ARTIGO ORIGINAL

 

Observações sobre atividade de mosquitos Culicidae em matas primitivas da planície e perfis epidemiológicos de vários ambientes no Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil

 

Observations on mosquito activity in primitive rain forests on plains, and epidemiological profiles for several environments in the Ribeira Valley, S.Paulo, Brazil

 

 

Oswaldo Paulo Forattini; Almério de Castro Gomes; Délsio Natal; Jair Lício Ferreira Santos

Do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - Av. Dr. Arnaldo, 715 - 01255 - São Paulo, SP - Brasil

 

 


RESUMO

Observou-se o ciclo diário da atividade culicídea em ambiente primitivo das florestas perenifólias higrófilas da planície, compreendendo tanto a quaternária como a de transição, do Sistema da Serra do Mar, no Vale do Ribeira, Estado de São Paulo (Brasil). Em cada floresta foram realizadas capturas mensais de 25 horas ininterruptas com o emprego de isca humana, bem como a utilização de armadilha tipo Shannon operadas dentro e fora do ambiente florestal. Registrou-se a dominância de An. cruzii embora não de maneira tão acentuada quanto a verificada na mata da encosta, mas que se manteve durante todos os meses do ano. Juntamente com Ae. serratus e An. bellator, esse mosquito manteve-se continuamente em atividade, na isca humana, durante todo o período das 24 horas. Cx. sacchettae e Ps. ferox revelaram ciclo nictimeral caracteristicamente noturno para o primeiro e diurno para o segundo. A influência crepuscular evidenciou-se com a ocorrência de nítidos picos endocrepusculares para An. cruzii, An. bellator e o caráter eocrepuscular para Cx. sacchettae. Aquelas duas espécies de Kerteszia confirmaram a presença de ritmo paracrepuscular. O Ae. scapularis ocorreu nas coletas efetuadas no aberto, ou seja, no meio extraflorestal onde não se registrou a presença de Ae. serratus. Comparando-se os resultados destas observações com aqueles obtidos no ambiente modificado e na mata da encosta, pôde-se traçar o perfil culicídeo dos quatro locais notando-se a ocorrência de nítida sucessão na fauna, conseqüente às alterações introduzidas pelo homem. Ae. scapularis e Cx. ribeirensis mostraram capacidade de adaptação ao ambiente humano, com a conseqüente importância epidemiológica que desse fenômeno se pode deduzir.

Unitermos: Culicidae. Vale do Ribeira, SP, Brasil. Ecologia. Anopheles cruzii. Anopheles bellator. Culex sacchettae. Aedes scapularis. Culex ribeirensis. Malária, transmissão. Arboviroses, transmissão. Insetos vetores.


ABSTRACT

Monthly 25-hour catches of Culicidae mosquitoes were carried out at ground level with human bait, in two primitive rain forests on plains in the Ribeira Valley, S.Paulo, Brazil. Regular simultaneous catches were made too, with Shannon traps, both within and outside wooded environments, which included quaternary and transitional forests on plains. Results obtained are presented and discussed. The An. cruzii dominance, though present, was not so remarkable as in the highland forest, previously reported on another work (1986). Nevertheless this mosquito, together with Ae. serratus and An. bellator, showed uninterrupted daily activity with regard to human bait, but with a marked increase at night for the two Kerteszia species. Both these anophelines showed a very clear peak of biting activity at the dusk crepuscular period, sustained in a significant manner outside the forest environments. At the dawn crepuscular period these two mosquitoes showed a peak too. For both crepuscular periods the occurrence of paracrepuscular rhythms including a secondary peak which immediately follows, was confirmed at the two investigation sites. Day-time activity was shown by Sabetini and Ps. ferox, while a nocturnal one was markedly shown by Cx. sacchettae with a clear eocrepuscular rhythm. Even though Ae. scapularis was not a dominant species within the forest, it was collected in significant quantity with the Shannon trap outside the quaternary forest on the plain, while Ae. serratus was found only inside woods. These results allow a comparison with others previously published in 1981 and 1986 and obtained in different Ribeira Valley environments. So it has been possible to describe culicid fauna profiles for three primitive forests, that is to say one on the highland and two on the plain, beside the patch one remaining as extensively modified land for agricultural purposes. The results showed a culicid faunistic succession where the former dominance of An. cruzii, Cx. sacchettae, An. bellator and Ps. ferox in the primitive forest environments was replaced by that of Ae. serratus, Ae. scapularis and Cx. ribeirensis. Besides this, only the two last of these were collected outside a forest environment on the modified land. So this finding allows one to draw conclusions as to the epidemiological importance of An. cruzii in primitive environments and of Ae. scapularis and Cx. ribeirensis in modified ones.

Uniterms: Mosquitoes. Ecology. Ribeira Valley, SP, Brazil. Anopheles cruzii. Anopheles bellator. Culex sacchettae. Aedes scapularis. Culex ribeirensis. Malaria, transmission. Arbovirus infections, transmission. Insect vectors.


 

 

INTRODUÇÃO

Em publicações anteriores foram relatadas as observações sobre a atividade de Culicidae em relação à sua atividade hematófaga (Forattini e col.8,9, 1981, 1986). Objetivou-se focalizar esse comportamento em vários tipos de ambiente do Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil, procurando assim associar os aspectos observados com a atividade humana local. Fundamentalmente, trata-se de comparar a fauna culicídea, em seus representantes de significado epidemiológico potencial, do meio primitivo com o antropicamente alterado.

Assim sendo, tendo-se já efetuado as investigações relativas ao ambiente artificialmente modificado e ao primitivo da encosta, restava realizar as que focalizassem o ambiente primitivo representado pelas florestas perenifólias higrófilas da planície. E o que se relata neste trabalho.

Trata-se pois da conclusão da segunda etapa do programa de investigações sobre a fauna culicídea do Vale do Ribeira. Isso ensejou, portanto, a oportunidade de comparação dos resultados obtidos, com o conseqüente estabelecimento de perfil, em relação aos mosquitos de possível valor epidemiológico, para quatro tipos de ambiente, ou seja, três florestais primitivos e um modificado.

