Sort publications by
Revista Brasileira de Epidemiologia, Volume: 26, Published: 2023
  • Changes in access to water and incidence of waterborne diseases after the Vale dam collapse in Brumadinho (MG), Brazil Original Articles

    Trovão, Nayara; Neves-Silva, Priscila; Pinheiro, Leticia Cavalari; Peixoto, Sergio Viana; Heller, Leo

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Descrever, na ótica dos direitos humanos à água e ao esgotamento sanitário (DHAES), o acesso à água e a incidência de doenças de veiculação hídrica na região atingida pelo rompimento da barragem da Mina B1 em Brumadinho (MG). Métodos: Utilizou-se a metodologia quantitativa e qualitativa, tendo como variáveis, em ambos os métodos, informações sobre o acesso à água e as doenças de veiculação hídrica. Os dados primários foram extraídos do Projeto de Saúde Brumadinho, sendo aqui utilizado um estrato amostral com 981 pessoas entrevistadas, totalizando 92,5% da população elegível das comunidades atingidas de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira. Os dados secundários de Brumadinho foram coletados pelo Projeto Condições de Saneamento e Saúde da População da Bacia do Rio Paraopeba, a Jusante da Barragem B1 da Mineradora Vale, entre 2017 e 2020, em banco de dados públicos entre 2017 e 2020, e os dados qualitativos foram coletados em 2022 por meio de entrevistas individuais com profissionais de saúde residentes nas comunidades atingidas. Resultados: No tocante ao acesso à água, a análise combinada dos dados apontou que os DHAES estão sendo negligenciados na região, de maneira especial no que se refere à disponibilidade, acessibilidade física, aceitabilidade e qualidade da água. Observou-se também que houve aumento significativo na incidência das doenças de veiculação hídrica na região após o desastre. Conclusão: É necessária utilização dos DHAES como marco referencial na implementação de políticas públicas voltadas para reduzir as situações de vulnerabilidade relacionadas ao acesso à água.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To describe, within the Human Rights to Water and Sanitation (HRWS) framework, the access to water supply services and the incidence of waterborne diseases in the communities affected by the dam disaster in Brumadinho (MG), Brazil. Methods: A quantitative and qualitative methodology was used, having as variables information on access to water supply services and waterborne diseases. The primary data were extracted from the “Brumadinho Health Project”, using a sample stratum with 981 people interviewed, totaling 92.5% of the eligible population in the affected communities of Córrego do Feijão and Parque da Cachoeira. The secondary data from Brumadinho was extracted from the project “Sanitation conditions and the River Basin of the B1 River Basin of Mineradora Vale between 2017 and 2020”, available in public databases between 2017 and 2020, and qualitative data was collected in 2022 through individual interviews with health professional also live in the communities. Results: With regard to access to water supply services, the results of this combined data analysis indicate that the HRWS is being neglected, especially with regard to availability, accessibility, acceptability and quality of water. The study also shows a significant increase in the incidence of waterborne diseases in the region after the disaster. Conclusion: It is necessary to use the HRWS as the basis to the implementation of public policies aiming to reduce vulnerability in access to water supply services.
  • Factors associated with severe forms and deaths from schistosomiasis and application of probabilistic linkage in databases, state of Pernambuco, Brazil, 2007–2017 Artigos Originais

    Brito, Maria Isabelle Barbosa da Silva; Oliveira, Emília Carolle Azevedo de; Barbosa, Constança Simões; Gomes, Elainne Christine de Souza

