redução da prematuridade e do baixo peso ao nascer.11. Silveira JLGC, Abraham MW, Fernandes CH. Gestação e saúde bucal: significado do cuidado em saúde bucal por gestantes não aderentes ao tratamento. Rev APS. 2016;19(4):568-74.

2. Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: MS; 2012.
-33. Xiao J, Alkhers N, Kopycka-Kedzierawski DT, Billings RJ, Wu TT, Castillo DA, et al. Prenatal oral health care and early childhood caries prevention: a systematic review and meta-analysis. Caries Res. 2019;53(4):411-21. doi: https://doi.org/10.1159/000495187.
https://doi.org/10.1159/000495187...
Atividades educativas e de prevenção em saúde, incluindo orientações sobre a importância do aleitamento materno, hábitos alimentares e de saúde bucal, são sugeridas, no contexto do cuidado pré-natal.22. Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: MS; 2012.

Receber informações sobre cuidados odontológicos durante a gravidez também pode ajudar a prevenir cárie na primeira infância.44. Riggs E, Kilpatrick N, Slack-Smith L, Chadwick B, Yelland J, Muthu MS, et al. Interventions with pregnant women, new mothers and other primary caregivers for preventing early childhood caries. Cochrane Database Syst Rev. 2019 Nov 20;(11):CD012155. doi: https://doi.org/10.1002/14651858.CD012155.pub2.
https://doi.org/10.1002/14651858.CD01215...
Além disso, o tratamento de sintomas e afecções comuns na gestação, como dor, infecção bucal e sangramento da gengiva, é essencial no processo de cuidado à saúde da mulher gestante.33. Xiao J, Alkhers N, Kopycka-Kedzierawski DT, Billings RJ, Wu TT, Castillo DA, et al. Prenatal oral health care and early childhood caries prevention: a systematic review and meta-analysis. Caries Res. 2019;53(4):411-21. doi: https://doi.org/10.1159/000495187.
https://doi.org/10.1159/000495187...

Apesar dos possíveis benefícios, não são todas as mulheres que têm acesso a assistência odontológica durante a gravidez. No Brasil, dados do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) indicam que o acesso à consulta odontológica na gestação, oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), aumentou entre os ciclos I (2011-2012) e II (2013-2014), quando foram observadas prevalências de 45,9% e 51,9% respectivamente.55. Gonçalves KF, Giordani JMA, Bidinotto AB, Ferla AA, Martins AB, Hilgert JB. Utilização de serviço de saúde bucal no pré-natal na atenção primária à saúde: dados do PMAQ-AB. Cien Saude Colet. 2020;25(2):519-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018.
https://doi.org/10.1590/1413-81232020252...
Assim, em média, apenas metade das mulheres realizaram consultas odontológicas no pré-natal.55. Gonçalves KF, Giordani JMA, Bidinotto AB, Ferla AA, Martins AB, Hilgert JB. Utilização de serviço de saúde bucal no pré-natal na atenção primária à saúde: dados do PMAQ-AB. Cien Saude Colet. 2020;25(2):519-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018.
https://doi.org/10.1590/1413-81232020252...

Determinantes da realização de atendimento odontológico durante a gravidez são investigados especialmente na América do Norte, razão pela qual seus resultados não podem ser inferidos automaticamente para diferentes regiões e realidades.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
No Brasil, o padrão de utilização de serviços odontológicos na gestação já foi analisado, a partir de amostras pontuais de gestantes de municípios de alguns estados que não o de Santa Catarina.77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...

8. Ruiz LF, Uffermann G, Vargas-Ferreira F, Bavaresco CS, Neves M, Moura FRR. Use of dental care among pregnant women in the Brazilian unified health system. Oral Health Prev Dent. 2019;17(1):25-31. doi: https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980.
https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980...
-99. Schwab FCBS, Ferreira L, Martinelli KG, Esposti CDD, Pacheco KTS, Oliveira AE, Santos-Neto ET. Fatores associados à atividade educativa em saúde bucal na assistência pré-natal. Cien Saude Colet. 2021;26(3):1115-23. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12902019.
https://doi.org/10.1590/1413-81232021263...