Características Locais

As observações foram realizadas em duas localidades, representadas pela Fazenda Folha Larga e pelo Sítio Vilarinho, ambas no município de Cananéia. As duas situam-se próximas à vila de Itapitangui, da qual a primeira dista cerca de oito quilômetros pela estrada que liga as cidades de Pariquera-Açu e Cananéia, e a segunda cerca de três quilômetros pela estrada que leva a Ariri.

As feições locais correspondem às de ambiente primitivo coberto por floresta perenifólia higrófila da planície. Em Folha Larga esse revestimento vegetal corresponde às matas das planícies Quaternárias, de fisionomia bastante uniforme, apresentando copa arbórea de altura oscilante ao redor dos 15 metros e o solo coberto por bromeliáceas. Estas distribuem-se, fundamentalmente, em dois estratos, separados pela distância correspondente à altura dos indivíduos arbóreos. Dessa maneira pode-se distinguir o das bromélias que atapetam o solo da floresta, e o das epífitas, preferencialmente instaladas nas ramificações superiores das árvores. Em Vilarinho, a cobertura vegetal corresponde à das matas das terras baixas situadas adiante dos manguezais e, portanto, com caráter de transição. Aqui a vegetação é bastante diversificada, com os elementos arbóreos formando estrato superior cuja altura oscila entre cinco e oito metros. Observa-se apreciável epifitismo por parte de bromeliáceas que também revestem o solo, à maneira de verdadeiro tapete. Assim sendo, não se nota a separação das bromélias em estratos mas sim a ocorrência praticamente contínua desses vegetais, desde o solo até os níveis arbóreos superiores os quais porém não ultrapassam a supramencionada altura. Seguindo os critérios de Klein12 (1984) para a região sul do Brasil, pode-se identificar esses dois tipos umbrófilos de florestas como sendo, o de mata da planície Quaternária encontrada entre Itajaí-Açú e a Baia de Paranaguá para a da Fazenda Folha Larga, e o de transição das planícies Quaternárias para a do Sítio Vilarinho.

Em Folha Larga, o terreno adjacente à floresta apresenta áreas utilizadas para cultivo, ao lado de outras cobertas com vegetação secundária ou em processo de degradação. Para a realização das observações escolheu-se local dentro da mata primitiva e área aberta, cultivada, a ela adjacente. A Figura 1 mostra essa localização e esquematiza os aspectos locais. Em Vilarinho, o ambiente primitivo é predominante, não se notando a existência de áreas cultivadas significativamente extensas. Adjacentes à citada floresta ocorre a presença de manguezais, embora com aspecto também transicional em grau variável, e localmente espalhados ao longo das margens do rio Itapitangui que percorre a região. Nota-se também a proximidade da mata da encosta, o que reafirma o já descrito tipo de floresta de transição da localidade. As observações foram executadas no interior dessa mata e em terreno aberto com ela limitante. A Figura 7 mostra essa localização e as características regionais e locais.

A escolha dessas localidades objetivou precipuamente o estudo do comportamento de culicídeos em relação à isca humana. Essas pesquisas tiveram a duração de um ano durante o qual não ocorreram alterações sensíveis do ambiente. Talvez como única exceção, pode-se mencionar algumas derrubadas, limitadas à margem florestal, em Vilarinho, com a finalidade de extração de areia e cascalho ali existentes. As Figuras 2 a 6 e 8 a 12 pretendem dar idéia das características panorâmicas e de alguns detalhes, locais e regionais, acima descritas.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Empregou-se a mesma metodologia adotada em trabalhos anteriores onde se poderá encontrar descrição detalhada (Forattini e col.8,9, 1981, 1986). As coletas foram iniciadas em fevereiro de 1983, prolongando-se regularmente até fevereiro de 1984 incluso.

O ritmo das capturas foi mensal, mantendo-se o mesmo horário utilizado nos trabalhos anteriores já mencionados, tanto para as 25 h da isca humana como para a operação das armadilhas tipo Shannon. Assim pois, em cada localidade procedeu-se a ritmo mensal que compreendeu uma coleta com isca humana no interior do ambiente florestal, e duas com aquelas armadilhas, simultaneamente efetuadas dentro e fora da mata, todas realizadas na mesma semana. Quanto à localização destas, e levada a efeito dentro da mata utilizou o mesmo local em que se procedia à captura com isca humana. A correspondente ao aberto, em Folha Larga foi realizada em terreno cultivado adjacente à área florestal e em ponto distante 200 m da sua margem. Em Vilarinho, a essa captura foi efetuada em terreno aberto, se bem que não cultivado e em local situado a 20 m da margem da mata (Figs 2 e 8).

Quanto à identificação das espécies, os critérios adotados foram os mesmos mencionados para o material coletado na mata da encosta (Forattini e col.9, 1986). Ressalve-se a identificação específica de sabetinos, como algumas Runchomyia. Convirá assinalar que, ainda aqui, a identificação de espécimens femininas, como Ae. serratus, não exclui a existência de Ae. hastatus e Ae. oligopistus no conjunto do material examinado.

 

RESULTADOS

Fazenda Folha Larga

No período compreendido entre fevereiro de 1983 e igual mês de 1984, coletou-se o total de 37.533 mosquitos, cuja distribuição específica acha-se exposta nas Tabelas 1 e 2. Verifica-se que 17 espécies e um grupo genérico representaram 96,4% dos espécimens obtidos, sendo também de se assinalar que Anopheles cruzii contribuiu com 46,9% desse resultado, tendo sido ligeiramente superior a 50,0% a representatividade global do subgênero Kerteszia. O restante 3,6% do material coletado distribuiu-se por 64 espécies e 7 grupos genéricos. O predomínio daquela espécie anofelínea fez-se sentir nas capturas que foram realizadas no meio intraflorestal, tendo sido suplantado por representantes de Coquillettidia, no ambiente aberto. Quanto aos Sabethini, sua presença atingiu o nível de 23,9%, porém limitada às coletads com isca humana e com franco predomínio dos representantes de Phoniomyia, que somaram 19,1%.

