ARTIGO ORIGINAL

 

Modelo para o atendimento global à criança em um hospital escola

 

A model for global childcare in teaching hospitals

 

 

José Augusto Nigro Conceição; Hebe Da Silva Coelho; Anita Hayashi; Maria José S. F. Santos; Maria Celeste Anderson; Marialda H. Padua Dias; Ilda Nogueira Lima; Neuza Gait; Anita S. Colli; João Yunes

 

 


RESUMO

Foi apresentado um modelo de atendimento multiprofissional para uso em hospital escola, embasado numa visão global da problemática de saúde da criança. A utilização do modelo, pela sistematização de dados considerados básicos, permite além da identificação específica das condições físicas e psico-sociais da criança, um conhecimento da situação familiar e caracterização da comunidade. Com estes elementos, torna-se factível a elaboração de um diagnóstico global, visando o tratamento da criança, a modificação de situações ambientais desfavoráveis à criança ou reforço de condições favoráveis a seu melhor crescimento e desenvolvimento. Esta abordagem, com relação à assistência, possibilita um tratamento que atenda às necessidades da criança nos seus aspectos biológico, cognitivo, afetivo e psicomotor. Com relação ao ensino, favorece a formação de profissionais com uma visão biológica e psico-social de saúde, dando oportunidade para desenvolvimento de trabalho em equipe multiprofissional. Em termos de pesquisa, permite a realização de estudos de normalização de atendimento nas áreas médica, de serviço social, de enfermagem, de nutrição e de educação para a saúde.

Unitermos: Crianças, hospital escola*;Assistência média*; Educação em saúde *.


SUMMARY

A model for multiprofessional care to be used in teaching hospitals was presented. The systematization of basic data allows specific identification of the physical and psychosocial conditions of the child, besides knowledge of the family situation and community characterization. With these elements the elaboration of a global diagnosis aiming at the treatment of the child, the changing of unfavourable environmental conditions and development or enhancement of favourable conditions for its growth and development becomes possible. This approach, regardind attention, permits treatment that fulfils the child's biological, cognitive, affective and psychomotor needs. As for tuition, it propitiates the development of personnel with a biological and psychosocial view of health, creating opportunities for multiprofessional teamwork. In reference to research, it allows the undergoing of studies regarding standardization of patterns of care in the medical, social work, nursing, nutrition and health education fields.

Uniterms: Hospitals, teaching*; Children welfare*; Pediatric, social*.


 

 

INTRODUÇÃO

Com a finalidade de garantir uma abordagem global na assistência, ensino e pesquisa, relativamente à problemática de saúde da criança, através da atuação de equipe multiprofissional, o grupo de trabalho da equipe de Pediatria Preventiva e Social do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, apresentou um modelo de atendimento global à criança.

 

AQUISIÇÃO DE UMA FILOSOFIA DE TRABALHO

A equipe de Pediatria Preventiva e Social, pela formação de seus componentes e pela vivência prática de um trabalho conjunto de vários anos, definiu como essencial, para o equacionamento dos problemas da saúde da criança, a necessidade de uma filosofia de trabalho embasada numa visão global de saúde.

Assim, o atendimento global à criança implica, obrigatoriamente, considerá-la como um ser em crescimento e desenvolvimento, vivendo em uma família, necessariamente inserida em uma comunidade.

Sendo a resultante da interação de dois fatores essenciais – herança genética e meio ambiente –, o seu crescimento e desenvolvimento só se fará no grau máximo de suas potencialidades genéticas, quando as condições ambientais forem totalmente favoráveis. No mais das vezes, as condições do meio ambiente são desfavoráveis, não permitindo que o padrão genético se manifeste na sua integralidade. Conseqüentemente, no atendimento global à criança, torna-se necessário identificar e analisar fatores ambientais de ordem física, econômica, social, cultural e psico-social, bem como suas influências favoráveis ou desfavoráveis à saúde.

Esta divisão arbitrária dos fatores mesológicos, tem como primeira finalidade facilitar a análise do complexo ambiental e traz implícitas uma íntima integração entre eles, não havendo, em realidade, uma separação nítida de cada setor. Em cada um desses aspectos do meio ambiente, em nível familiar ou comunitário, devemos identificar variáveis que direta ou indiretamente terão influências favoráveis ou desfavoráveis na determinação da criança como ela é; nos seus componentes biológico, cognitivo, afetivo e psicomotor (Fig. 1).

Dentre os fatores ambientais de ordem física, destacamos:

a) condições de saneamento relativas ao abastecimento quantitativo e qualitativo de água e destino do lixo e dejetos, pelas suas influências na determinação de grande número de doenças. O saneamento inadequado pode explicar, por exemplo, a ocorrência de infecções gastro-intestinais repetidas, só solucionadas com atuação no ambiente;

b) condições de conforto térmico – a insolação, ventilação e umidade, têm nítida influência sobre a saúde e quando desfavoráveis podem acarretar maior suscetibilidade a problemas das vias respiratórias;

c) condições de segurança – os sistemas de proteção contra as mais variadas formas de agravos físicos do ambiente, devem ser analisados em nível domiciliar – condições da habitação – e em nível mais amplo – condições da comunidade;

d) condições de promiscuidade – o sexo, idade e número de pessoas e sua distribuição por cômodos habitáveis, constituem aspectos importantes nas condições de saúde da criança. O número excessivo de pessoas em um mesmo dormitório é condição favorecedora à propagação de certas doenças transmissíveis.