Na medida em que disparidades na atenção à saúde bucal tornam grupos desfavorecidos com menos chances de ter acesso a esses serviços,1010. Northridge ME, Kumar A, Kaur R. Disparities in access to oral health care. Annu Rev Public Health. 2020 Apr 2;41:513-35. doi: https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-040119-094318.
https://doi.org/10.1146/annurev-publheal...
e que estudos de base populacional podem subsidiar o planejamento e desenvolvimento da rede de serviços, partindo-se da hipótese de que o cuidado à saúde bucal da maioria das gestantes ainda não é uma realidade no contexto da Atenção Básica, o objetivo deste estudo foi analisar a prevalência de consulta odontológica e fatores associados a sua realização durante o pré-natal, em puérperas atendidas em hospitais do SUS no estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2019.

Métodos

Delineamento e contexto

O presente estudo é parte de uma pesquisa de avaliação da Rede Cegonha, uma estratégia lançada pelo governo federal em 2011, com o objetivo, entre outros, de proporcionar às mulheres saúde, qualidade de vida e bem-estar durante a gestação, parto e pós-parto. Em 2019, a pesquisa foi realizada em 30 diferentes municípios de Santa Catarina onde se encontram os hospitais participantes, que atendem a partos de mulheres residentes em centenas de municípios do estado.1111. Boing AF, Lacerda JT, Boing AC, Calvo MCM, Saraiva S, Tomasi YT, et al. Methods and operational aspects of an epidemiological study and evaluation of Rede Cegonha. Rev Bras Epidemiol. 2021 Feb 15;24:e210010. doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720210010.
https://doi.org/10.1590/1980-54972021001...
Trata-se de estudo transversal, realizado com puérperas residentes no estado de Santa Catarina e que tiveram filhos nascidos entre janeiro e agosto de 2019, em um dos 31 hospitais que realizam mais de 500 partos anuais pelo SUS. Esse conjunto de hospitais representa 86,2% de todos os nascimentos no estado pelo SUS no ano de 2016.1212. Ministério da Saúde (BR). Sistema de informações sobre nascidos vivos [Internet]. Brasília, DF: MS; 2020 [acesso 12 maio 2020]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftoht...

Participantes

Foram incluídas mulheres que residiam em Santa Catarina durante toda a gestação, realizaram todas as consultas do pré-natal no SUS ou não realizaram pré-natal, e tiveram filho nascido vivo, com mais de 500 gramas de peso e pelo menos 22 semanas de gestação, ou natimorto ou morto até 48 horas pós-parto.

Os entrevistadores, encarregados da coleta de dados, abordaram todas as puérperas que preenchiam os critérios de inclusão e, naquele momento, se encontravam internadas após o parto.

Tamanho do estudo

Para o cálculo do tamanho da amostra, partiu-se da estimativa de 50 mil nascimentos por ano, com base nos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) para 2016, nível de confiança de 95%, margem de erro de 1,6% e prevalência de 50%, sendo adicionados 5% ao valor obtido para contemplar perdas e recusas. A amostra final foi estimada em 3.665 puérperas.1111. Boing AF, Lacerda JT, Boing AC, Calvo MCM, Saraiva S, Tomasi YT, et al. Methods and operational aspects of an epidemiological study and evaluation of Rede Cegonha. Rev Bras Epidemiol. 2021 Feb 15;24:e210010. doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720210010.
https://doi.org/10.1590/1980-54972021001...

Variáveis

O desfecho do estudo foi a realização de consulta odontológica autorreferida (sim; não).

As variáveis independentes investigadas foram:

  1. a) faixa etária (em anos: 13-17; 18-34; ≥35);

  2. b) raça/cor da pele autorreferida (branca; preta e parda);

  3. c) situação conjugal (com companheiro, sem companheiro);

  4. d) escolaridade (em anos de estudo: ≤9; 10-12; ≥13);

  5. e) renda familiar per capita (em tercis: 1º; 2º; 3º);

  6. f) trabalho remunerado atual (sim; não);

  7. g) paridade (com outro[s] filho[s]; sem outro[s] filho[s]);

  8. h) trimestre de início do acompanhamento pré-natal (1º; 2º; 3º);

  9. i) número de consultas médicas/de enfermagem realizadas (1-5; 6-7; 8-9; ≥10);

  10. j) participação em atividade educativa oferecida pelo SUS (sim; não); e

  11. h) motivo da consulta odontológica (revisão [limpeza, manutenção ou prevenção]; dor de dente; tratamento ortodôntico; extração de dente; tratamento de canal; problema na gengiva; outros motivos).