Atividades horárias – A Tabela 3 apresenta os resultados das capturas mensais, com isca humana de 25 h ininterruptas, distribuídos por intervalos horários. Assim procedendo, foram realizadas 13 coletas com o rendimento total de 24.497 mosquitos, considerando-se as espécies mais significantes sob os critérios já mencionados.

Ao lado do caráter essencialmente diurno de sabetíneos, representados por Phoniomyia sp., e de Ps. ferox, repetiu-se a predominância noturna de Cx. sacchettae. A atividade contínua, durante todo o período, pôde ser constatada para Ae. serratus e os representantes de Kerteszia. Todos revelaram picos por ocasião do fim da tarde e, para a primeira dessas espécies, também nas primeiras horas da manhã. Tais aspectos podem ser observados nos gráficos da Figura 13. Quanto ao "efeito de intrusão", pôde ser detectado em Ae. serratus, Ps. ferox e An. bellator.

Os resultados obtidos com as armadilhas tipo Shannon acham-se expostos na Tabela 4, para as espécies mais freqüentes. Tanto no ambiente intra como extraflorestal, o maior rendimento correspondeu ao período das 19:00 às 20:00 h. Isso tornou-se mais evidente em relação aos anofelíneos Kerteszia, em particular ao An. cruzii, com maior presença dentro da mata. Notou-se também a ocorrência desse fenômeno para Ae. scapularis no aberto, mantendo-se sem variação significante sua atividade dentro da mata. Por sua vez, Ae. serratus permaneceu ativo no ambiente intraflorestal e praticamente desapareceu no extraflorestal. Os gráficos da Figura 14 mostram esses aspectos dos dois representantes de Aedes, pela distribuição dos percentuais das médias nas horas de coleta em ambos locais. Quanto às demais espécies, Cq. chrysonotum revelou-se com maior ocorrência no aberto do que na mata, o contrário ocorrendo com Cx. sacchettae. Ambos mostraram-se presentes, nos dois locais, durante todo o período de coleta.

 

 

Atividades crepusculares e pericrepusculares - O estudo do comportamento de mosquitos foi levado a efeito por ocasião de 26 crepúsculos, distribuídos igualmente entre vespertinos e matutinos. Na Tabela 5 apresenta-se a distribuição percentual relativa, por intervalo crep, dos espaços de tempo empregados nas capturas parceladas, para os dois crepúsculos. A exemplo do que se fez anteriormente, os períodos crepusculares corresponderam ao intervalo 0,0 - 1,0 para o vespertino e de 1,0 - 0,0 para o matutino. Assim procedendo, o comportamento dos culicídeos atraídos pela isca humana foi observado dentro desses intervalos. A supracitada Tabela inclui também os espécimens coletados dentro dos intervalos crep de -4,0 a 5,0 distribuídos simetricamente em torno dos crepúsculos supracitados. Os resultados obtidos acham-se representados pelos números de indivíduos capturados e pelas respectivas médias de Williams (w). À semelhança de aspecto obtido em observações anteriores verifica-se que, para espécies com atividade limitada a um dos períodos, seja noturno ou seja diurno, as faixas crepusculares marcam o início da intensificação ou do decréscimo de sua atividade, conforme o caso. É o que se observou com Ae. serratus, Phoniomyia sp. e Ps. ferox, marcadamente diurnos e Cx. sacchettae distintamente noturno. Contudo, no caso desta última espécie há que se assinalar o registro de evidente pico em pleno crepúsculo matutino, precedendo o declínio imediato de sua atividade nictimeral. É o que se pode observar pelos gráficos da Figura 15, notando-se também a ocorrência de picos intracrepusculares vespertinos precedendo o incremento noturno da atividade desse mosquito. Quanto aos representantes de Kerteszia, pôde-se também aqui observar picos de atividade, tanto nos crepúsculos vespertinos como nos matutinos. Tanto para An. bellator como para An. cruzii repetiu-se o aspecto de ritmo paracrepuscular, ou seja, a ocorrência de segundo pico de atividade, imediatamente seguinte àquele verificado dentro do período crepuscular propriamente dito. Tais aspectos poderão ser apreciados pelos gráficos que constam da Fig. 16.

Dominância e variação sazonal - Considerando as espécies que mantiveram sua atividade durante todas as horas de coleta, verifica-se que, abstração feita de oscilações, Ae. serratus e os representantes do subgénero Kerteszia foram significativamente ativos tanto no período noturno como no diurno (Fig. 13). Os resultados globais do percentual de dominância de Berger-Parker (Southwood19, 1978), por tipo de coleta (Tabelas 3 e 4), forneceram os seguintes dados (%):

Verificou-se assim a dominância anofelínea, principalmente de An. cruzii. Nas coletas com isca humana, excluídos os dados referentes a primeira hora, a distribuição horária desse fenômeno foi particularmente significante no período noturno, em especial modo das 18:00 às 23:00 h, nas quais manteve-se acima de 77,0%. Nesse mesmo horário, o conjunto representado pelas duas espécies anofélicas, representou níveis que variaram, aproximadamente, de 85,0 a 92,0%. Quadro semelhante foi obtido nas capturas com armadilha tipo Shannon na mata onde o An. cruzii apresentou dominância oscilando entre 71,4 e 86,0%. Contudo, nesse mesmo tipo de coleta, levada a efeito no ambiente aberto, os valores alcançados foram sensivelmente mais discretos, atingindo 59,4% no intervalo entre às 18:00 e às 19:00 h, e oscilando de 17,3 a 39,3% nos períodos horários subseqüentes (Fig. 17).

