• Hospitalization of older adults due to ambulatory care sensitive conditions Public Health Practice

    Marques, Aline Pinto; Montilla, Dalia Elena Romero; Almeida, Wanessa da Silva de; Andrade, Carla Lourenço Tavares de

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO Analisar a evolução temporal da internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde segundo sua estrutura, magnitude e causas. MÉTODOS Estudo transversal com base em dados do Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde e do Sistema de Informação da Atenção Básica referentes a pessoas com idade entre 60 e 74 anos, residentes no estado do Rio de Janeiro. Foram calculadas a proporção e taxa de internações por condições sensíveis à atenção primária global e segundo diagnóstico mais prevalentes. Foram estimadas a cobertura da Estratégia de Saúde da Família e o número de consultas médicas realizadas por idosos na atenção primária. Para analisar o impacto dos indicadores nas internações foi realizado teste de correlação linear. RESULTADOS Encontrou-se acentuada redução das internações por condições sensíveis à atenção primária para todas as causas e grupos etários. Insuficiências cardíacas, doenças cerebrovasculares e pulmonares obstrutivas crônicas acumularam 50,0% das internações. Idosos com mais de 69 anos tiveram maior risco de internação por alguma dessas causas. Observou-se maior risco de internação entre os homens. Foi encontrada correlação negativa entre as internações e os indicadores de acesso à atenção primária. CONCLUSÕES A atenção primária em saúde no estado do Rio de Janeiro vem provocando impactos significativos na morbidade hospitalar da população idosa. Estudos das internações por condições sensíveis à atenção primária podem auxiliar na identificação das principais causas sensíveis à intervenção dos serviços de saúde, indicando quais ações são mais efetivas para a diminuição das internações e o aumento da qualidade de vida da população.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE To analyze the temporal evolution of the hospitalization of older adults due to ambulatory care sensitive conditions according to their structure, magnitude and causes. METHODS Cross-sectional study based on data from the Hospital Information System of the Brazilian Unified Health System and from the Primary Care Information System, referring to people aged 60 to 74 years living in the state of Rio de Janeiro, Souhteastern Brazil. The proportion and rate of hospitalizations due to ambulatory care sensitive conditions were calculated, both the global rate and, according to diagnoses, the most prevalent ones. The coverage of the Family Health Strategy and the number of medical consultations attended by older adults in primary care were estimated. To analyze the indicators’ impact on hospitalizations, a linear correlation test was used. RESULTS We found an intense reduction in hospitalizations due to ambulatory care sensitive conditions for all causes and age groups. Heart failure, cerebrovascular diseases and chronic obstructive pulmonary diseases concentrated 50.0% of the hospitalizations. Adults older than 69 years had a higher risk of hospitalization due to one of these causes. We observed a higher risk of hospitalization among men. A negative correlation was found between the hospitalizations and the indicators of access to primary care. CONCLUSIONS Primary healthcare in the state of Rio de Janeiro has been significantly impacting the hospital morbidity of the older population. Studies of hospitalizations due to ambulatory care sensitive conditions can aid the identification of the main causes that are sensitive to the intervention of the health services, in order to indicate which actions are more effective to reduce hospitalizations and to increase the population’s quality of life.
  • Model for the evaluation of drug-dispensing services in primary health care Public Health Practice

    Sartor, Vanessa de Bona; Freitas, Sergio Fernando Torres de

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO Elaborar modelo para avaliação da eficácia do serviço de dispensação de medicamentos na atenção básica à saúde.. MÉTODOS Foi adotado critério de eficácia para verificar o grau em que são alcançados os objetivos do serviço. O modelo de avaliação foi elaborado com base na literatura sobre o tema e na discussão com especialistas. O teste de aplicabilidade do modelo foi realizado em Florianópolis, SC, em 2010, em 15 unidades de saúde, com observação direta em formulário próprio para coleta de dados.. RESULTADOS O modelo apresentou-se adequado para avaliação da eficácia do serviço, elaborado com cinco dimensões de análise, permitindo identificar os pontos críticos de cada uma das dimensões do serviço.. CONCLUSÕES Adaptações à técnica de coleta de dados poderão ser necessárias para a realidade e necessidade de cada situação. A qualificação da dispensação deve propiciar o acesso qualificado aos medicamentos disponibilizados pela rede pública.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE To develop a model for evaluating the efficacy of drug-dispensing service in primary health care. METHODS An efficacy criterion was adopted to determine the level of achievement of the service objectives. The evaluation model was developed on the basis of a literature search and discussions with experts. The applicability test of the model was conducted in 15 primary health care units in the city of Florianópolis, state of Santa Catarina, in 2010, and data were recorded in structured and pretested questionnaires. RESULTS The model developed was evaluated using five dimensions of analysis for analysis. The model was suitable for evaluating service efficacy and helped to identify the critical points of each service dimension. CONCLUSIONS Adaptations to the data collection technique may be required to adjust for the reality and needs of each situation. The evaluation of the drug-dispensing service should promote adequate access to medications supplied through the public health system.
  • Prevalence of health promotion programs in primary health care units in Brazil Public Health Practice