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Verificar a concordância dos dados relacionados às formas graves e aos óbitos por esquistossomose registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação e no Sistema de Informação Sobre Mortalidade, as variáveis sociodemográficas com a ocorrência das formas graves e óbitos e a tendência temporal da doença em Pernambuco. Métodos: Trata-se de um estudo ecológico, descritivo, de série temporal com dados referentes às formas graves e aos óbitos por esquistossomose em Pernambuco, de 2007 a 2017. Para o linkage entre as bases de dados, foi desenvolvida uma função em linguagem python de programação, utilizando o método soundex. Para identificar fatores sociodemográficos e sanitários que se correlacionaram com as variáveis dependentes, foi aplicado o teste de correlação de Pearson. Para a análise de tendência, aplicou-se a regressão linear. Resultados: Identificaram-se 9.085 casos graves, 1.956 óbitos e 186 casos no linkage. A correlação entre a taxa média de positividade com o abastecimento hídrico rede geral e coleta de lixo foi 0,22 e 0,26 respectivamente. Houve correlação da taxa média de mortalidade acumulada com abastecimento hídrico por poço ou nascente (r=0,27), abastecimento hídrico por rede geral (r=0,3), coleta de lixo (r=0,42), urbanização das vias (r=0,29). Ocorreram 3.153 formas graves em 2007, com tendência a redução, e 205 óbitos em 2010, sem um padrão de tendência. Conclusão: Há necessidade de maiores investimentos no controle da doença e na qualidade da informação, especialmente no registro das formas graves, pois, dada a fisiopatologia da doença, o óbito só ocorre quando o indivíduo desenvolve a forma crônica, sendo imperativo sua notificação no Sistema de Informação de Agravos de Notificação.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To verify the agreement of data on severe forms and deaths from schistosomiasis recorded in the Brazilian Notifiable Diseases Information System and the Mortality Information System, sociodemographic variables with the occurrence of severe forms and deaths, and the temporal trend of the disease in the state of Pernambuco, Brazil. Methods: This is an ecological, descriptive, time series study with data on severe forms and deaths from schistosomiasis in Pernambuco, from 2007 to 2017. For the linkage between databases, a function was developed in python programming language, using the Soundex method. To identify sociodemographic and health factors that correlated with the dependent variables, Pearson’s correlation test was applied. For trend analysis, linear regression was applied. Results: We identified 9,085 severe cases, 1,956 deaths, and 186 cases in the linkage. The correlation between the average positivity rate with the general water supply and waste collection was 0.22 and 0.26 respectively. We verified a correlation of the average cumulative mortality rate with water supply by well or spring (r=0.27), water supply by the general network (r=0.3), waste collection (r=0.42), and road urbanization (r=0.29). We found 3,153 severe forms in 2007 with a decrease trend and 205 deaths in 2010, without a trend pattern. Conclusion: There is a need for greater investments in disease control and in the quality of information, especially in the record of severe forms, considering that, due to the pathophysiology of the disease, death only occurs when the individual develops the chronic form, and its notification on the Notifiable Diseases Information System is imperative.
  • Racial and regional inequality in the temporal trend of stunting and excess weight in Brazilian children under five years of age Artigos Originais

    Silveira, Victor Nogueira da Cruz; Nascimento, Jéssica Bianca Machado do; Cantanhede, Nayra Anielly Cabral; Frota, Maria Tereza Borges Araújo; Chagas, Deysianne Costa das; Carvalho, Carolina Abreu de; Viola, Poliana Cristina de Almeida Fonseca