 

 

No que concerne à distribuição mensal dos percentuais de dominância e das médias de Williams (w) desse anofelino, pôde-se observar apreciáveis variações, com o mínimo de 16,9% e o máximo de 69,4%. Sempre porém mantendo presença significativa, mesmo no mês de junho, quando se obteve o menor rendimento nas coletas, seja com isca humana seja com armadilha tipo Shannon na mata. Observou-se certa tendência à queda da dominância nos meses de dezembro e janeiro. De maneira geral esse percentual acompanhou o rendimento das coletas, representado pelas médias de Williams mantendo sua ocorrência significante durante todos os meses do ano (Fig. 18).

Sítio Vilarinho

No mesmo já referido período foram coletados 42.052 mosquitos, 96,7% dos quais se distribuíram por nove espécies e um grupo genérico, como revelam os dados apresentados nas Tabelas 1 e 6. Os representantes do subgênero Kerteszia participaram com 37,9% desse total, cabendo 34,1% a An. cruzii. Nos 3,3% restantes registrou-se a presença de 48 espécies e 6 grupos genéricos. O predomínio desse anofelíneo pôde ser constatado nos resultados obtidos com as armadilhas tipo Shannon, tendo sido suplantado nas coletas com isca humana pelo grupo Phoniomyia sp.. Este pode ser considerado como a única presença relevante entre os Sabethini e limitada à isca humana, uma vez que foi pouco expressiva a participação de Runchomyia. No conjunto geral da composição específica do material coletado, o gênero Phoniomya praticamente tornou-se equivalente ao subgênero Kerteszia, pois chegou a comparecimento correspondente a 39,6%.

Atividades horárias - A Tabela 3 e os gráficos da Figura 13 apresentam os resultados das capturas mensais obtidos com isca humana de 25 horas ininterruptas, distribuídos por intervalos horários. As 13 coletas acima realizadas renderam o total de 32.068 mosquitos, como representantes das espécies mais freqüentes.

O quadro geral foi análogo ao obtido na outra localidade e descrito em parágrafo anterior. Para nenhum dos mosquitos pôde-se detectar o "efeito de intrusão".

No que concerne aos resultados obtidos com as armadilhas tipo Shannon, os dados encontram-se na Tabela 4. Da mesma forma que o anteriormente descrito, os anofelíneos Kerteszia mostraram maior presença no horário das 19:00 às 20:00 h, tanto dentro como fora da mata. Quanto às outras espécies, representadas por Cq. chrysonotum e Cx. sacchettae, sua ocorrência fez-se sentir durante todas as horas de coleta, de maneira equivalente para ambos os locais no caso da primeira, e com predominância para a mata no caso da segunda.

Atividades crepusculares e pericrepusculares - De maneira análoga ao procedimento adotado para a localidade anterior, o estudo do comportamento importou a observação de 26 crepúsculos, igualmente distribuídos entre vespertinos e matutinos. A Tabela 7 apresenta a distribuição percentual relativa, com o mesmo critério já exposto em parágrafo anterior. Como resultado, o aspecto geral foi análogo ao observado na outra localidade. Assim, pôde-se observar o caráter marcadamente diurno de Phoniomyia sp. e de Ps. ferox, este embora de presença pouco expressiva, e o essencialmente noturno de Cx. sacchettae. A faixa crepuscular representou o ponto de partida do incremento ou decréscimo de atividade. Contudo, no caso de Cx. sacchettae, também aqui registrou-se a ocorrência de pico intracrepuscular matutino precedendo o declínio da atividade nictimeral (Fig. 15). Para An. bellator e An. cruzii, o aspecto observado foi comparável ao obtido na outra localidade, com nítida presença do ritmo paracrepuscular (Fig. 16).

Dominância e variação sazonal – De maneira análoga à que ocorreu para a outra localidade, o critério de atividade continuada permitiu destacar os dois representantes de Kerteszia (Fig. 17). Os percentuais de dominância, calculados com os mesmos critérios, forneceram os seguintes resultados globais (%) (Tabelas 3 e 4).

A dominância anofelínea, à semelhança do que se observou na outra localidade, concentrou-se preponderantemente em An. cruzii. O período noturno mostrou também essa predominância, obtendo-se na isca humana das 18:00 às 24:00 h valores de 50,0% ou mais, particularmente no horário das 18:00 às 21:00 quando se manteve em nível igual ou maior de 70,0%. Computando-se os resultados obtidos para as duas espécies de Kerteszia, em conjunto, os níveis de dominância variaram de 55,5% a 90,4%. Nos dados obtidos com o emprego das armadilhas tipo Shannon, o aspecto da dominância de An. cruzii mostrou-se mais acentuado, com valores não inferiores a 60,0% na mata e a 67,0% no aberto (Fig. 17).

Quanto à variação sazonal, pôde-se obter quadro análogo ao registrado na outra localidade (Fig. 18). A dominância, embora oscilando sensivelmente, manteve sua presença através de percentuais significantes mesmo nos meses de menor rendimento representados por junho e julho. Da mesma forma notou-se tendência à queda em dezembro e janeiro. Os valores obtidos variaram de 16,6% a 54,8%. De igual modo, o aspecto geral revela certo paralelismo entre a dominância e os rendimentos das capturas. As discrepâncias podem ser registradas nos meses anteriormente mencionados, de menor rendimento, e onde praticamente o An. cruzii foi a única espécie que compareceu de maneira significante.