Fonte de dados e mensuração

Os dados foram obtidos por meio de entrevistas face a face. As puérperas foram abordadas por 35 entrevistadores em 31 hospitais participantes, localizados nas cidades catarinenses de Joinville, Florianópolis, São José, Lages, Itajaí, Blumenau, Chapecó, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Criciúma, Tubarão, Araranguá, Rio do Sul, Mafra, Brusque, Caçador, Curitibanos, Xanxerê, Joaçaba, Içara, São Miguel do Oeste, São Bento do Sul, Indaial, Ibirama, Canoinhas, Concórdia, Ituporanga, Imbituba, Videira e Timbó.1111. Boing AF, Lacerda JT, Boing AC, Calvo MCM, Saraiva S, Tomasi YT, et al. Methods and operational aspects of an epidemiological study and evaluation of Rede Cegonha. Rev Bras Epidemiol. 2021 Feb 15;24:e210010. doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720210010.
https://doi.org/10.1590/1980-54972021001...

As entrevistas foram realizadas em cada hospital, de forma proporcional ao número de partos realizados em 2016, durante os meses de janeiro a agosto de 2019, período definido de coleta dos dados para análise. Os entrevistadores tinham ao menos o ensino médio completo, foram treinados previamente e realizaram as entrevistas em todos os dias da semana - inclusive finais de semana e feriados -, pela manhã e à tarde. Todos os nascimentos ocorridos em cada hospital, durante o período de coleta de dados, foram cobertos na pesquisa. O volume de nascimentos em cada unidade era inicialmente avaliado e, a partir dessa avaliação, as escalas de visita e permanência no hospital eram organizadas de modo a garantir a cobertura integral dos nascimentos.

Controle de viés

Antes da coleta de dados, realizou-se um teste-piloto com 5% da amostra total, em três hospitais participantes do estudo, com puérperas que atenderam aos mesmos critérios de inclusão. Essas entrevistas serviram para verificar a necessidade de ajustes no questionário, o tempo de aplicação da pesquisa e a logística de envio dos dados coletados. A parcela da amostra abordada no teste-piloto não fez parte do conjunto final de participantes.

Para o controle de qualidade dos dados, uma amostra aleatória definida mediante sorteio, constituída de 10% dos entrevistados, foi contatada novamente, por meio telefônico, para responder ao questionário reduzido, de oito perguntas. Não foram identificadas possíveis simulações de entrevistas (inventadas, inexistentes), por parte de entrevistadores, e todas as variáveis do controle de qualidade mostraram concordância boa ou quase perfeita: seis das oito variáveis analisadas apresentaram Kappa de Cohen maior que 0,68. Essas entrevistas, que compuseram o controle de qualidade, fizeram parte da amostra final do estudo.

Métodos estatísticos

Foi realizada a descrição da amostra, com sua proporção e intervalo de confiança de 95% (IC95%). A análise multivariável foi feita por meio de regressão logística, sendo calculada a razão de chances (odds ratio, OR) ajustada pelas variáveis independentes. Os resultados foram considerados com significância estatística quando apresentaram valor de p<0,05. Foi testada a multicolineariedade no modelo, mediante análise do fator de inflação da variância (VIF). As análises foram realizadas utilizando-se o programa estatístico Stata versão 15.1.

Aspectos éticos

O projeto da pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, da Universidade Federal de Santa Catarina: Parecer nº 1.599.464, emitido em 20 de junho de 2016 (Certificado de Apresentação para Apreciação Ética [CAAE] nº 53671016.1.1001.0121). Todas as participantes assinaram Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, requisito para conceder a entrevista.

