Cadernos de Saúde Pública, Volume: 26, Issue: 8, Published: 2010
  • New information technologies and health consumerism Revisão

    Vasconcellos-Silva, Paulo Roberto; Castiel, Luis David; Bagrichevsky, Marcos; Griep, Rosane Harter

    Abstract in Portuguese:

    Uma ampliação dos conceitos de consumo tem se deslocado na direção de processos sociais até agora não contemplados por categorias tradicionais. A presente revisão analisa a aplicação dos conceitos clássicos sobre consumismo às práticas recentemente identificadas no campo da saúde, como o fenômeno da cibercondria. O desafio teórico se refere à dificuldade de extrapolação das perspectivas econômicas do consumismo às questões do auto-cuidado no contexto das tecnologias de informação e comunicação (TICs). Procura-se compreender o fenômeno da mercadorização do cuidar-de-si sob o imperativo da auto-responsabilização em saúde. São identificadas e descritas as novas identidades consumidoras em vista das inauditas questões acerca dos aprimoramentos técnicos a modificar a natureza do auto-cuidado. Conclui-se que a saúde é consumida como vitalidade decomposta em artefatos de comercializar no contexto de uma nova bioeconomia - não mais ligada à idéia de emulação e posse, e sim a novas formas de perceber-se e cuidar-se perante múltiplos riscos e novas definições do que é ser humano.

    Abstract in English:

    Concepts related to consumption have shifted to include social processes not previously covered by traditional categories. The current review analyzes the application of classical concepts of consumerism to practices recently identified in the health field, like the phenomenon of cyberchondria. The theoretical challenge relates to the difficulty in extrapolating from the economic perspectives of consumerism to self-care issues in the context of information and communication technologies (ICTs). Drawing on recent anthropological categories, the study seeks to understand the phenomenon of self-care commodification under the imperative of self-accountability for health. New consumer identities are described in light of the unprecedented issues concerning technical improvements currently altering the nature of self-care. The study concludes that health is consumed as vitality, broken down into commercial artifacts in the context of a new bioeconomy - no longer linked to the idea of emulation and possession, but to forms of self-perception and self-care in the face of multiple risks and new definitions of the human being.
  • International trade in health services and the medical industrial complex: implications for national health systems Revisão

    Santos, Maria Angelica Borges dos; Passos, Sonia Regina Lambert

    Abstract in Portuguese:

    Os serviços de saúde evidenciam um padrão de inovação - na forma de expansão para mercados públicos e do comércio internacional - que os credencia a assumir um papel preponderante no complexo industrial da saúde. O comércio internacional e suas bases regulatórias, definidas no General Agreement on Trade in Services (GATS), têm o potencial de gerar desenvolvimento econômico, mas também de reordenar os recursos disponíveis para a saúde em âmbito nacional e global, em direções favoráveis ou não. Onde houver uma combinação de prestadores públicos e privados atuando na saúde pública, como no caso brasileiro, os termos do GATS admitem a interpretação de que a prestação pública recai no âmbito do GATS, criando-se restrições às opções políticas dos países para a saúde. São necessárias informações sistematizadas e específicas para cada país sobre serviços eletrônicos, movimento de pacientes e profissionais, e investimento direto estrangeiro em serviços de saúde para compor evidências que permitam decisões mais informadas sobre adesão ao GATS.

    Abstract in English:

    Health services have increasingly proven to be an innovative sector, gaining prominence in the medical industrial complex through expansion to public and international markets. International trade can foster economic development and redirect the resources and infrastructure available for healthcare in different countries in favorable or unfavorable directions. Wherever private providers play a significant role in government-funded healthcare, GATS commitments may restrict health policy options in subscribing countries. Systematic information on the impacts of electronic health services, medical tourism, health workers' migration, and foreign direct investment is needed on a case-by-case basis to build evidence for informed decision-making, so as to maximize opportunities and minimize risks of GATS commitments.
Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@ensp.fiocruz.br