 

COMENTÁRIOS

A composição faunística do material coletado nas duas localidades foi praticamente a mesma, e poucas diferenças pôde-se observar em relação à do material obtido no ambiente da floresta primitiva da encosta no Sítio Itapuã (Forattini e col.9, 1986). Contudo, houve divergências apreciáveis no que concerne à feição quantitativa. A destacada dominância de An. cruzii verificada na encosta não se repetiu nas matas primitivas da planície, em que pese esse anofelíneo ter mantido significante presença em todos os tipos de coleta ali empregados. Em várias oportunidades chegou a predominar nas capturas, não permitindo dúvidas quanto à sua já constatada adaptação ao ambiente representado pela mata primitiva higrófila costeira (Veloso e col.21, 1956; Veloso20, 1958). É de se considerar que, em Itapuã, o acentuado aclive contribuiu para que o caráter acrodendrófilo desse mosquito influisse no resultado das capturas. Essa peculiaridade local do terreno propiciou maior proximidade das copas arbóreas do ponto onde eram efetuadas as coletas, ao passo que em Folha Larga e Vilarinho, em se tratando de planícies, o rendimento dependeu mais da capacidade de dispersão vertical desse anofelíneo (Forattini e col.5 1968 Deane e col.2,1984; Guimarães e col.11, 1985). Outro fator a ser levado em consideração diz respeito à menor altura arbórea e ao acentuado epifitismo das bromeliáceas na mata de transição da planície Quaternária que caracteriza o Sítio Vilarinho. Em relação a Folha Larga, esse aspecto certamente contribuiu para maior freqüência da supracitada dispersão vertical da espécie.

Quanto a An. bellator, não se notou comportamento diverso do já registrado na mata da encosta. Assim é que, também na planície, esse anofelíneo revelou menor valencia do que o An. cruzii, parecendo pois confirmar a hipótese que lhe atribui preferência por ambientes pouco ou secundariamente florestados. Sua presença parece ser favorecida por modificações do ambiente conseqüentes à atividade humana, mesmo em regiões onde a ocorrência desse mosquito não tinha sido antes assinalada (Rachou e col.15, 1958; Rambajan16, 1984).

Considerando-se os dois anofelíneos do subgênero Kerteszia, pode-se admitir que, ao contrário do que ocorreu em Itapuã, sua menor dominância em Folha Larga e Vilarinho deveu-se, pelo menos em parte, à presença marcante de outros mosquitos, em especial modo de Cq. chrysonotum, Cx. sacchettae e representantes de Phoniomyia. No que concerne particularmente aos resultados obtidos nas armadilhas tipo Shannon, notou-se no aberto menor rendimento desses dois anofelíneos em Folha Larga do que em Vilarinho. Os resultados nesta última localidade, por sua vez, aproximam-se dos conseguidos em Itapuã onde, praticamente, não se detectou sensíveis diferenças entre as coletas levadas a efeito na mata e no aberto. Tais aspectos podem ser explicados pela situação de proximidade dessas armadilhas que operaram no aberto, em relação à floresta. Essa distância, em Folha Larga, foi de 200 m., ao passo que foi de 20 m. em Vilarinho e de apenas 5 em Itapuã. Por outro lado, a captura de adultos em Folha Larga, àquela distância da mata, vem confirmar a capacidade de dispersão desses anofelíneos que observações anteriores já tinham assinalado como sendo superior a 1.000 m. (Corrêa e col.1, 1961). De qualquer maneira, pôde-se constatar outra vez, que a dominância de An. cruzii torna-se acentuada no período noturno, subindo sensivelmente por ocasião da primeira metade da noite. Quanto à variação sazonal verifica-se que, ao longo do período anual, a dominância desse mosquito mantém-se também em níveis altos, mesmo nos meses de menor rendimento nas coletas o que, em linhas gerais, ocorre de maio a agosto (Figs. 17 e 18).

A natureza primitiva das florestas, onde estas observações foram realizadas, revelou-se mais uma vez, entre outras características, pelo discreto comparecimento de Ae. scapularis. Entre as espécies mais freqüentes, limitou-se aos resultados alcançados na armadilha tipo Shannon operada no aberto em Folha Larga (Tabela 1). Esse dado, em relação a esta localidade pode encontrar explicação pelo fato já mencionado dessa armadilha ter-se situado em área aberta, distanciada 200 m. da margem da mata, e instalada em pleno terreno utilizado para produção agrícola. Nas demais coletas, a presença desse mosquito foi pouco relevante, pelos critérios adotados nestas observações. Confirma-se, assim, a feição que apresenta o Ae. scapularis, de mosquito adaptável a ambientes modificados. Em tais meios mantém-se presente, podendo alcançar níveis altos, mesmo decorrido tempo considerável do processo que resultou em alteração do ambiente florestal primitivo, em cujo interior sempre tem ocorrência pouco significante (Forattini e col.5, 1968; Guimarães e Arlé10, 1984; Oliveira14, 1984; Guimarães e col.11, 1985). O caráter ubiqüista desse culicídeo revela-se preferentemente em relação a conjuntos de matas residuais ou naturais tipo galerias ciliares ao longo de cursos de água, com preferência, como ficou dito, para ambientes natural ou artificialmente aberto (Forattini8, 1981; Kruijf13, 1972; Forattini e col.6,7,8, 1978, 1981; Degallier e col.3, 1978; Roberts e col.17,18, 1981, 1985). Quanto ao Ae. serratus pôde-se inclui-lo entre os mosquitos mais freqüentes que foram coletados em Folha Larga. Contudo notou-se sua ausência nas coletas efetuadas no aberto, limitando-se a comparecer de maneira significativa somente nas capturas realizadas no interio da mata, seja na isca humana seja na armadilha tipo Shannon. Esse fato foi observado nas duas localidades, em que pesem as diferentes distâncias dos locais de coleta em relação à margem da mata, ou seja, 200 m. em Folha Larga e 20 em Vilarinho. Tal aspecto confirma o caráter essencialmente intraflorestal da atividade desse mosquito, tanto em florestas primitivas como residuais ou de pequena extensão (Forattini e col.6,8,1973,1981; Roberts e col.18, 1985).