Resultados

O total de puérperas participantes do estudo foi de 3.580, o que expressa uma taxa de resposta de 97,7%. O fluxo da amostra, desde o convite para participação até o desfecho, encontra-se na Figura 1. A amostra foi composta, em sua maioria, por mulheres na idade entre 18 e 34 anos (80,8%), de raça/cor da pele branca (63,4%), que moravam com companheiro (80,5%), com 10 a 12 anos de estudo (52,5%), com outros filhos (60,8%), sem trabalho remunerado no momento da pesquisa (54,0%). A maior parte das participantes realizou dez ou mais consultas de pré-natal (41,7%), iniciou o pré-natal no primeiro trimestre (81,8%) e não realizou atividade educativa na Atenção Básica do SUS (84,4%) (Tabela 1).

Figura 1
Processo de seleção e inclusão de puérperas no estudo, Santa Catarina, 2019

Tabela 1
Principais características das participantes (n=3.580) do estudo, Santa Catarina, 2019

Durante o pré-natal, 41,4% (IC95% 39,7;43,0%) das mulheres realizaram consulta odontológica. Entre as variáveis socioeconômicas que demonstraram associação com o acesso ao dentista, as mulheres com 13 ou mais anos de estudo tiveram mais chances de acesso a esses serviços (OR=1,35 - IC95% 1,06;1,71), em relação às de menor escolaridade, e as mulheres com trabalho remunerado apresentaram associação inversa com a realização de consulta odontológica, comparadas às que não se encontravam nessa condição (OR=0,82 - IC95% 0,70;0,96). Conforme aumentou o número de consultas médicas/de enfermagem realizadas, maior foi a chance de ter realizado consulta odontológica: as que tiveram dez ou mais consultas de pré-natal tiveram mais chance de receber atendimento odontológico (OR=1,97 - IC95% 1,47;2,65), comparadas às que realizaram entre uma e cinco consultas. A outra característica associada com o acesso a consulta odontológica foi a participação em atividades educativas oferecidas pelo SUS: aquelas que não participaram dessas atividades tiveram menos chances (OR=0,63 - IC95% 0,52;0,77) de terem se consultado com um profissional dentista (Tabela 2). Os resultados da VIF variaram entre 1,02 e 1,25, descartando-se a presença de multicolinearidade entre as variáveis do modelo.

Tabela 2
Prevalência e razão de chances (OR) brutas e ajustadas de consulta odontológica por gestantes (n=3.580) durante o pré-natal, Santa Catarina, 2019

A maioria das consultas foi motivada por revisão, para limpeza, manutenção ou prevenção (72,1%). Dor de dente (9,1%) e consulta para tratamento ortodôntico (6,7%) foram também citados (Tabela 3).

Tabela 3
Motivo da consulta ao dentista por gestantes (n=1.467) durante o pré-natal, Santa Catarina, 2019

Discussão

Menos da metade das parturientes atendidas nos 31 hospitais de Santa Catarina e participantes deste estudo realizaram consulta odontológica durante o pré-natal. A chance de realizar consulta odontológica foi maior entre mulheres com maior escolaridade, que exerciam trabalho remunerado, que realizaram mais consultas médicas ou de enfermagem no pré-natal e que participaram de atividade educativa oferecida pelo SUS. A maioria das consultas odontológicas teve como motivo a revisão, limpeza e manutenção, ou prevenção de problemas dentários.

Entre as limitações do estudo, está a coleta dos dados, que foi autorreferida e realizada durante a internação. A informação obtida está sujeita a viés de recordatório, visto que as mulheres foram questionadas sobre fatos ocorridos durante a gravidez. A coleta de dados no pós-parto imediato, entretanto, buscou compensar essa fragilidade. Como pontos fortes do estudo, encontra-se o fato de as puérperas da amostra representarem diferentes municípios de Santa Catarina e terem realizado o parto e o pré-natal exclusivamente pelo SUS.1111. Boing AF, Lacerda JT, Boing AC, Calvo MCM, Saraiva S, Tomasi YT, et al. Methods and operational aspects of an epidemiological study and evaluation of Rede Cegonha. Rev Bras Epidemiol. 2021 Feb 15;24:e210010. doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720210010.
https://doi.org/10.1590/1980-54972021001...