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Analisar a ocorrência de desigualdade racial e regional na tendência temporal das prevalências de déficit de estatura e excesso de peso de crianças brasileiras menores de cinco anos ao longo dos anos de 2008–2018. Métodos: Estudo ecológico de série temporal com dados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional das prevalências de déficit de estatura e excesso de peso em crianças menores de 5 anos de acordo com raça/cor, região e ano. Para avaliar diferenças entre prevalências medianas por ano dos desfechos, realizou-se teste de Kruskal-Wallis. Análises de regressão linear foram propostas para avaliar tendências das prevalências dos desfechos ao longo dos anos. Resultados: No Brasil, as crianças pretas apresentaram tendência de crescimento do excesso de peso (β=4,611; p=0,042). Entre as crianças pretas, houve aumento ao longo dos anos do déficit de estatura no Sudeste (β=3,960; p=0,014) e queda no Sul (β=-4,654; p=0,022). No Brasil e na maioria das regiões, a prevalência mediana do déficit de estatura foi maior nas crianças pretas do que nas brancas (12,86 vs. 11,54%, p<0,001). No Sudeste e Sul, as crianças pretas também apresentaram as maiores prevalências de excesso de peso (15,48 e 15,99%, respectivamente). Conclusão: Crianças de regiões menos desenvolvidas do Brasil e pretas apresentaram maior vulnerabilidade para dupla carga de má nutrição.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To analyze the occurrence of racial and regional inequality in the temporal trend of the prevalence of stunting and overweight in Brazilian children under five years of age over the years 2008–2018. Methods: An ecological time-series study with data from the Food and Nutrition Surveillance System on the prevalence of stunting and overweight in children under five years old according to race/skin color, region, and year. To assess differences between median prevalence per year of outcomes, the Kruskal-Wallis test was performed. Linear regression analyses were proposed to assess trends in the prevalence of outcomes over the years. Results: In Brazil, black children tended to be overweight (β=4.611; p=0.042). Among black children, there was an increase over the years in stunting in the Southeast (β=3.960; p=0.014) and a decrease in the South (β=-4.654; p=0.022). In Brazil and in most regions, the median prevalence of stunting was higher in black children than in white ones (12.86 vs. 11.54%, p<0.001). In the Southeast and South, black children also had the highest prevalence of overweight (15.48 and 15.99%, respectively). Conclusion: Children from less developed regions of Brazil and of black skin color/race were more vulnerable to a double burden of malnutrition.
  • Intra-urban spatial variability of breast and cervical cancer mortality in the city of São Paulo: analysis of associated factors Artigos Originais

    Aguiar, Breno Souza de; Pellini, Alessandra Cristina Guedes; Rebolledo, Elizabeth Angélica Salinas; Ribeiro, Adeylson Guimarães; Diniz, Carmen Simone Grilo; Bermudi, Patricia Marques Moralejo; Failla, Marcelo Antunes; Baquero, Oswaldo Santos; Chiaravalloti-Netto, Francisco

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Identificar a variabilidade espacial da mortalidade por câncer de mama e colo do útero e avaliar fatores associados à mortalidade por esses cânceres no município de São Paulo. Métodos: Entre 2009 e 2016 foram registrados, no Sistema de Informações sobre Mortalidade, 10.124 óbitos por câncer de mama e 2.116 óbitos por câncer do colo do útero em mulheres com 20 anos e mais. Os registros foram geocodificados por endereço de residência e agregados segundo território adstrito. Foram realizadas modelagens de regressão espacial utilizando-se a abordagem bayesiana com estrutura de Besag-York-Mollié para verificar a associação dos óbitos com indicadores selecionados. Resultados: As taxas de mortalidade por esses cânceres apresentaram padrões espaciais inversos. As variáveis associadas à mortalidade por câncer de mama foram: tempo de deslocamento para o trabalho entre uma e duas horas (risco relativo — RR 0,97; intervalo de credibilidade — IC95% 0,93–1,00); mulheres responsáveis pelo domicílio (RR 0,97; IC95% 0,94–0,99) e óbitos por câncer de mama ocorridos em estabelecimentos privados (RR 1,04; IC95% 1,00–1,07). À mortalidade por câncer do colo do útero, estiveram associados: tempo de deslocamento para o trabalho entre meia e uma hora (RR 0,92; IC95% 0,87–0,98); rendimento domiciliar até três salários-mínimos (RR 1,27; IC95% 1,18–1,37); e razão de menores de um ano em relação à população feminina de 15 a 49 anos (RR 1,09; IC95% 1,01–1,18). Conclusão: Foram calculados os RR preditos para a mortalidade por esses cânceres, que estiveram associados às condições socioeconômicas das áreas de abrangência.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To identify spatial variability of mortality from breast and cervical cancer and to assess factors associated in the city of São Paulo. Methods: Between 2009 and 2016, 10,124 deaths from breast cancer and 2,116 deaths from cervical cancer were recorded in the Mortality Information System among women aged 20 years and over. The records were geocoded by address of residence and grouped according to Primary Health Care coverage areas. A spatial regression modeling was put together using the Bayesian approach with a Besag-York-Mollié structure to verify the association of deaths with selected indicators. Results: Mortality rates from these types of cancer showed inverse spatial patterns. These variables were associated with breast cancer mortality: travel time between one and two hours to work (RR – relative risk: 0.97; 95%CI – credible interval: 0.93–1.00); women being the head of the household (RR 0.97; 95%CI 0.94–0.99) and deaths from breast cancer in private health institutions (RR 1.04; 95%CI 1.00–1.07). The following variables were associated with mortality from cervical cancer: travel time to work between half an hour and one hour (RR 0.92; 95%CI 0.87–0.98); per capita household income of up to 3 minimum wages (RR 1.27; 95%CI 1.18–1.37) and ratio of children under one year of age related to the female population aged 15 to 49 years (RR 1.09; 95%CI 1.01–1.18). Conclusion: The predicted RR for mortality from these cancers were calculated and associated with the socioeconomic conditions of the areas covered.
  • Quality of care for children under two years of age in Brazil’s basic network in 2018: indicators and associated factors Artigos Originais