Ainda no que concerne à composição faunística do material coletado nas duas localidades é de se registrar, como já mencionado, a significativa presença de Cx. sacchettae, Ps. ferox e sabetíneos Phoniomyia em Folha Larga. Em Vilarinho, a primeira dessas espécies, bem como os representantes do terceiro grupo, revelaram franca dominância sobre os demais, nesta localidade. Exceção feita para Cx. sacchettae, todos esses aspectos limitaram-se praticamente à isca humana. Nas coletas com armadilha de Shannon, no aberto, foi marcante a ocorrência de Cq. chrysonotum nas duas localidades e de Cq. venezuelensis em Vilarinho. Tais feições poderão ser explicadas, pelo menos em parte, pelos tipos das duas florestas, com maior riqueza de bromélias epífitas e menor altura da copa arbórea na floresta Quaternária de transição que existe em Vilarinho. Em Folha Larga, por sua vez, as coletas efetuadas no aberto, o foram em local mais distante da mata e em terreno cultivado, favorecendo, portanto, o comparecimento de representantes de Coquillettidia além de outros mosquitos, como o já mencionado Ae. scapularis. Assinale-se finalmente, embora sem significado maior, a presença de Hg. leucocelaenus em Folha Larga e de Hg. capricornii em Vilarinho, além de vários representantes de Sabethes em ambas essas localidades, tendo em vista o interesse epidemiológico que o encontro desses mosquitos sempre desperta (Tabelas 2 e 6).

Do que acima se relatou, conclui-se pela possibilidade de se traçar o perfil da composição específica, com destaque para as espécies de significado epidemiológico potencial. Esse perfil poderá assim ser considerado como característica dos vários tipos paisagísticos do Vale do Ribeira onde estas observações foram sediadas. Dessa maneira, levando em conta o ambiente artificialmente modificado e com matas residuais, ao lado dos que se encontram ainda revestidos por florestas primitivas, o ordenamento dos vários representantes ou grupos pela sua dominância percentual é o que está apresentado na Tabela 8. Considerando-se as espécies dotadas de significado epidemiológico potencial, a sua ordenação pelos resultados obtidos nas coletas extraflorestais, ou seja, efetuadas no aberto e com o emprego de armadilha tipo Shannon, acha-se exposta na Tabela 9. Pode-se verificar, assim, e de maneira bastante evidente, a sucessão faunística relativa à dominância, conseqüente ao processo de modificação ambiental produzido pelo homem. De início chama a atenção o maior número de espécies que atingem freqüência que lhes permite serem detectadas nas coletas. Mesmo tendo presente que os resultados da armadilha de Shannon refletem o rendimento do período que corresponde à primeira metade da noite. Nota-se que ao predomínio de An. cruzii, Cx. sacchettae, An. bellator e Ps. ferox no meio primitivo, sucede o de Ae. serratus, Ae. scapularis e Cx. ribeirensis no ambiente modificado. E, em se tratando do meio extraflorestal relativo à mata residual ali existente, esse predomínio na área aberta limita-se às duas últimas espécies. Acresce ponderar que, na realidade, o que aqui vai designado como Ae. serratus constitui conjunto de, pelo menos, três espécies representadas por Ae. hastatus, Ae, oligopistus e Ae. serratus. Isso permite supor participação não homogênea, nesse particular, na sucessão específica. Por conseguinte, parece não padecer dúvidas de que esses aspectos comprovam a hipótese de que tanto Ae. scapularis como Cx. ribeirensis são dotados de capacidade não desprezível de adaptação ao ambiente artificialmente modificado (Forattini e col.8, 1981; Oliveira14, 1984). As alterações, de origem antrópica, tendem assim a favorecer a sobrevivência dessas duas populações específicas as quais, em vista disso, devem ser encaradas como de importância epidemiológica ao se pretender investigar os mecanismos de veiculação de infeções à população humana. Os gráficos da Fig. 19 destinam-se a representar os vários perfis supramencionados.

No que concerne os ritmos nictimerais, os que foram observados em ambas as localidades seguiram, de maneira geral, os anteriormente detectados nas outras áreas (Forattini e col.8,9, 1981, 1986). Confirmou-se assim o caráter essencialmente diurno de Sabethini e de Ps. ferox, e noturno de Cx. sacchettae. Dos primeiros, Phoniomyia sp. representou o grupo mais freqüente, de exclusiva atividade diurna, mais intensa das 10:00 às 15:00 h., correspondentes ao período mais luminoso do dia. Quanto a Ps. ferox, revelou aspecto aproximadamente bimodal, com pico matutino das 8:00 às 10:00 h e vespertino a partir das 15:00 h. Este último mostrou-se de maneira mais constante e precedendo o declínio crepuscular, como já tinha sido observado em outras áreas do mesmo Sistema da Serra do Mar (Rachou e col.15, 1958). Todavia, quando comparadas as duas localidades onde as presentes observações foram efetuadas, esse aspecto bimodal mostrou certa variabilidade. Assim sendo, esse mosquito, dentro do caráter eminentemente diurno de sua atividade, revelou-se de comportamento irregular apresentando vários picos de intensidade, a exemplo do já assinalado em outras regiões (Kruijf13, 1972; Degallier e col.3, 1978; Roberts e col.18, 1985). Nas duas localidades, o ritmo noturno de Cx. sacchettae revelou-se bastante regular, com atividade máxima no horário das 24:00 e 01:00 h., aproximando-se mais do aspecto observado no ambiente florestal da encosta (Forattini e col.9, 1986) do que na mata residual do ambiente modificado. Neste, o pico de atividade desse mosquito dá-se imediatamente após o crepúsculo vespertino, embora mantendo-se ativo durante todo o decorrer da noite (Forattini e col.8, 1981). Tanto em Folha Larga como em Vilarinho, os dois anofelíneos Kerteszia repetiram o que se observou na mata da encosta, mantendo assim atividade contínua durante as 24 horas de coleta com isca humana. Ambos apresentaram pico de incremento por ocasião do período representado pelas horas crepusculares vespertinas, ou seja, no intervalo das 17:00 às 20:00 h. Esse aspecto, para An. bellator, já tinha sido anteriormente registrado em outra região deste mesmo domínio paisagístico (Rachou e col.15, 1958). Embora também ocorrendo aumento de atividade nas horas crepusculares matutinas, ou seja, das 04:00 às 07:00 h, não se traduziu por pico com a mesma evidência e intensidade do anterior. Em relação a Ae. serratus, detectou-se, em Folha Larga, nítidos picos crepusculares, tanto vespertinos como matutinos, nas coletas com isca humana. Não foi o que se observou em mata residual do ambiente alterado, onde houve pouca evidência de pico matutino (Forattini e col.8, 1981). Comparando-se a atividade horária detectada nas coletas com as armadilhas tipo Shannon, nessa mesma localidade, nota-se a diferença de comportamento desse mosquito em relação a Ae. scapularis. Enquanto este manteve-se ativo durante todo o período, tanto dentro como fora da mata, aquele o foi somente no meio intraflorestal (Fig. 14). Comprova-se assim a tendência que Ae. scapularis apresenta, de invadir o ambiente artificialmente desmatado. Conclui-se também que a atividade antrópica modificadora das características do ambiente, além de propiciar a sucessão culicídea, induz também alterações no comportamento de populações primitivas que ali passam a dominantes.