Menos da metade das mulheres usaram o serviço odontológico durante a gravidez. Em países da América do Norte, Ásia, Europa e América Latina, a realização de consultas odontológicas variou entre 17% e 83%.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
Menores prevalências foram observadas na Grécia em 2006 (27%), e na Malásia em 2008 (29%).66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
Nos Estados Unidos e Canadá, a prevalência de visitas ao dentista durante a gravidez variou de 33% a 68% na década de 2005-2015, enquanto na França, ela foi de 44% em 2013.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
A maior prevalência descrita foi de 83% na Colômbia, em 2012.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
Cabe ressaltar que é difícil fazer uma comparação dessa prevalência entre diferentes países, consideradas as diferenças metodológicas (dados primários ou secundários; entrevistas com mulheres em diferentes trimestres gestacionais ou com puérperas) e de serviços ou sistemas de saúde em cada um deles (público ou privado; de hospital, centro de vacinação ou centro materno-infantil).66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
,1313. Committee on Health Care for Underserved Women. Committee Opinion n. 569: oral health care during pregnancy and through the lifespan. Obstet Gynecol. 2013;122(2 Pt 1):417-22. doi: https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000433007.16843.10.
https://doi.org/10.1097/01.AOG.000043300...

Observou-se aumento na prevalência de consultas odontológicas realizadas durante o pré-natal, no Brasil, comparando-se dados de 2011-2012 com 2013-2014, passando de 46% para 52% em gestantes também atendidas pelo SUS.55. Gonçalves KF, Giordani JMA, Bidinotto AB, Ferla AA, Martins AB, Hilgert JB. Utilização de serviço de saúde bucal no pré-natal na atenção primária à saúde: dados do PMAQ-AB. Cien Saude Colet. 2020;25(2):519-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018.
https://doi.org/10.1590/1413-81232020252...
Na cidade de Canoas, RS, 50% das gestantes se consultaram com dentista durante o pré-natal.88. Ruiz LF, Uffermann G, Vargas-Ferreira F, Bavaresco CS, Neves M, Moura FRR. Use of dental care among pregnant women in the Brazilian unified health system. Oral Health Prev Dent. 2019;17(1):25-31. doi: https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980.
https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980...
Já em Rio Grande, RS, no ano de 2013, tal proporção foi de 40%.77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...
Vale destacar que houve diferença nessa prevalência, relativamente ao pré-natal realizado na rede pública ou privada: gestantes atendidas na rede pública tiveram menos chance de realizar consulta odontológica, frente àquelas atendidas na rede privada.77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...