    Brum, Letícia Willrich; Thumé, Elaine; Dilélio, Alitéia Santiago; Flores-Quispe, Maria del Pilar; Barros, Nicole Borba Rios; Facchini, Luiz Augusto; Tomasi, Elaine

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Avaliar a qualidade da atenção a menores de dois anos na rede básica, com dados da avaliação externa do Programa de Melhoria de Acesso e Qualidade da Atenção Básica em 2018. Métodos: Foram elegíveis para o estudo usuários com filhos menores de dois anos que estavam na unidade no momento da coleta de dados. A qualidade de atenção foi avaliada por meio de um indicador sintético construído com questões do módulo de usuários. As exposições foram: região, estrutura das unidades básicas de saúde e processo de trabalho das equipes. Realizou-se análise univariada e estimaram-se as razões de prevalências brutas e ajustadas. Resultados: A amostra foi composta de 15.745 usuários que possuíam filhos menores de dois anos. Apenas 36,8% (intervalo de confiança — IC95% 36,0–37,6) dos usuários foram classificados como tendo recebido atenção de boa qualidade para as crianças, com redução das prevalências de acordo com o aumento da idade da criança. Observaram-se melhores resultados para a Região Nordeste, em unidades que apresentaram todos os insumos e vacinas e nas equipes que utilizavam protocolos e materiais, realizavam os registros, a busca ativa e ações de alimentação saudável. Conclusão: A prevalência de qualidade de atenção a menores de dois anos foi baixa. Os dados podem ser úteis para decisões de gestores e para a execução de ações voltadas para os profissionais, que incentivem maior qualidade de cuidado com a criança, principalmente com relação a, após a consulta, a criança já sair com a próxima marcada e à realização de consulta até os sete dias de vida.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective To evaluate the quality of care for children under two years of age in the primary health care network with data from the external evaluation of the Program for the Improvement of Access and Quality of Primary Care in 2018. Methods Users who had children under two years of age who were in the unit at the time of data collection were eligible for the study. The quality of care was evaluated using a synthetic indicator built with questions from the users’ module. The exposure variables were: region, structure of basic health units, and staff process. A univariate analysis was performed and crude and adjusted prevalence ratios were estimated. Results The sample was composed of 15.745 users who had children under the age of two years. Only 36.8% (95%CI 36,0–37,6) of users were classified as having received good quality care for their children, with a downward trend in prevalence as the child’s age increased. Better results were observed in the Northeast region, in units that presented all the inputs and vaccines and for teams that used protocols and materials, kept records, performed active search and healthy eating actions. Conclusion The prevalence of good quality of care for children under two years of age was low. These data can be useful for managers’ decision-making and for the implementation of actions aimed at professionals, that encourage a higher quality of care to children, mainly the child leaving a consultation with the next appointment scheduled and a first consultation being carried out until their seventh day of life.
  • Usefulness of the Hospital Information System for maternal mortality surveillance in Brazil Artigos Originais