    Ramos, Luiz Roberto; Malta, Deborah Carvalho; Gomes, Grace Angélica de Oliveira; Bracco, Mário M; Florindo, Alex Antonio; Mielke, Gregore Iven; Parra, Diana C; Lobelo, Felipe; Simoes, Eduardo J; Hallal, Pedro Curi

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO Estimar a prevalência de programas de promoção da saúde nas unidades básicas de saúde no Brasil. MÉTODOS Estudo transversal descritivo realizado por meio de entrevistas telefônicas com coordenadores de unidades básicas de saúde. Do total de 42.486 unidades básicas de saúde cadastradas pelo Ministério da Saúde, 1.600 foram aleatoriamente selecionadas. As unidades foram amostradas nas cinco regiões do País de acordo com a proporção de unidades em cada região. Foi analisada a presença ou não de cinco programas de promoção da saúde: promoção de atividade física, cessação de tabagismo, cessação de uso de álcool e drogas ilícitas, alimentação saudável e ambiente saudável. Foram coletados dados sobre o tipo de ações desenvolvidas nos programas e a presença ou não da Estratégia de Saúde da Família na unidade. RESULTADOS A maioria das unidades básicas de saúde (62,0%) referiu ter pelo menos três programas de promoção da saúde e apenas 3,0% não tinha nenhum. A promoção do ambiente saudável e da alimentação saudável foram os programas mais prevalentes (77,0% e 72,0%, respectivamente), enquanto o controle do tabaco e do álcool foram referidos em 54,0% e 42,0% das unidades de saúde, respectivamente. A promoção de atividade física foi referida em menos de 40,0% das unidades e teve grande variação regional, com prevalência de 51,0% nas unidades do Sudeste e apenas 21,0% nas do Norte. A maioria das unidades de saúde (61,0%) oferecia Estratégia de Saúde da Família, porém não foi verificada maior prevalência de programas de promoção da saúde nessas unidades em relação às outras. CONCLUSÕES Este estudo mostrou que programas de promoção da saúde estão presentes na maioria das unidades básicas de saúde. Políticas públicas devem fortalecer a infraestrutura das unidades básicas de saúde e melhorar a capacitação dos trabalhadores de saúde para executar adequadamente a agenda de promoção de saúde do governo brasileiro.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE Assessment of prevalence of health promotion programs in primary health care units within Brazil’s health system. METHODS We conducted a cross-sectional descriptive study based on telephone interviews with managers of primary care units. Of a total 42,486 primary health care units listed in the Brazilian Unified Health System directory, 1,600 were randomly selected. Care units from all five Brazilian macroregions were selected proportionally to the number of units in each region. We examined whether any of the following five different types of health promotion programs was available: physical activity; smoking cessation; cessation of alcohol and illicit drug use; healthy eating; and healthy environment. Information was collected on the kinds of activities offered and the status of implementation of the Family Health Strategy at the units. RESULTS Most units (62.0%) reported having in place three health promotion programs or more and only 3.0% reported having none. Healthy environment (77.0%) and healthy eating (72.0%) programs were the most widely available; smoking and alcohol use cessation were reported in 54.0% and 42.0% of the units. Physical activity programs were offered in less than 40.0% of the units and their availability varied greatly nationwide, from 51.0% in the Southeast to as low as 21.0% in the North. The Family Health Strategy was implemented in most units (61.0%); however, they did not offer more health promotion programs than others did. CONCLUSIONS Our study showed that most primary care units have in place health promotion programs. Public policies are needed to strengthen primary care services and improve training of health providers to meet the goals of the agenda for health promotion in Brazil.
Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revsp@org.usp.br