No Brasil, o acesso da população a serviços de saúde e odontológicos,1515. Araújo CS, Lima RC, Peres MA, Barros AJD. Use of dental services and associated factors: a population-based study in southern Brazil. Cad Saude Publica. 2009;25(5):1063-72. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
incluídas as gestantes,55. Gonçalves KF, Giordani JMA, Bidinotto AB, Ferla AA, Martins AB, Hilgert JB. Utilização de serviço de saúde bucal no pré-natal na atenção primária à saúde: dados do PMAQ-AB. Cien Saude Colet. 2020;25(2):519-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018.
https://doi.org/10.1590/1413-81232020252...
,77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...
,1414. Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
está associado a maior renda, escolaridade e nível socioeconômico. No presente estudo, a variável ‘renda’ não obteve significância estatística na análise ajustada; entretanto, mulheres com maior escolaridade e com trabalho atual remunerado tiveram maior acesso a consultas odontológicas durante o pré-natal. As condições de saúde bucal de gestantes de maior escolaridade são melhores,1616. Deghatipour M, Ghorbani Z, Ghanbari S, Arshi S, Ehdayivand F, Namdari M, et al. Oral health status in relation to socioeconomic and behavioral factors among pregnant women: a community-based cross-sectional study. BMC Oral Health. 2019 Jun 17;19(1):117. doi: https://doi.org/10.1186/s12903-019-0801-x.
https://doi.org/10.1186/s12903-019-0801-...
sendo o maior acesso aos serviços uma das variáveis associadas a esse fato.1010. Northridge ME, Kumar A, Kaur R. Disparities in access to oral health care. Annu Rev Public Health. 2020 Apr 2;41:513-35. doi: https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-040119-094318.
https://doi.org/10.1146/annurev-publheal...
Grupos com menor condição socioeconômica utilizam menos os serviços de saúde e possuem maior carga de doença, de forma a serem duplamente penalizados quanto a sua saúde bucal oral.1717. Batista MJ, Lawrence HP, Sousa MLR. Oral health literacy and oral health outcomes in an adult population in Brazil. BMC Public Health. 2018 Jul 26;18(1):60. doi: https://doi.org/10.1186/s12889-017-4443-0.
https://doi.org/10.1186/s12889-017-4443-...
,1818. Cheng ML, Xu MR, Xie YY, Gao XL, Wu HJ, Wang X, et al. Utilisation of oral health services and economic burden of oral diseases in China. Chin J Dent Res. 2018;21(4):275-84. doi: https://doi.org/10.3290/j.cjdr.a41086.
https://doi.org/10.3290/j.cjdr.a41086...
O presente estudo não encontrou associação entre idade da gestante e consulta odontológica. Em Rio Grande, segundo o mesmo estudo de 2013,77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...
mulheres grávidas mais jovens realizaram mais consultas odontológicas, ao passo que na cidade de Hangzhou, China, em 2011, as gestantes de maior idade foram as mais atendidas.1919. Sun W, Guo J, Li X, Zhao Y, Chen H, Wu G. The routine utilization of dental care during pregnancy in eastern China and the key underlying factors: a Hangzhou City study. PLoS One. 2014 Jun 5;9(6):e98780. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0098780.
https://doi.org/10.1371/journal.pone.009...
A associação da variável ‘idade’ com a utilização de serviços odontológicos não é clara, sendo os diferentes pontos de corte utilizados para sua classificação um dos motivos dessa diferença.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...

O maior número de consultas de pré-natal com médicos ou enfermeiros e a participação em atividades educativas aumentaram as chances de realização de consulta odontológica durante a gravidez. Este resultado corrobora os de outros estudos com a mesma temática,77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...
,1414. Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
indicando que, quanto maior o acesso aos serviços de saúde, maior a possibilidade de acesso a assistência odontológica. Na cidade de Rio Grande, observou-se que, quanto menor o número de consultas realizadas de pré-natal, maior a probabilidade de a gestante não procurar por atendimento odontológico nesse período.77. Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
https://doi.org/10.1590/1413-81232018241...
Na Grande Vitória, ES, em 2010, observou-se que a realização de consultas de pré-natal e o número dessas consultas, em diferentes idades gestacionais, estiveram estatisticamente associados à assistência odontológica, permitindo inferir que, quanto mais a gestante visita a unidade de saúde para o acompanhamento pré-natal, maiores são as possibilidades de realizar um atendimento odontológico adequado.99. Schwab FCBS, Ferreira L, Martinelli KG, Esposti CDD, Pacheco KTS, Oliveira AE, Santos-Neto ET. Fatores associados à atividade educativa em saúde bucal na assistência pré-natal. Cien Saude Colet. 2021;26(3):1115-23. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12902019.
https://doi.org/10.1590/1413-81232021263...
,1414. Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
Atividades de educação em saúde bucal e acesso à informação de qualidade estão associadas ao maior uso de serviços odontológicos na gestação, guardando relação com essas duas variáveis analisadas no presente estudo.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...
As atividades educativas individuais e/ou coletivas influenciam a qualidade da assistência odontológica na gravidez, confirmando a importância das ações de educação em saúde realizadas pelo SUS durante o pré-natal.99. Schwab FCBS, Ferreira L, Martinelli KG, Esposti CDD, Pacheco KTS, Oliveira AE, Santos-Neto ET. Fatores associados à atividade educativa em saúde bucal na assistência pré-natal. Cien Saude Colet. 2021;26(3):1115-23. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12902019.
https://doi.org/10.1590/1413-81232021263...
,1414. Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
Ações de promoção da saúde bucal baseadas na abordagem de fatores de risco comuns podem garantir melhorias adicionais nas condições bucais orais, haja vista a discussão sobre a ineficácia de intervenções educativas isoladas.2020. Sheiham A, Watt RG. The common risk factor Approach: a rational basis for promoting oral health. Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28(6):399-406. doi: https://doi.org/10.1034/j.1600-0528.2000.028006399.x.
https://doi.org/10.1034/j.1600-0528.2000...
As atividades educativas voltadas às gestantes podem abordar uma série de temas relacionados à saúde da mãe e do bebê, incluindo a saúde bucal, e representam um exemplo concreto da viabilidade dessa estratégia.