    Ranzani, Olívia Tavares; Marinho, Maria de Fátima; Bierrenbach, Ana Luiza

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Avaliar a capacidade dos registros hospitalares (SIH) em adicionar informações úteis e complementares ao Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) no entendimento da mortalidade materna. Calcular e comparar a Razão de Mortalidade Materna (RMM) hospitalar e a RMM do SIM dos óbitos maternos ocorridos em hospitais, por faixa etária e por região, para demonstrar diferenças entre os grupos e avaliar a cobertura de óbitos maternos do SIM em relação ao SIH. Métodos: As internações obstétricas foram definidas com base em três critérios (códigos da 10a Revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde — CID-10 nos diagnósticos; procedimentos; cobrança de parto). As RMM hospitalar e do SIM foram calculadas dividindo-se os óbitos maternos ocorridos nos hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) pelos nascidos vivos (Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos — SINASC) desses estabelecimentos. Resultados: Em 2019, identificamos 2.497.957 registros de internações obstétricas, 0,04% (946) com óbito hospitalar. Os três critérios localizaram 98% das internações obstétricas e 83% das internações com óbitos, revelando inconsistências entre diagnósticos e procedimentos. A comparação entre a RMM do SIH (45,5, intervalo de confiança — IC95%, 42,7–48,5) e a do SIM (49,7, IC95%, 46,7–52,8) não foi estatisticamente significante (p-valor 0,053). Conclusão: A análise do SIH foi capaz de prover informações adicionais ao monitoramento e vigilância da saúde materna no Brasil. Embora haja diferenças entre as RMM, o SIH como sistema de informação complementar ao SIM pode ser válido nos estudos sobre mortalidade e morbidade materna.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To evaluate the capability of hospital records in the Hospital Information System (SIH) to add valuable and complementary information to the Mortality Information System (SIM) in studies on maternal mortality. We calculated and compared the maternal mortality ratio from the SIH and SIM databases, by age group and region, to highlight differences between groups and assess the coverage of maternal deaths using SIH compared with SIM. Methods: Obstetric hospitalizations were defined based on three sources (codes ICD-10 in diagnoses; procedures; billing information). Hospital and SIM mortality ratios were calculated by dividing maternal deaths in hospitals affiliated to the Unified Brazilian Health System (SUS) per live births (SINASC) in the same hospitals. Results: In 2019, we identified 2,497,957 obstetric admissions, 0.04% (946) with in-hospital mortality as outcome. The presence of three criteria identified 98% of obstetric hospitalizations and 83% of obstetric hospitalizations with death as outcome. The comparison of mortality ratios between SIH (45.5 MMR; 95%CI 42.7 – 48.5) and SIM (49.7 MMR; 95%CI 46.7 – 52.8) was not statistically significant (p-value: 0.053). Conclusion: The analysis of SIH was able to provide additional information for the monitoring and surveillance of maternal health in Brazil. Although there are differences between the mortality rates, the SIH, as a complementary information system to the SIM, may be valid in studies on maternal mortality and morbidity.
  • Clusters of risk for the occurrence of leprosy and disabilities in children under 15 years of age in Cuiabá: a geospatial study Artigos Originais

    Martoreli Júnior, José Francisco; Ramos, Antônio Carlos Vieira; Berra, Thaís Zamboni; Nascimento, Murilo César do; Tavares, Reginaldo Bazon Vaz; Moura, Heriederson Sávio Dias; Mello, Débora Falleiros de; Alves, Josilene Dália; Arcêncio, Ricardo Alexandre

