ARTIGO ORIGINAL

 

Câncer do pênis: estudo da sua patologia geográfica no Estado da Bahia, Brasil

 

Cancer of the penis: a study in pathological geography in Bahia State, Brazil

 

 

Aryon de Almeida Barbosa JúniorI; Paulo Roberto Fontes AthanázioII; Benedito OliveiraIII

IDo Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz (FIOCRUZ/UFBa.) - R. Valdemar Falcão, 121 - Brotas - 40000 - Salvador, BA-Brasil
IIDo Serviço de Anatomia Patológica do Hospital Aristides Maltez da Liga Baiana de Combate ao Câncer - Av. D. João VI, 332 - Brotas - 40.000 - Salvador, BA-Brasil
IIIDo Serviço de Urologia do Hospital Aristides Maltez - Salvador, BA-Brasil

 

 


RESUMO

Foram estudados 811 pacientes com o diagnóstico histológico de câncer do pênis, procedentes do Estado da Bahia, Brasil, entre 1952 e 1983. Cinqüenta por cento dos pacientes tinham entre 46 e 61 anos de idade. Cerca de 80% de todos os pacientes eram procedentes das regiões interioranas do Estado. A mesorregião do Leste Baiano foi a que apresentou freqüência mais elevada, principalmente as microrregiões do Recôncavo Baiano, Jequié, Feira de Santana e Serrinha. O lapso de tempo entre o aparecimentos da primeira lesão e o diagnóstico foi maior do que três meses em mais de 80% dos casos. Fimose foi a principal condição associada, estando presente em 63% dos casos. A prática sistemática da circuncisão na infância é meio eficaz de prevenção da doença, e deve ser estimulada.

Unitermos: Câncer do pênis, ocorrência.


ABSTRACT

A study of 811 patients from Bahia State with histological cancer of the pênis is presented. Fifty per cent of the tumors were observed in persons of between 46 and 61 years of age. Nearly 80% of the penile cancer patients came from rural areas. The greatest number of patients came from the Eastern region of Bahia, notably from de Recôncavo Baiano, Jequié, Feira de Santana and Serrinha. More than 80% of the cases sought medical advice for the first time three months or more after the appearance of the initial lesion. Sixty-three per cent had pre-existing phimosis. The systematic practice of circuncision during infancy constitutes an effective prophylatic measure and should be encouraged.

Uniterms: Penile neoplasms, occurrence.


 

 

INTRODUÇÃO

O câncer do pênis é uma das mais antigas neoplasias conhecidas6. O seu curso, física e psicologicamente mutilante, e os decepcionantes resultados terapêuticos situam-no entre os mais perigosos tumores humanos6.

A doença apresenta distribuição geográfica desigual entre os diferentes países e grupos raciais. Na Indonésia, esse tumor representa 37,8% de todos os cânceres masculinos9 ; 12% em Uganda4; e 6% no Paraguai10. Paralelamente observam-se freqüências menores do que 2% dos tumores malignos nos Estados Unidos e Inglaterra6, Iugoslávia, Canadá, Noruega, Dinamarca e Suécia3.

No Brasil, sua freqüência é variável dependendo da região considerada. Na região Nordeste é o quarto em freqüência entre os cânceres do sexo masculino com 5,7%; na região Norte também é o quarto mais freqüente, com 5,3%; e na região Centro-oeste posiciona-se em oitavo lugar, com 3,8%. Nas regiões Sudeste e Sul esta neoplasia não figura entre as dez primeiras localizações de câncer masculino primário2.

No serviço de patologia do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz (FIOCRUZ/UFBa.) foi recebido para exame anatomopatológico material das unidades do Instituto de Saúde do Estado da Bahia; e nos chamou a atenção a incidência relativamente elevada de casos de câncer do pênis, acometendo inclusive pessoas de baixa idade. Assim, entre 1982 e 1983, de um total de 833 casos examinados, 14 eram de carcinoma do pênis e provinham de uma mesma área.

Tais fatos nos estimularam a estudar este problema, e para isso solicitamos permissão para analisar os arquivos do Hospital Aristides Maltez da Liga Baiana de Combate ao Câncer, especializado em diagnóstico e tratamento de tumores, para onde é encaminhada a maioria dos pacientes cancerosos da região, principalmente aqueles de baixa renda. Assim pudemos analisar mais 797 casos diagnosticados desde 1952 a 1983.