O motivo mais citado para a procura de atendimento odontológico foi a revisão para limpeza, manutenção ou prevenção. No Espírito Santo, dados de 1.032 mulheres atendidas no SUS, entre abril e setembro de 2010, apontaram que a profilaxia profissional realizada pelo dentista foi a atividade mais relatada pelas puérperas, e que o percentual de mulheres atendidas por questões curativas, como dor e extração dentária, foi menor, indo ao encontro dos resultados do presente estudo.1414. Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
https://doi.org/10.1590/S1413-8123201200...
Mundialmente, os estudos que analisam as consultas de rotina ou de limpeza dentária durante a gestação relatam prevalências entre 17% e 37%, sendo a limpeza dentária uma das mais frequentes de consulta odontológica na gravidez.66. Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
https://doi.org/10.1159/000481407...

Em conclusão, fatores como escolaridade, emprego atual, consultas médicas e de enfermagem e atividades educativas aumentaram a chance de realização da consulta odontológica por gestantes que realizaram o pré-natal na Atenção Básica do SUS, em 2019. Considerando-se que o acesso a consulta odontológica no pré-natal ainda não é uma realidade para a maioria das mulheres, e que disparidades no acesso a esse serviço de saúde são observadas entre diferentes grupos, faz-se necessário reconhecer sua importância para uma assistência pré-natal integral no âmbito do SUS em Santa Catarina.