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar a distribuição espacial da hanseníase e as incapacidades em menores de 15 anos de idade em Cuiabá. Métodos: Estudo ecológico realizado na cidade de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. A população do estudo foi composta de casos de hanseníase em menores de 15 anos notificados no Sistema de Informações de Agravos de Notificação, entre os anos de 2008 e 2018. Com base nos endereços residenciais, os casos foram georreferenciados. Na análise da distribuição espacial dos casos, foi utilizada a estimativa da densidade de Kernel e, posteriormente, aplicada a estatística de varredura espacial, espaço-temporal e variação espacial nas tendências temporais. Resultados: Foram notificados 514 casos de hanseníase em menores de 15 anos em Cuiabá, com percentual de 10,1% de casos com grau de incapacidade física 1 e 2,3% com grau de incapacidade física 2 no momento do diagnóstico. Com as técnicas de varredura espacial e espaço-temporal, foram identificados aglomerados de risco para hanseníase nas regiões norte, oeste, leste e sul de Cuiabá, e com a técnica de variação espacial nas tendências temporais foi identificado um aglomerado na região oeste de Cuiabá. Conclusão: Em Cuiabá, os casos de hanseníase em menores de 15 anos com incapacidades estavam distribuídos em toda a extensão urbana da cidade, com maior densidade de casos nas regiões norte e oeste, seguida da região leste. Os aglomerados de maior risco relativo foram identificados nas regiões leste e oeste, caracterizadas por apresentar baixo e médio níveis de renda.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective This study aimed to analyze the spatial distribution of leprosy and disabilities in children under 15 years of age in Cuiabá. Methods Ecological study carried out in the city of Cuiabá, Mato Grosso, Brazil. The study population consisted of leprosy cases in children under 15 years old notified in the Notifiable Diseases Information System, between 2008 and 2018. Based on residential addresses, cases were georeferenced. In the analysis of the spatial distribution of the cases, the estimation of the Kernel density was used and, later, the statistics of spatial, spatio-temporal and Spatial Variation in Temporal Trends were applied. Results 514 cases of leprosy were reported in children under 15 years of age in Cuiabá, with a percentage of 10.1% of cases with degree of physical disability 1 and 2.3% with degree of physical disability 2 at the time of diagnosis. With the techniques of spatial and spatio-temporal scanning, clusters of risk for leprosy were identified in the North, West, East and South regions of Cuiabá, and with the technique of Spatial Variation in Temporal Trends, a cluster was identified in the West region of Cuiabá. Conclusion In Cuiabá, cases of leprosy in children under 15 years of age with disabilities were distributed throughout the urban area of the city, with the highest density of cases in the North and West regions, followed by the East region. The clusters with the highest Relative Risk were identified in the East and West regions, characterized by having low and medium income levels
  • Chronic diseases and health conditions in adolescents: Sex inequalities Artigos Originais

    Lemos, Vivian Castro; Barros, Marilisa Berti de Azevedo; Lima, Margareth Guimarães

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Estimar as prevalências de doenças crônicas e problemas de saúde em adolescentes de Campinas (SP), observando as diferenças entre os sexos, por faixa etária. Métodos: Estudo em base populacional, com dados do inquérito de saúde ISACamp de 2014/15, cujas entrevistas com adolescentes totalizaram 1.022. Desses entrevistados, 517 eram meninos e 505, meninas; 492 encontravam-se na faixa de dez a 14 anos e 530 tinham entre 15 e 19 anos. As associações foram verificadas por meio do teste de χ² com ajuste de Rao Scott, e as razões de prevalência (RP) foram estimadas por meio de regressão múltipla de Poisson ajustadas por idade. Também foram feitas análises estratificadas por faixa etária. Resultados: As doenças respiratórias foram as mais prevalentes nos adolescentes como rinite (25,3%), sinusite (15,7%) e asma (10,9%). As queixas de saúde apresentaram-se elevadas, destacando-se as dores de cabeça (39,5%), problemas emocionais (34,5%), alergias (27,5%) e dores nas costas (21,3%). O número de adolescentes que apontaram ter três ou mais problemas de saúde mostrou-se acima de 22,0%. As meninas referiram maior número de problemas de saúde (três ou mais) do que os meninos (RP=2,27). Conclusão: O estudo demonstrou que os adolescentes apresentaram número expressivo de problemas de saúde, principalmente em relação às queixas, sinalizando que são necessários cuidados clínicos e políticas públicas direcionadas para o controle e prevenção desses agravos nesta faixa etária.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To estimate the prevalence of chronic diseases and health conditions in adolescents from Campinas (São Paulo), investigating sex differences according to age group. Methods: This population-based study analyzed data from the ISACamp 2014/15 health survey, with a total of 1,022 adolescents interviewed. The interviewees consisted of 517 boys and 505 girls; 492 of them in the ten to 14 age group and 530 in the 15 to 19 age group. We verified the associations using the χ2 test with Rao Scott adjustment and estimated prevalence ratios (PR) with multiple Poisson regression adjusted for age. Analyses were also stratified by age group. Results: Respiratory diseases, such as rhinitis (25.3%), sinusitis (15.7%), and asthma (10.9%), were the most prevalent among adolescents. Health complaints were high, especially headaches (39.5%), emotional conditions (34.5%), allergies (27.5%), and back pain (21.3%). More than 22.0% of adolescents reported having three or more health conditions. Girls declared a higher number of health conditions (three or more) than boys (PR=2.27). Conclusion: The study showed that adolescents presented a significant number of health conditions, particularly regarding complaints, indicating the need for clinical care and public policies aimed at controlling and preventing these diseases in this age group.
  • Spatial distribution and temporal trends of AIDS in Brazil and regions between 2005 and 2020 Original Articles

