• Off label, compassionate and irrational use of medicines in Covid-19 pandemic, health consequences and ethical issues Articles

    Paumgartten, Francisco José Roma; Oliveira, Ana Cecilia Amado Xavier de

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Quando a Covid-19 surgiu em dezembro do ano passado, não havia vacina nem tratamento eficaz específico para esta infecção respiratória viral de rápida disseminação e risco de vida. Ensaios clínicos foram planejados e estão em andamento para investigar se os medicamentos usados para influenza, HIV e outros vírus e também anti-helmínticos (ivermectina, nitazoxanida, niclosamida) e antimaláricos (cloroquina, hidroxicloroquina) mostrando atividade antiviral em ensaios in vitro são eficazes e seguros para Covid-19. Até o momento, não há evidências convincentes de que esses medicamentos antivirais e antiparasitários sejam benéficos para a Covid-19. Não obstante a ausência de evidência de eficácia clínica, esses medicamentos são amplamente utilizados fora dos ensaios clínicos (off label) para profilaxia e tratamento dessa infecção viral. A lógica por trás da prescrição de antibióticos macrolídeos (azitromicina) para a Covid-19 também é obscura. A ampla prescrição e uso de medicamentos de eficácia e segurança não comprovadas para a Covid-19 está em desacordo com o uso racional de medicamentos, um princípio fundamental da farmacoterapia promovido pela OMS em 1985. Esse uso irracional de medicamentos é motivo de preocupação, porque alguns deles estão associados a graves doenças cardíacas e mortes.

    Abstract in English:

    Abstract When Covid-19 emerged in December last year, there was no vaccine nor was there specific effective treatment for this fast-spreading and life-threatening viral respiratory infection. Clinical trials were planned and are in progress to investigate whether drugs used for influenza, HIV and other viruses, and also anthelmintics (ivermectin, nitazoxanide, niclosamide), and antimalarials (chloroquine, hydroxychloroquine) showing antiviral activity in in vitro assays, are effective and safe for Covid-19. So far there is no convincing evidence that these antiviral and antiparasitic drugs are of any benefit for Covid-19. Notwithsanding the absence of evidence of clinical efficacy, these drugs are widely used outside of clinical trials (off label) for prophylaxis and treatment of this viral infection. The rationale behind the prescription of macrolide antibiotics (azithromycin) for Covid-19 is obscure as well. The widespread prescription and use of drugs of unproven efficacy and safety for Covid-19 is at odds with the rational use of medicines, a cornerstone principle of pharmacotherapy advanced by WHO in 1985. This irrational use of drugs is cause for concern because some of them are associated with serious heart disorders and deaths.
  • Spatial analysis of the COVID-19 distribution pattern in São Paulo State, Brazil Articles

    Rex, Franciel Eduardo; Borges, Cléber Augusto de Souza; Käfer, Pâmela Suélen

    Abstract in Portuguese:

    Resumo No final de 2019, o surto de COVID-19 foi relatado em Wuhan, China. O surto se espalhou rapidamente para vários países, tornando-se uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Sem uma vacina ou medicamentos antivirais, medidas de controle são necessárias para entender a evolução dos casos. Neste estudo, relatamos por análise espacial o padrão espacial do surto do COVID-19. Nosso local de estudo foi no estado de São Paulo, Brasil, onde o primeiro caso da doença foi confirmado. Aplicamos o método “Kernel Density” para gerar superfícies que indicam onde há maior densidade de casos e, consequentemente, maior risco de confirmação de novos casos. O padrão espacial da pandemia de COVID-19 foi observado no estado de São Paulo, em que a região metropolitana do estado foi a que apresentou a maior quantidade de casos, sendo classificada como um “hot spot”. Além disso, as principais rodovias e aeroportos que conectam a capital às cidades com maior densidade populacional foram classificadas como áreas de média densidade pelo método “Kernel Density”. Isso indica uma expansão gradual da capital para o interior. Portanto, as análises espaciais são fundamentais para entender a disseminação do vírus e sua associação com outros dados espaciais pode ser essencial para orientar as medidas de controle.