Referências

  • 1
    Silveira JLGC, Abraham MW, Fernandes CH. Gestação e saúde bucal: significado do cuidado em saúde bucal por gestantes não aderentes ao tratamento. Rev APS. 2016;19(4):568-74.
  • 2
    Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília, DF: MS; 2012.
  • 3
    Xiao J, Alkhers N, Kopycka-Kedzierawski DT, Billings RJ, Wu TT, Castillo DA, et al. Prenatal oral health care and early childhood caries prevention: a systematic review and meta-analysis. Caries Res. 2019;53(4):411-21. doi: https://doi.org/10.1159/000495187.
    » https://doi.org/10.1159/000495187
  • 4
    Riggs E, Kilpatrick N, Slack-Smith L, Chadwick B, Yelland J, Muthu MS, et al. Interventions with pregnant women, new mothers and other primary caregivers for preventing early childhood caries. Cochrane Database Syst Rev. 2019 Nov 20;(11):CD012155. doi: https://doi.org/10.1002/14651858.CD012155.pub2.
    » https://doi.org/10.1002/14651858.CD012155.pub2
  • 5
    Gonçalves KF, Giordani JMA, Bidinotto AB, Ferla AA, Martins AB, Hilgert JB. Utilização de serviço de saúde bucal no pré-natal na atenção primária à saúde: dados do PMAQ-AB. Cien Saude Colet. 2020;25(2):519-32. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018.
    » https://doi.org/10.1590/1413-81232020252.05342018
  • 6
    Rocha JS, Arima LY, Werneck RI, Moysés SJ, Baldani MH. Determinants of dental care attendance during pregnancy: a systematic review. Caries Res. 2018;52(1-2):139-52. doi: https://doi.org/10.1159/000481407.
    » https://doi.org/10.1159/000481407
  • 7
    Konzen Júnior DJ, Marmitt LP, Cesar JA. Não realização de consulta odontológica entre gestantes no extremo sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cien Saude Colet. 2019;24(10):3889-96. doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017.
    » https://doi.org/10.1590/1413-812320182410.31192017
  • 8
    Ruiz LF, Uffermann G, Vargas-Ferreira F, Bavaresco CS, Neves M, Moura FRR. Use of dental care among pregnant women in the Brazilian unified health system. Oral Health Prev Dent. 2019;17(1):25-31. doi: https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980.
    » https://doi.org/10.3290/j.ohpd.a41980
  • 9
    Schwab FCBS, Ferreira L, Martinelli KG, Esposti CDD, Pacheco KTS, Oliveira AE, Santos-Neto ET. Fatores associados à atividade educativa em saúde bucal na assistência pré-natal. Cien Saude Colet. 2021;26(3):1115-23. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12902019.
    » https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.12902019
  • 10
    Northridge ME, Kumar A, Kaur R. Disparities in access to oral health care. Annu Rev Public Health. 2020 Apr 2;41:513-35. doi: https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-040119-094318.
    » https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-040119-094318
  • 11
    Boing AF, Lacerda JT, Boing AC, Calvo MCM, Saraiva S, Tomasi YT, et al. Methods and operational aspects of an epidemiological study and evaluation of Rede Cegonha. Rev Bras Epidemiol. 2021 Feb 15;24:e210010. doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720210010.
    » https://doi.org/10.1590/1980-549720210010
  • 12
    Ministério da Saúde (BR). Sistema de informações sobre nascidos vivos [Internet]. Brasília, DF: MS; 2020 [acesso 12 maio 2020]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
    » http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nvuf.def
  • 13
    Committee on Health Care for Underserved Women. Committee Opinion n. 569: oral health care during pregnancy and through the lifespan. Obstet Gynecol. 2013;122(2 Pt 1):417-22. doi: https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000433007.16843.10.
    » https://doi.org/10.1097/01.AOG.0000433007.16843.10
  • 14
    Santos Neto ET, Oliveira AE, Zandonade E, Leal MC. Acesso à assistência odontológica no acompanhamento pré-natal. Cien. Saude Colet. 2012;17(11):3057-68. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
    » https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022
  • 15
    Araújo CS, Lima RC, Peres MA, Barros AJD. Use of dental services and associated factors: a population-based study in southern Brazil. Cad Saude Publica. 2009;25(5):1063-72. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022.
    » https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001100022
  • 16
    Deghatipour M, Ghorbani Z, Ghanbari S, Arshi S, Ehdayivand F, Namdari M, et al. Oral health status in relation to socioeconomic and behavioral factors among pregnant women: a community-based cross-sectional study. BMC Oral Health. 2019 Jun 17;19(1):117. doi: https://doi.org/10.1186/s12903-019-0801-x.
    » https://doi.org/10.1186/s12903-019-0801-x
  • 17
    Batista MJ, Lawrence HP, Sousa MLR. Oral health literacy and oral health outcomes in an adult population in Brazil. BMC Public Health. 2018 Jul 26;18(1):60. doi: https://doi.org/10.1186/s12889-017-4443-0.
    » https://doi.org/10.1186/s12889-017-4443-0
  • 18
    Cheng ML, Xu MR, Xie YY, Gao XL, Wu HJ, Wang X, et al. Utilisation of oral health services and economic burden of oral diseases in China. Chin J Dent Res. 2018;21(4):275-84. doi: https://doi.org/10.3290/j.cjdr.a41086.
    » https://doi.org/10.3290/j.cjdr.a41086
  • 19
    Sun W, Guo J, Li X, Zhao Y, Chen H, Wu G. The routine utilization of dental care during pregnancy in eastern China and the key underlying factors: a Hangzhou City study. PLoS One. 2014 Jun 5;9(6):e98780. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0098780.
    » https://doi.org/10.1371/journal.pone.0098780
  • 20
    Sheiham A, Watt RG. The common risk factor Approach: a rational basis for promoting oral health. Community Dent Oral Epidemiol. 2000;28(6):399-406. doi: https://doi.org/10.1034/j.1600-0528.2000.028006399.x.
    » https://doi.org/10.1034/j.1600-0528.2000.028006399.x

  • *
    A pesquisa foi financiada com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Santa Catarina (Fapesc): Processo nº 2017TR1364.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    19 Nov 2021
  • Data do Fascículo
    Jan-Dec 2021

Histórico

  • Recebido
    25 Mar 2021
  • Aceito
    30 Jul 2021
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil Brasília - Distrito Federal - Brazil
E-mail: leilapgarcia@gmail.com