Para os períodos crepusculares propriamente ditos, a análise dos intervalos revelou, como das outras vezes, incremento de atividade para algumas espécies, relacionado com esses espaços de tempo (Tabelas 5 e 7). Tanto em Folha Larga como em Vilarinho, Cx. sacchettae manteve a feição eocrepuscular do seu ciclo nictimeral, com picos endocrepusculares. Estes, tanto vespertinos como matutinos, ocorrendo no intervalo crep 0,5 a 1,0 para os primeiros e de 1,0 a 0,5 para os segundos. É de se notar que o pico endocrepuscular matutino, desse mosquito, não foi seguido por sensível aumento de atividade, devendo pois ter significado diferente do endocrepuscular vespertino. Em relação a essa atividade, este último precedeu-lhe o incremento noturno, ao passo que aquele antecedeu-lhe o acentuado declínio diurno, que chega mesmo ao desaparecimento durante o período luminoso do dia, como se pode ver pelos gráficos das Figuras 13 e 15. Não cabe pois, neste caso, falar da existência de ritmo paracrepuscular, mas sim apenas de características eo e endocrepusculares possivelmente condicionadas a condições do microclima. Contudo, aspecto paracrepuscular foi bem evidente no ciclo nictimeral dos dois representantes de Kerteszia os quais, embora com incremento noturno, revelaram-se apreciavelmente ativos durante todo o período das 24 horas (Fig. 13 e 16). Repetiu-se aqui, em relação a esses anofelíneos, o detalhamento observado e descrito para a mata primitiva da encosta (Forattini e col.9, 1986). Os picos endocrepusculares abrangendo o intervalo vespertino 0,5 a 1,0 e o matutino 1,0 a 0,5, e os póscrepusculares nos 1,2 a 2,0 para o vespertino e de 0,0 a -0,5 para o matutino. Ainda aqui, esse aspecto bimodal foi mais evidente para An. cruzii, embora também evidenciável para An. bellator. Caberá pois fazer as mesmas considerações apresentadas quando daquele trabalho anterior. Trata-se de confirmação de fenômeno observado, pela primeira vez naquela oportunidade, e cuja explicação poderá ser procurada na influência de fatores endógenos e exógenos, entre estes as condições de luminosidade e do microclima. Essa confirmação implica pois ressaltar o significado epidemiológico do que se reveste, e referente à continuidade da atividade humana em áreas próximas ao ambiente florestal, com conseqüente exposição a desses mosquitos, no decurso das horas crepusculares vespertinas.

Quanto à distribuição mensal, a dominância de An. cruzii revelou variações caracterizadas por algumas quedas quando dos meses de menor rendimento e correspondentes ao período de maio a setembro (Fig. 18). Manteve-se, contudo, em nível alto, em relação às dos demais culicídeos. Como era esperado, o menor comparecimento, nesses meses mais secos e frios, foi mais acentuado do que o registrado no ambiente florestal da encosta, chegando mesmo ao desaparecimento na armadilha de Shannon, no mês de junho. Nas condições microclimáticas e de topografia local, poderão ser encontradas as explicações para esse aspecto.

 

CONCLUSÕES

1. Em matas primitivas perenifólias higrófilas da planície Quaternária e de transitação, do Sistema da Serra do Mar, no Vale do Ribeira, as coletas com o emprego de isca humana e de armadilhas tipo Shannon revelaram composição faunística culicídea, com dominância de anofelíneos Kerteszia e de sabetíneos.

2. A dominância de anofelíneos Kertszia mantém-se nos resultados obtidos mediante a utilização de vários tipos de captura. Todavia, a concernente a An. cruzii não se apresenta de maneira tão destacada como a observada, para essa mesma espécie, em mata da encosta do mesmo Sistema.

3. Contribui para esse aspecto, o fato de outras espécies culicídeas também comparecerem de maneira marcante, principalmente Cq. chrysonotum, Cx. sacchettae e representantes de Phoniomyia.

4. As espécies que revelaram atividade significativamente contínua nas 24 horas para a isca humana, foram Ae. serratus, An. bellator e An. cruzii.

5. A composição específica da fauna culicídea obtida nestas pesquisas e nas anteriormente publicadas, permitiu traçar os seus perfis, para os vários ambientes do Vale do Ribeira onde foram levadas a efeito as observações. Dessa maneira, torna-se evidente que as modificações de origem antrópica favorecem a dominância de Ae. scapularis e de Cx. ribeirensis, substituindo An. cruzii, Cx. sacchettae, An. bellator e Ps. ferox que predominam no ambiente primitivo.

6. A dominância de Ae. scapularis e de Cx. ribeirensis torna-se evidente no meio extraflorestal das áreas modificadas. Nestas, o Ae. serratus predomina no meio intraflorestal das áreas de matas residuais.