Considerando que o câncer do pênis é uma neoplasia importante no nordeste brasileiro, e que merece uma divulgação e estudo maior do que o que se tem feito até o momento, realizamos o presente trabalho para: 1º) chamar a atenção sobre este assunto e analisar as principais características dos pacientes diagnosticados em Salvador, Ba. e 2º) oferecer subsídios para medidas profiláticas.

 

MATERIAL E MÉTODOS

As fontes de dados foram o Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz (FIOCRUZ/UFBa.) e o Hospital Aristides Maltez da Liga Baiana de Combate ao Câncer; ambos localizados em Salvador, Bahia.

Os 14 casos examinados entre 1982 e 1983, no Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz, eram procedentes das unidades do Instituto de Saúde do Estado da Bahia e se constituiam de material de biópsia já fixados em formol. O material foi incluído em parafina e corado pela técnica de H&E.

Os 797 casos diagnosticados entre 1952 e 1983, no Hospital Aristides Maltez, eram procedentes do Estado da Bahia. Os prontuários dos pacientes foram revistos, analisados e resumidos. As secções histológicas de alguns casos selecionados foram recoradas pela técnica de H&E, e revistas. Um número adicional de vinte casos da doença, diagnosticados naquele hospital e procedentes de outros Estados, não foram considerados neste estudo.

 

RESULTADOS

A doença foi mais freqüente em pacientes com idade entre 46 e 61 anos (Tabela 1). O paciente mais jovem tinha 18 anos e o mais idoso 106 anos.

 

 

A cor predominante foi a parda (60%), seguindo-se em ordem de freqüência a cor preta (22%) e a branca (18%).

Cerca de 61% eram lavradores, 10% operários, 5% aposentados, 4% comerciantes e os 20% restantes exerciam outras atividades profissionais.

Dos 811 pacientes observados, pouco mais de 80% eram procedentes das regiões interioranas do Estado, e 19% da mesorregião de Salvador (Tabela 2). O estudo da distribuição dos casos dentro do Estado (Fig. 1) indica que a maior freqüência ocorreu na mesorregião do Leste Baiano (62,38%), principalmente nas suas áreas mais centrais, nas microrregiões do Recôncavo Baiano (20,47%), Jequié (12,08%), Feira de Santana (9,74%) e de Serrinha (5,30%).

 

 

A variação anual do número de casos de câncer do pênis, diagnosticados nas duas fontes de dados, pode ser observada na Fig. 2.

As manifestações clínicas mais freqüentes foram lesões do tipo ulceroso e crescimentos vegetantes, acompanhados de prurido. Havia história de linfadenopatia inguinocrural em cerca de 20% dos pacientes e relato de sintomatologia dolorosa em 10% dos casos.

A extensão da lesão ao primeiro exame e o lapso de tempo entre o aparecimento da primeira lesão e o estabelecimento do diagnóstico podem ser observados na Tabela 3.

O exame histológico revelou carcinoma epidermóide em 803 casos (99%), sarcoma em cinco casos (0,6%) e tumor anaplásico em três casos (0,3%).

Fimose, com ou sem balanopostite, foi a condição mais freqüentemente associada à doença, estando presente em 512 casos (63%).

Nenhum dos pacientes foi submetido a postectomia antes da adolescência. Em 125 pacientes esse procedimento cirúrgico foi realizado na idade adulta; em 79 desses casos houve o desenvolvimento subseqüente da doença, com a neoplasia crescendo em área não cicatrizada da ferida cirúrgica.

Em relação à terapêutica, o tratamento cirúrgico exclusivo foi empregado em 327 pacientes (40%); a cirurgia combinada com radioterapia, em 178 pacientes (21,9%); e radioterapia exclusiva, em 57 pacientes (7%); outros modos de tratamento foram usados em 46 pacientes (5,6%). Dos 203 pacientes não tratados, 144 (17,8%) não se submeteram ao tratamento proposto e 59 (7,3%) estavam fora de qualquer possibilidade terapêutica.

 

DISCUSSÃO

A observação desta série de casos confirmou a nossa impressão, de que o câncer do pênis é uma neoplasia realmente freqüente no Estado da Bahia, constituindo-se em importante problema sanitário, que até agora não tem recebido a devida atenção das autoridades competentes. Esse aspecto torna-se claro pelo exame da freqüência anual de diagnósticos da doença em pacientes procedentes da área, que não mostra tendência a declinar.

