Editorial

Editorial

 

Doenças não transmissíveis e infecções
Non-transmissible diseases and infections

 

Sob o ponto de vista epidemiológico, as doenças que afetam o ser humano podem ser divididas em dois grupos: as infecciosas e as não transmissíveis. Todavia, têm surgido dúvidas a respeito se estas seriam infecciosas ou não. Em outras palavras, lançou-se a hipótese de que alguma infecção estaria subjacente a diversas moléstias consideradas não transmissíveis, pelo menos as mais conhecidas, como esclerose múltipla, doença de Alzheimer e a esquizofrenia. De maneira paradigmática, invoca-se o caso das úlceras pépticas, as quais, atualmente, são atribuídas à ação da bactéria Helicobacter pylori, fato que revolucionou o tratamento.

Contudo, para outras doenças crônicas, as evidências atualmente disponíveis são essencialmente circunstanciais. Por exemplo, a esclerose múltipla deu lugar à epidemia, dificilmente explicável pela desordem genética. É o que ocorreu nas Ilhas Faröe, no Atlântico Norte, coincidindo com a ocupação por forças britânicas ao longo da Segunda Guerra Mundial (Zimmer,7 2001). De maneira análoga, a esquizofrenia parece estar associada a infecções durante o período da gravidez, uma vez que acomete a maioria das pessoas no inverno, quando são mais comuns as infecções por gripe e resfriados.

O interesse atual a respeito das infecções fez com que se focalizassem as doenças não transmissíveis. Não obstante, cada etapa tornou-se fonte de controvérsias. E isto desde o isolamento do agente supostamente patógeno até a determinação do mecanismo pelo qual ele poderia causar a doença, passando pelo perfil genético do hospedeiro. Contudo, trata-se de afecções crônicas e não agudas nas quais as respostas às questões seriam mais fáceis de ser obtidas. Ao se lidar com aquelas, nas quais os sintomas levam alguns decênios para se manifestar, torna-se difícil, embora não impossível, dispor de animais viáveis para servir de modelos experimentais.

Apesar desses inconvenientes, as pesquisas e os estudos continuam. No caso da esclerose múltipla, as evidências epidemiológicas sugerem a influência de agente infeccioso. Entre outras circunstâncias, tem-se observado que migrantes de até 15 anos provenientes das consideradas zonas endêmicas, para outras de baixa prevalência, têm menos probabilidade de adquirir a doença do que aqueles que permanecem naquelas regiões. Esse fenômeno encontraria alguma explicação levando-se em conta que a esclerose múltipla poderia se originar de infecção acometendo as pessoas na adolescência. No caso particular dessa doença, tratar-se-ia de algum agente dotado de proteínas semelhantes à mielina.

Um dos mais focalizados agentes infecciosos a esse respeito vem a ser Chlamydia pneumoniae, além de outros. Esse organismo tem sido associado a doenças pulmonares, agudas e crônicas, ateroesclerose, surtos tardios de doença de Alzheimer, entre outras. Todavia tal hipótese deu lugar a muitas controvérsias. Ao menos em determinado subgrupo de pacientes, a etiologia infecciosa parece muito provável. Mesmo havendo envolvimento com a esclerose múltipla, devem-se levar em conta fatores diretos e indiretos. Em relação a estes, parece não haver dúvidas quanto à associação com a constituição genética e com o alelo designado Apoe (Sriram et al,5 1999; Lenz et al,3 2001).

No que concerne às doenças cardiovasculares, reconhece-se a existência de vários fatores de risco, com os quais elas têm sido associadas. Entre eles figuram as elevadas taxas de colesterol sangüíneo, o hábito de fumar, o estresse, a hipertensão e a obesidade. De maneira análoga, foram associadas espécies de Chlamydia cujos peptídeos homólogos em camundongos podem induzir inflamações perivasculares e oclusão de vasos cardíacos (Bachmaier et al,1 1999). Mais recentemente, têm-se obtido resultados experimentais sugerindo que estados infecciosos podem estimular o processo aterogênico. Além de Chlamydia pneumoniae, nesse sentido foram focalizados citomegalovírus, patógenos orais, Helicobacter pylori, herpes simples e outros (O'Connor et al,4 2001). Contudo, as observações prospectivas parecem enfraquecer a hipótese infecciosa, em parte devido à ação de variáveis confundíveis como o estado socioeconômico e o hábito de fumar. De qualquer maneira, ficou aparentemente mostrado que aquele germe e os citomegalovírus podem propiciar o espessamento das paredes vasculares nos ateromas. Nesse sentido, seria lícito supor que as infecções têm a possibilidade de potencializar a ateroesclerose nas doenças cardiovasculares.