7. Tais achados permitem comprovar a adaptação de Ae. scapularis e de Cx. ribeirensis ao ambiente artificialmente modificado, caracterizando assim a sua importância epidemiológica na transmissão de agentes infecciosos à população humana.

8. As alterações antrópicas do ambieente, não apenas resultam em processo de sucessão na fauna culicídea, como também podem ser associadas a mudanças de comportamento de populações primitivas que ali passam a dominantes. Este parece ser o caso de Ae. serratus e de Cx. sacchettae.

9. A influência crepuscular no desencadeamento da atividade culicídea, foi novamente detectada nestas observações, com Cx. sacchettae mostrando de maneira evidente o caráter eocrepuscular do seu ciclo nictimeral.

10. Para An. bellator e An. cruzii confirmou-se a ocorrência de ritmos paracrepusculares, com suas evidentes conseqüências de importância epidemiológica.

11. A dominância de An. cruzii persistiu durante todos os meses do ano, mesmo nos períodos de menor densidade nas coletas.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. CORRÊA, R.R. et al. Observações sobre o vôo de Anopheles (Kerteszia) cruzii e do A. (K.) bellator, vetores de malária. Arq.Hig.Saúde públ., 26: 333-42, 1961.        

2. DEANE, L.M. et al. The vertical dispersion of Anopheles (Kerteszia) cruzii in a forest in southern Brazil suggests that human cases of malaria of simian origin might be expected. Mem.Inst.Oswaldo Cruz, 79: 461-3, 1984.        

3. DEGALLIER, N. Rythmes d'activité des Culicidés de la Guyane Française (Diptera, Culicidae). Cah. ORSTOM Ent.méd.parasit., 16: 73-84, 1978.        

4. FORATTINI, O.P. Some data on the domesticity of Aedes scapularis (Rondani) in São Paulo, Brazil. Mosq.News, 21: 295-6, 1961.        

5. FORATTINI, O.P. et al. Investigações sobre o comportamento de formas adultas de mosquitos silvestres no Estado de São Paulo, Brasil. Rev.Saúde públ., S.Paulo, 2: 111-73,1968.        

6. FORATTINI, O.P. et al. Estudos ecológicos sobre mosquitos Culicidae no Sistema da Serra do Mar, Brasil. 1 - Observações no ambiente extradomiciliar. Rev.Saúde públ., S.Paulo, 12: 297-325, 1978.        

7. FORATTINI, O.P. et al. Estudos ecológicos sobre mosquitos Culicidae no Sistema da Serra do Mar, Brasil. 2 - Observações no ambiente domiciliar. Rev.Saúde públ., S.Paulo, 12: 476-96, 1978.        

8. FORATTINI, O.P. et al. Observações sobre atividade de mosquitos Culicidae, em mata residual do Vale do Ribeira, S.Paulo, Brasil. Rev.Saúde públ., S.Paulo, 15: 557-86, 1981.        

9. FORATTINI, O.P. et al. Observações sobre atividade de mosquitos Culicidae em mata primitiva da encosta no Vale do Ribeira, São Paulo, Brasil. Rev.Saúde públ., S.Paulo, 20: 1-20, 1986.        

10. GUIMARÃES, A.E. & ARLÉ, M. Mosquitos no Parque Nacional da Serra dos órgãos, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. I - Distribuição estacional. Mem.Inst. Oswaldo Cruz, 79: 309-23, 1984.        

11. GUIMARÃES, A.E. et al. Mosquitos no Parque Nacional da Serra dos órgãos, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. II - Distribuição vertical. Mem.Inst.Oswaldo Cruz, 80: 171-85,1985.        

12. KLEIN, R.M. Aspectos dinâmicos da vegetação do sul do Brasil. Sellowia, 36: 5-54, 1984.        

13. KRUIJF, H.A.M. Aspects of the ecology of mosquitoes in Surinam. Stud. Fauna Suriname other Guyanas, 13(51): 1-54, 1972.        

14. OLIVEIRA, R.L. de Alguns aspectos da ecologia dos mosquitos (Diptera: Culicidae) de uma área de planície (Granjas Calábria), em Jacarepaguá, Rio de Janeiro. I - Freqüência comparativa das espécies em diferentes ambientes e métodos de coleta. Mem.Inst. Oswaldo Cruz, 79: 479-90, 1984.        

15. RACHOU, R.G. et al. Alguns dados sobre o comportamento de mosquitos de Ponta Grossa (Florianópolis, Santa Catarina). Rev.bras.Malar., 10: 417-27, 1958.        

16. RAMBAJAN, I. Reappearance of Anopheles darling. Root and vivax malaria in a controlled area of Guyana, South America. Trop.geogr.Med., 36: 61-6, 1984.        

17. ROBERTS, D.R et al. Programa multidisciplinario de vigilância de las enfermedades infecciosas en zonas colindantes con la carretera transamazonica en Brazil. IV - Estudio entomologico. Bol. Ofic.sanit.panamer., 91: 379-99, 1981.        

18. ROBERTS, D.R. et al. Asociacion de vectores de arbovirus con galerias arboreas y el medio domestico en el sureste de Bolivia. Bol.Ofic.sanit.panamer., 98: 417-30,1985.        

19. SOUTHWOOD, T.R.E. Ecological methods. 2nd ed. London, Chapman and Hall, 1978.        

20. VELOSO, H.P. Considerações gerais sobre os biótipos dos anofelíneos do sub-gênero Kerteszia. Mem.Inst. Oswaldo Cruz, 56: 163-79, 1958.        

21. VELOSO, H.P. et al. Delimitação ecológica dos anofelíneos do sub-gênero Kerteszia na região costeira sul do Brasil. Mem.Inst.Oswaldo Cruz, 54: 517-48, 1956.        

 

 

Recebido para publicação em 13/02/1986
Aprovado para publicação em 21/03/1986
Realizado com auxílio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP (Processo: Ecologia 82/0286-1)

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo São Paulo - SP - Brazil