Sort publications by
  • Changes in access to water and incidence of waterborne diseases after the Vale dam collapse in Brumadinho (MG), Brazil Original Articles

    Trovão, Nayara; Neves-Silva, Priscila; Pinheiro, Leticia Cavalari; Peixoto, Sergio Viana; Heller, Leo

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo: Descrever, na ótica dos direitos humanos à água e ao esgotamento sanitário (DHAES), o acesso à água e a incidência de doenças de veiculação hídrica na região atingida pelo rompimento da barragem da Mina B1 em Brumadinho (MG). Métodos: Utilizou-se a metodologia quantitativa e qualitativa, tendo como variáveis, em ambos os métodos, informações sobre o acesso à água e as doenças de veiculação hídrica. Os dados primários foram extraídos do Projeto de Saúde Brumadinho, sendo aqui utilizado um estrato amostral com 981 pessoas entrevistadas, totalizando 92,5% da população elegível das comunidades atingidas de Córrego do Feijão e Parque da Cachoeira. Os dados secundários de Brumadinho foram coletados pelo Projeto Condições de Saneamento e Saúde da População da Bacia do Rio Paraopeba, a Jusante da Barragem B1 da Mineradora Vale, entre 2017 e 2020, em banco de dados públicos entre 2017 e 2020, e os dados qualitativos foram coletados em 2022 por meio de entrevistas individuais com profissionais de saúde residentes nas comunidades atingidas. Resultados: No tocante ao acesso à água, a análise combinada dos dados apontou que os DHAES estão sendo negligenciados na região, de maneira especial no que se refere à disponibilidade, acessibilidade física, aceitabilidade e qualidade da água. Observou-se também que houve aumento significativo na incidência das doenças de veiculação hídrica na região após o desastre. Conclusão: É necessária utilização dos DHAES como marco referencial na implementação de políticas públicas voltadas para reduzir as situações de vulnerabilidade relacionadas ao acesso à água.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective: To describe, within the Human Rights to Water and Sanitation (HRWS) framework, the access to water supply services and the incidence of waterborne diseases in the communities affected by the dam disaster in Brumadinho (MG), Brazil. Methods: A quantitative and qualitative methodology was used, having as variables information on access to water supply services and waterborne diseases. The primary data were extracted from the “Brumadinho Health Project”, using a sample stratum with 981 people interviewed, totaling 92.5% of the eligible population in the affected communities of Córrego do Feijão and Parque da Cachoeira. The secondary data from Brumadinho was extracted from the project “Sanitation conditions and the River Basin of the B1 River Basin of Mineradora Vale between 2017 and 2020”, available in public databases between 2017 and 2020, and qualitative data was collected in 2022 through individual interviews with health professional also live in the communities. Results: With regard to access to water supply services, the results of this combined data analysis indicate that the HRWS is being neglected, especially with regard to availability, accessibility, acceptability and quality of water. The study also shows a significant increase in the incidence of waterborne diseases in the region after the disaster. Conclusion: It is necessary to use the HRWS as the basis to the implementation of public policies aiming to reduce vulnerability in access to water supply services.
  • Spatial distribution and temporal trends of AIDS in Brazil and regions between 2005 and 2020 Original Articles

    Batista, Jefferson Felipe Calazans; Oliveira, Marília Ramalho; Pereira, Débora Lorena Melo; Matos, Maria Laura Sales da Silva; Souza, Isabela Teles de; Menezes, Max Oliveira

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO: Objetivo: Analisar a distribuição espacial e a tendência temporal da taxa de incidência de AIDS no Brasil no período de 2005 a 2020. Métodos: Estudo ecológico, temporal e espacial sobre os casos de AIDS no Brasil. Dados provenientes do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde foram estratificados por ano do diagnóstico, região do país/municípios de residência e faixa etária (acima de 13 anos). Foram calculadas as taxas de incidência (TI) para a estimativa temporal por meio do modelo de joinpoint, bem como as taxas bayesianas empíricas espaciais (TBEE) para a distribuição espacial pelo estimador de densidade de Kernel. Resultados: A TI no Brasil no ano de 2020 foi de 17,69 casos para cada 100 mil habitantes. A tendência geral (2005–2020) foi de diminuição no Brasil (variação percentual anual — VPA=-2,0%), Sudeste (VPA=-4,4%) e Sul (VPA=-3,0%). O Norte (VPA=2,3%) demonstrou aumento, enquanto o Sudeste e Centro-oeste foram estacionários (p>0,05). O Brasil, Sudeste, Sul e Centro-oeste apresentaram tendência de diminuição na maioria das faixas etárias. O Nordeste e Norte apresentaram aumento nas faixas etárias de 13 a 29 anos e 13 a 24 anos, respectivamente. O estimador de Kernel demonstrou conglomerados com TBEE acima de 30/10 mil habitantes nos estados de Paraíba, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Conclusão: O Brasil e as Regiões Sudeste e Sul apresentaram diminuição da TI, enquanto o Norte aumentou e o Nordeste e Centro-oeste foram estacionários. As Regiões Sudeste, Sul e Nordeste apresentaram os maiores conglomerados das TBEE.