Quanto à doença de Alzheimer, as principais controvérsias reúnem-se ainda ao redor do possível papel de C. pneumoniae e dos herpesvírus. No cérebro dos pacientes, as proteínas formam grupos, e os neurônios se emaranham. Nesse quadro, alguns suspeitam de mecanismo inflamatório. Uma das principais complicações, tanto de um como de outro desses agentes, é o fato deles serem largamente difundidos. Muitas pessoas são portadoras, o que sugere que outros fatores, como os de ordem genética, poderiam intervir desempenhando algum papel. Em relação à Chlamydia, autores citados por Zimmer 2001,7 como Hudson, no que concerne aos herpesvírus, e Itzhaki, realizaram observações que levaram à hipótese de associação também do herpes simples. Assim sendo, HHV-6, C. pneumoniae e HSV-1 tornaram-se candidatos a essa etiologia. O último de tais agentes infecta muitas pessoas ao longo da vida, escolhendo nervos periféricos da cavidade oral. Suspeita-se que, na idade avançada, o vírus se infiltre no cérebro e, juntamente com o gene Apoe-4, reconhecido como fator de risco, desencadearia a doença.

Certos tipos de vírus, conhecidos pelo nome geral de retrovírus, misturam seu DNA com o do genoma das células do hospedeiro. Estima-se que esses agentes participem de 1% do genoma humano, embora muitas de suas seqüências sejam inócuas. Procura-se associá-los a, pelo menos, alguns quadros de esquizofrenia (Karlsson et al,2 2001). Uma das hipóteses seria a de que esses retrovírus poderiam se desenvolver em cérebros de certos indivíduos antes da época do nascimento. Em isso acontecendo, alterariam o desenvolvimento cerebral dessas pessoas. A transmissão sexual do HSV-2 tem elevada probabilidade de levar as mulheres grávidas a darem à luz crianças que, com o avançar da idade, desenvolveriam a esquizofrenia.

O organismo humano serve de terreno propício a interações de microorganismos tendendo à mútua adaptação com o hospedeiro e, conseqüentemente, à co-evolução. Isto resultando no estabelecimento de rede interconectada a qual, no dizer de Tosta (2001),6 seria a conexão, levando à diversidade. Tal adaptabilidade iniciar-se-ia no próprio genoma e, como resultado, incrementaria a sobrevivência.

Oswaldo Paulo Forattini

Editor Científico

 

REFERÊNCIAS

1. Bachmaier K, Neu N, de la Maza LM, Pal S, Hessel A, Penninger JM. Chlamydia infections and heart disease linked through antigenic mimicry. Science 1999;283:1335-9.

2. Karlsson H, Bachmann S, Schroeder J, Mc Arthur J, Torrey EF, Yolken RH. Retroviral RNA identified in the cerebrospinal fluids and brains of individuals with schizophrenia. Proc Natl Acad Sci USA 2001;98:4634-9.

3. Lenz DC, Lu L, Conant SB, Wolf NA, Gerard HC, Whittum-Hudson JA, et al. A Chlamydia pneumoniae: specific peptide induces experimental autoimmune encephalomyelitis in rats. J Immunology 2001;167:1803-8.

4. O'Connor S, Taylor C, Campbell LA, Epstein S, Libby P. Potential infectious etiologies of atherosclerosis: a multifactorial perspective. Emer Infect Dis 2001;7:780-8.

5. Sriram S, Stratton CW, Yao S, Tharp A, Ding L, Bannan JD, et al. Chlamydia pneumoniae infection of the central nervous system in multiple sclerosis. Ann Neurol 1999;46:6-14.

6. Tosta CE. Coevolutionary networks: a novel approach to understanding the relationships of human with the infectious agents. Mem Inst Oswaldo Cruz 2001;96:415-25.

7. Zimmer C. Microbiology. Do chronic diseases have an infectious root? Science 2001;293:1974-7.

Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo São Paulo - SP - Brazil