As regiões centrais do Leste Baiano forneceram a maioria dos casos observados. Esse dado está de acordo com uma maior proximidade da Capital do Estado e com uma maior densidade demográfica5. As regiões do Oeste Baiano e do Litoral Sul Baiano apresentaram pequeno número de casos, o que se justifica pelo menor contingente populacional da área5, e pelas dificuldades de locomoção até a Capital.

A relação direta do câncer do pênis com a maior ou menor prática da circuncisão, a idade na qual ela é feita e com o padrão de higiene da população, suporta a idéia de que a doença é evitável; e que a prática sistemática dessa operação na infância, como preconizam vários autores1,6,7,8,10, poderia determinar uma drástica redução na sua incidência. A singeleza da execução técnica da circuncisão e os mínimos riscos cirúrgicos facilitam sobremodo esse propósito.

A observação do desenvolvimento da doença, subseqüente à circuncisão em 63% dos pacientes que foram submetidos a esse procedimento cirúrgico na idade adulta, talvez não corresponda à realidade, desde que não é certo que a neoplasia não preexista à postectomia. Diante disso, parece-nos que esse dado não é suficiente para desaconselhar a cirurgia nesta época, ou mesmo para considerá-la como fator de risco para o desenvolvimento da doença, quando a operação é feita em adultos.

Em relação à cor, como este foi um estudo retrospectivo e não houve padronização na coleta dessa informação, não se pode deduzir se houve maior acometimento em indivíduos de uma cor específica.

A extensão das lesões ao primeiro exame traduz os baixos níveis de instrução e educação sanitária dessa população. A grande maioria dos pacientes procurou recursos médicos após um período de tempo relativamente longo desde o aparecimento dos sintomas iniciais. Como conseqüência dessa perda de tempo, muitos pacientes apresentavam doença já avançada quando do primeiro exame. Talvez a principal causa do retardamento na busca do tratamento seja o aparecimento tardio da sintomatologia dolorosa7. Esse retardamento pode ser abreviado se os pacientes forem estimulados à percepção precoce das lesões penianas, por meio de auto exame.

Essas observações servem para alertar àqueles envolvidos com os procedimentos e assistência primária de saúde no Estado da Bahia e extrapolando também aos que atuam em outras áreas do país, para a importância da prática sistemática da circuncisão na infância como meio simples e eficaz de prevenção da doença.

 

AGRADECIMENTOS

Ao Dr. Aristides Maltez Filho pelo apoio logístico; e ao Prof. Zilton Araújo Andrade e à Dra. Ines Lessa pelas sugestões.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BLEICH, A. R. Prophylaxis of penile carcinoma J. Amer. med. Ass., 143:1054-7, 1950.        

2. BRUMINI, R., ed. Câncer no Brasil; dados histopatológicos: 1976-80. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde. Campanha Nacional de Combate ao Câncer, 1982.        

3. CARVALHO, A. R. L. Tumores e geografia médica. In: Lacaz, C. S.; Baruzzi, R. G. & Siqueira Jr., W. Introdução à geografia médica do Brasil. São Paulo, Ed. USP, 1972. p. 489-503.        

4.DODGE, O. G. & LINDSELL, C. A. Carcinoma of the penis in Uganda and Kenya Africans. Cancer, 16: 1255-63, 1963.        

5. FUNDAÇÃO IBGE. Censo demográfico: dados gerais, migração, instrução, fecundidade, mortalidade. Rio de Janeiro, 1982/ 1983. v.I, t.4, no 15. (Recenseamento Geral do Brasil, 1980)        

6. HANASH, K. A.; FURLOW, W. L.; UTZ, D. C. & HARRISON JR., E. G. Carcinoma of the penis: a clinicopathologic study. J. Urol., 104: 291-7, 1970.        

7. HORN, K. W.; REED, M. & NESBIT, R. M. Carcinoma of the penis. Ann. Surg., 100: 480-5, 1934.        

8. MERRIN, C. E. Cancer of the penis. Cancer, 45: 1973-9, 1980.        

9. MUIR, C. S. Male and female genital tract cancer in Singapore. Cancer, 15: 354-82, 1962.        

10. RIVEROS, M. & LEBRÓN, R. F. Geographical pathology of cancer of the penis. Cancer, 16: 798-811, 1963.        

 

 

Recebido para publicação em 31/05/1984
Reapresentado em 27/09/1984
Aprovado para publicação em 01/10/1984

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@org.usp.br