    Batista, Jefferson Felipe Calazans; Oliveira, Marília Ramalho; Pereira, Débora Lorena Melo; Matos, Maria Laura Sales da Silva; Souza, Isabela Teles de; Menezes, Max Oliveira

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO: Objetivo: Analisar a distribuição espacial e a tendência temporal da taxa de incidência de AIDS no Brasil no período de 2005 a 2020. Métodos: Estudo ecológico, temporal e espacial sobre os casos de AIDS no Brasil. Dados provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde foram estratificados por ano do diagnóstico, região do país/municípios de residência e faixa etária (acima de 13 anos). Foram calculadas as taxas de incidência (TI) para a estimativa temporal por meio do modelo de joinpoint, bem como as taxas bayesianas empíricas espaciais (TBEE) para a distribuição espacial pelo estimador de densidade de Kernel. Resultados: A TI no Brasil no ano de 2020 foi de 17,69 casos para cada 100 mil habitantes. A tendência geral (2005–2020) foi de diminuição no Brasil (variação percentual anual — VPA=-2,0%), Sudeste (VPA=-4,4%) e Sul (VPA=-3,0%). O Norte (VPA=2,3%) demonstrou aumento, enquanto o Sudeste e Centro-oeste foram estacionários (p>0,05). O Brasil, Sudeste, Sul e Centro-oeste apresentaram tendência de diminuição na maioria das faixas etárias. O Nordeste e Norte apresentaram aumento nas faixas etárias de 13 a 29 anos e 13 a 24 anos, respectivamente. O estimador de Kernel demonstrou conglomerados com TBEE acima de 30/10 mil habitantes nos estados de Paraíba, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Conclusão: O Brasil e as Regiões Sudeste e Sul apresentaram diminuição da TI, enquanto o Norte aumentou e o Nordeste e Centro-oeste foram estacionários. As Regiões Sudeste, Sul e Nordeste apresentaram os maiores conglomerados das TBEE.

    Abstract in English:

    ABSTRACT: Objective: To analyze the spatial distribution and the temporal trend of the AIDS incidence rate in Brazil from 2005 to 2020. Methods: This is an ecological, temporal, and spatial study on AIDS cases in Brazil. Data from the Notifiable Diseases Information System were stratified by year of diagnosis, region of the country/municipalities of residence, and age group (over 13 years). Incidence rates were calculated for temporal estimation using the Joinpoint model, as well as Spatial Empirical Bayes (SEB) for spatial distribution, using the Kernel density estimator. Results: The incidence rate in Brazil, in 2020, was 17.69 cases per 100 thousand inhabitants. The general trend (2005–2020) was decrease in Brazil (Annual Percent Change – APC=-2.0%), in the Southeast (APC=-4.4%) and South (APC=-3.0%) regions. The North (APC=2.3%) showed an increase trend, whereas the Southeast and Midwest regions were stationary (p>0.05). Brazil, Southeast, South, and Midwest regions showed a decrease trend in most age groups. The Northeast and North regions showed an increase in the age groups of 13–29 years and 13–24 years, respectively. The Kernel estimator showed clusters with SEB above 30/10 thousand inhabitants in the states of Paraíba, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul, and Santa Catarina. Conclusion: Brazil, the Southeast, and South regions showed a decrease in the incidence rate, whereas the North region increased and the Northeast and Midwest regions were stationary. The Southeast, South, and Northeast regions presented the largest clusters of SEB.
  • Burden of occupational cancer in Brazil and federative units, 1990-2019 Original Articles

    Dutra, Viviane Gomes Parreira; Silva, José Henrique Costa Monteiro da; Jomar, Rafael Tavares; Silveira, Henrique Cesar Santejo; Muzi, Camila Drumond; Guimarães, Raphael Mendonça

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO: Objetivo: Analisar a carga de câncer relacionado ao trabalho no Brasil e unidades da federação, entre 1990 e 2019. Métodos: Extraímos os dados do estudo Carga Global de Doenças (GBD). Consideramos as mortes por câncer cujo fator de risco atribuível fossem agentes ocupacionais carcinogênicos. A análise espacial foi realizada com o primeiro e último anos da série (1990 e 2019). As taxas de mortalidade ajustadas por idade foram utilizadas para calcular o índice de Moran global (I de Moran) e o indicador local de associação espacial (LISA). A taxa de mortalidade por câncer relacionado ao trabalho, ajustada por idade, foi analisada com base em sua tendência, para Brasil e unidades da federação, no período entre 1990 e 2019. Resultados: No período citado, a taxa de mortalidade por câncer relacionado ao trabalho exibiu tendência de decréscimo (R2=0,62; p<0,001), assim como o indicador de carga de doença — DALY (R2=0,84; p<0,001). Contudo, a mortalidade é crescente na maioria dos estados, o que sugere que uma minoria de unidades induz a tendência global do país. Há ainda formação de um padrão espacial de autocorrelação, indicando agrupamentos de estados com baixas taxas de mortalidade e DALY no Nordeste e valores altos no Sul do país. Conclusão: A tendência global de decréscimo na tendência do câncer relacionado ao trabalho mascara a heterogeneidade entre estados. Esse cenário pode estar associado à diversidade de atividades econômicas e sugere um plano descentralizado e equitativo da vigilância do câncer relacionado ao trabalho.

    Abstract in English:

    ABSTRACT: Objective: To analyze the spatiotemporal distribution of the burden of occupational cancer in Brazil and federative units between 1990 and 2019. Methods: Data were extracted from the Global Burden of Disease (GBD) study. Deaths from cancer whose attributable risk factor was occupational carcinogens were considered. Spatial analysis was performed with the first and last years of the series (1990 and 2019). Age-adjusted mortality rates were used to estimate the global Moran’s Index (Moran’s I), and the local indicator of spatial association (LISA) to identify clusters in the country with the respective statistical significance. The occupational cancer mortality rate, adjusted for age, was analyzed based on its trend for Brazil and federative units, in the period between 1990 and 2019. Results: Between 1990 and 2019, occupational cancer mortality rate showed a decreasing trend (R2=0.62; p<0.001) as well as the burden of disease indicator — DALY (R2=0.84; p<0.001). However, mortality is increasing in most states, suggesting that a minority of federative units induce the country’s global trend. There is also the development of a spatial pattern of autocorrelation, indicating clusters of states with low mortality and DALY rates in the Northeast and high values in the South of the country. Conclusion: The overall decreasing trend in the trend of occupational cancer masks the heterogeneity across states. This scenario may be associated with the diversity of economic activities, and suggests a decentralized and equitable plan for occupational cancer surveillance.
Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revbrepi@usp.br