    Abstract in English:

    ABSTRACT: Objective: To analyze the spatial distribution and the temporal trend of the AIDS incidence rate in Brazil from 2005 to 2020. Methods: This is an ecological, temporal, and spatial study on AIDS cases in Brazil. Data from the Notifiable Diseases Information System were stratified by year of diagnosis, region of the country/municipalities of residence, and age group (over 13 years). Incidence rates were calculated for temporal estimation using the Joinpoint model, as well as Spatial Empirical Bayes (SEB) for spatial distribution, using the Kernel density estimator. Results: The incidence rate in Brazil, in 2020, was 17.69 cases per 100 thousand inhabitants. The general trend (2005–2020) was decrease in Brazil (Annual Percent Change – APC=-2.0%), in the Southeast (APC=-4.4%) and South (APC=-3.0%) regions. The North (APC=2.3%) showed an increase trend, whereas the Southeast and Midwest regions were stationary (p>0.05). Brazil, Southeast, South, and Midwest regions showed a decrease trend in most age groups. The Northeast and North regions showed an increase in the age groups of 13–29 years and 13–24 years, respectively. The Kernel estimator showed clusters with SEB above 30/10 thousand inhabitants in the states of Paraíba, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, São Paulo, Minas Gerais, Pará, Rio Grande do Sul, and Santa Catarina. Conclusion: Brazil, the Southeast, and South regions showed a decrease in the incidence rate, whereas the North region increased and the Northeast and Midwest regions were stationary. The Southeast, South, and Northeast regions presented the largest clusters of SEB.
  • Burden of occupational cancer in Brazil and federative units, 1990-2019 Original Articles

    Dutra, Viviane Gomes Parreira; Silva, José Henrique Costa Monteiro da; Jomar, Rafael Tavares; Silveira, Henrique Cesar Santejo; Muzi, Camila Drumond; Guimarães, Raphael Mendonça

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO: Objetivo: Analisar a carga de câncer relacionado ao trabalho no Brasil e unidades da federação, entre 1990 e 2019. Métodos: Extraímos os dados do estudo Carga Global de Doenças (GBD). Consideramos as mortes por câncer cujo fator de risco atribuível fossem agentes ocupacionais carcinogênicos. A análise espacial foi realizada com o primeiro e último anos da série (1990 e 2019). As taxas de mortalidade ajustadas por idade foram utilizadas para calcular o índice de Moran global (I de Moran) e o indicador local de associação espacial (LISA). A taxa de mortalidade por câncer relacionado ao trabalho, ajustada por idade, foi analisada com base em sua tendência, para Brasil e unidades da federação, no período entre 1990 e 2019. Resultados: No período citado, a taxa de mortalidade por câncer relacionado ao trabalho exibiu tendência de decréscimo (R2=0,62; p<0,001), assim como o indicador de carga de doença — DALY (R2=0,84; p<0,001). Contudo, a mortalidade é crescente na maioria dos estados, o que sugere que uma minoria de unidades induz a tendência global do país. Há ainda formação de um padrão espacial de autocorrelação, indicando agrupamentos de estados com baixas taxas de mortalidade e DALY no Nordeste e valores altos no Sul do país. Conclusão: A tendência global de decréscimo na tendência do câncer relacionado ao trabalho mascara a heterogeneidade entre estados. Esse cenário pode estar associado à diversidade de atividades econômicas e sugere um plano descentralizado e equitativo da vigilância do câncer relacionado ao trabalho.

    Abstract in English:

    ABSTRACT: Objective: To analyze the spatiotemporal distribution of the burden of occupational cancer in Brazil and federative units between 1990 and 2019. Methods: Data were extracted from the Global Burden of Disease (GBD) study. Deaths from cancer whose attributable risk factor was occupational carcinogens were considered. Spatial analysis was performed with the first and last years of the series (1990 and 2019). Age-adjusted mortality rates were used to estimate the global Moran’s Index (Moran’s I), and the local indicator of spatial association (LISA) to identify clusters in the country with the respective statistical significance. The occupational cancer mortality rate, adjusted for age, was analyzed based on its trend for Brazil and federative units, in the period between 1990 and 2019. Results: Between 1990 and 2019, occupational cancer mortality rate showed a decreasing trend (R2=0.62; p<0.001) as well as the burden of disease indicator — DALY (R2=0.84; p<0.001). However, mortality is increasing in most states, suggesting that a minority of federative units induce the country’s global trend. There is also the development of a spatial pattern of autocorrelation, indicating clusters of states with low mortality and DALY rates in the Northeast and high values in the South of the country. Conclusion: The overall decreasing trend in the trend of occupational cancer masks the heterogeneity across states. This scenario may be associated with the diversity of economic activities, and suggests a decentralized and equitable plan for occupational cancer surveillance.
Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revbrepi@usp.br