    Abstract in English:

    Abstract At the end of 2019, the outbreak of COVID-19 was reported in Wuhan, China. The outbreak spread quickly to several countries, becoming a public health emergency of international interest. Without a vaccine or antiviral drugs, control measures are necessary to understand the evolution of cases. Here, we report through spatial analysis the spatial pattern of the COVID-19 outbreak. The study site was the State of São Paulo, Brazil, where the first case of the disease was confirmed. We applied the Kernel Density to generate surfaces that indicate where there is higher density of cases and, consequently, greater risk of confirming new cases. The spatial pattern of COVID-19 pandemic could be observed in São Paulo State, in which its metropolitan region standed out with the greatest cases, being classified as a hotspot. In addition, the main highways and airports that connect the capital to the cities with the highest population density were classified as medium density areas by the Kernel Density method.It indicates a gradual expansion from the capital to the interior. Therefore, spatial analyses are fundamental to understand the spread of the virus and its association with other spatial data can be essential to guide control measures.
  • Determinants of physical distancing during the covid-19 epidemic in Brazil: effects from mandatory rules, numbers of cases and duration of rules Articles

    Moraes, Rodrigo Fracalossi de

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Durante a pandemia de covid-19, o distanciamento físico está sendo promovido para reduzir a transmissão da doença e a pressão sobre os sistemas de saúde. No entanto, o que determina o distanciamento físico? Através de uma análise de dados em painel, este artigo identifica alguns de seus determinantes. Usando um índice que mede o rigor das regras de distanciamento nas 27 unidades da federação brasileiras, isolou-se o efeito de regras obrigatórias de distanciamento de outros potenciais determinantes. O artigo conclui que o distanciamento é influenciado por ao menos três variáveis: rigor das regras obrigatórias, número de casos confirmados e duração das regras. Os resultados também indicam que o efeito das medidas de distanciamento é relativamente mais forte do que o do número de casos – o distanciamento físico é determinado proporcionalmente mais por políticas obrigatórias do que pelo grau de conscientização acerca da gravidade da epidemia. Os resultados têm ao menos duas implicações em termos de políticas. Primeiro, governos devem adotar medidas obrigatórias para aumentar o distanciamento físico – ao invés de esperar que as pessoas as adotem por conta própria. Segundo, o momento de adotá-las é importante, pois é improvável que se mantenham níveis altos de distanciamento físico por longos períodos de tempo.

    Abstract in English:

    Abstract During the covid-19 pandemic, physical distancing is being promoted to reduce the disease transmission and pressure on health systems. Yet, what determines physical distancing? Through a panel data analysis, this article identifies some of its determinants. Using a specifically built index that measures the strictness of physical distancing rules in the 27 Brazilian states, this paper isolates the effect of mandatory physical distancing rules from other potential determinants of physical distancing. The article concludes that physical distancing is influenced by at least three variables: the strictness of mandatory physical distancing rules, the number of confirmed cases of covid-19, and the duration of rules. Evidence also indicates that the effect of physical distancing measures is relatively stronger than that of the number of cases –physical distancing is determined proportionally more by mandatory policies than people’s awareness about the severity of the epidemic. These results have at least two policy implications. First, governments should adopt mandatory measures in order to increase physical distancing – rather than expect people to adopt them on their own. Second, the timing of adopting them is important, since people are unlikely to comply with them for long periods of time.
  • Covid-19: perspectives and initiatives in older adults health context in Brazil Articles

    Pegorari, Maycon Sousa; Ohara, Daniela Gonçalves; Matos, Areolino Pena; Pinto, Ana Carolina Pereira Nunes

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Este artigo fornece informações sobre a COVID-19, contextualizando o cenário nacional e internacional, com ênfase na saúde do idoso. São apresentadas perspectivas e iniciativas voltadas para esse grupo de risco, reforçando a necessidade de considerar o processo de envelhecimento e não apenas a idade como o principal marcador na abordagem dessa população.

    Abstract in English:

    Abstract This article provides information about COVID-19, contextualizing the national and international scenario, with an emphasis on the health of the elderly. Perspectives and initiatives for this risk group are presented, reinforcing the need to consider the aging process and not just age as the main marker in the approach of this population.
ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revscol@fiocruz.br