No fator econômico salientamos, como variáveis importantes em nível familiar, a renda familiar total, a renda familiar por pessoa, a distribuição do orçamento doméstico. Assim, uma renda baixa limita a aquisição de alimentos levando à compra daqueles de menor valor nutritivo, podendo ser responsável pelo desencadeamento de desnutrição primária.

No fator social as variáveis consideradas referem-se a valores, normas, instituições e tecnologia. Se saúde não constituir um valor dentro do sistema social, as normas e instituições não se farão de molde a favorecê-la. Assim, não se criarão instituições adequadas para o atendimento da comunidade.

No fator cultural verificamos que os padrões nem sempre são favorecedores da promoção, proteção e recuperação da saúde. Desta forma, a influência de hábitos, crenças e tabus, muitas vezes se faz de maneira negativa levando a problemas de saúde.

Por último, no fator psico-social, focalizamos a dinâmica familiar e grupal. A importância do relacionamento da criança dentro do grupo familiar pode ser sentida pelas influências que daí decorrem sobre, por exemplo, o aprendizado escolar.

 

PROCEDIMENTO PARA ATENDIMENTO À CRIANÇA

Anamnese, exame físico e, eventualmente, exames complementares são os passos geralmente utilizados para a elaboração do diagnóstico médico e, a partir deste, o estabelecimento das bases para o tratamento. Entretanto, a identificação de fatores ambientais predisponentes e desencadeantes de doenças é etapa indispensável para um atendimento que objetiva a recuperação, proteção e promoção da saúde. O levantamento e análise desses aspectos é feito pelo trabalho da equipe multiprofissional da Pediatria Preventiva e Social, através de entrevistas, discussões em grupo, de trabalho de campo envolvendo visita domiciliária e/ou a recursos da comunidade, o que permite um conhecimento da situação familiar e caracterização da comunidade.

Com estes elementos, torna-se factível a elaboração de um diagnóstico global, visando o tratamento da criança, a modificação das situações ambientais desfavoráveis e a criação ou reforço de condições favoráveis ao melhor crescimento e desenvolvimento da criança (Fig. 2).

 

ELABORAÇÃO DO INSTRUMENTO OPERACIONAL

A técnica utilizada para a elaboração do instrumento operacional foi a de reuniões e discussões em grupo, com a participação de pediatras, alguns com formação em saúde pública e administração hospitalar, assistentes sociais, enfermeiros de saúde pública, nutricionistas e educadores de saúde. Na área médica a equipe foi assessorada também pelo chefe do atendimento ambulatorial e, em aspecto específico, pela chefia do serviço de Higiene Mental.

Numa primeira fase, cada profissional, com uma visão da problemática de saúde baseada em sua formação e vivência, apresentou dados julgados essenciais para o atendimento à criança. Estes elementos foram discutidos por todos em conjunto, chegando-se a uma final por consenso.

A seguir foi estabelecida uma sistematização na qual houve uma preocupação quanto à ordem e à forma de apresentação dos mesmos.

O prontuário assim construído foi testado, pela equipe, em pacientes que procuraram o Ambulatório Geral da Clínica Pediátrica. Isto possibilitou a introdução de novos dados, modificações na ordem e na forma de outros e a exclusão de alguns.

Numa outra fase, tendo em vista a utilização do prontuário para o ensino, houve a participação de residentes de Pediatria, atendendo crianças, participando das discussões, apresentando críticas e sugestões que resultaram em novas alterações.

Desta forma, o prontuário final permite a anotação sistematizada de dados relativos a:

a) expectativas da família;

b) estrutura, organização e funções da família;

c) condições de habitação e saneamento básico, situação de saúde dos familiares e comportamentos voltados para tratamento, controle e prevenção de doenças;

d) situação alimentar da criança e da família;

e) motivo da consulta e história da doença nos casos pertinentes, antecedentes pessoais e familiares, condições habituais de vida e exame médico.

 

4.1 Composição familiar

5.1 Situação de Saúde dos Familiares

 

CONCLUSÃO

A utilização do prontuário elaborado, pela sistematização de levantamento de dados considerados básicos, permite, com relação à assistência, um tratamento que atenda às necessidades da criança nos seus aspectos biológico, cognitivo, afetivo e psico-motor. Com relação ao ensino favorece a formação de profissionais com uma visão biológica e psico-social da saúde, dando oportunidade a desenvolvimento de trabalho em equipe multiprofissional. Em termos de pesquisa possibilita, através da sistematização da coleta e obtenção de dados, a realização de estudos de normalização de atendimento nas áreas médica, de serviço social, de enfermagem, de nutrição e educação para a saúde.

 

AGRADECIMENTOS

Aos doutores Dulce V. Marcondes Machado, médica chefe da Seção de Higiene Mental da Clínica Pediátrica; Francisco F. de Fiore, médico chefe do Ambulatório da Clínica Pediátrica; Heloisa Oria, médica pediatra no Ambulatório da Clínica Pediátrica; e aos médicos residentes, Maria Hillegonda Duthil, Oswaldo Tanaka, Ana Maria Bara e Helia Canako Akissue.

 

 

Recebido para publicação em 26-8-1974
Aprovado para publicação em 4-10-1974
Trabalho realizado pelo Grupo de Pediatria Preventiva e Social da Disciplina de Pediatria do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da USP – Av. Dr. Arnaldo, 455 – São Paulo, SP – Brasil

 

 

* As enumerações entre parênteses são exemplificativas e não exaustivas.

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@org.usp.br