EDITORIAL

 

Investigação e avaliação em serviços de saúde

 

 

O desenvolvimento técnico-científico e as transformações político-econômicas, que marcam as sociedades capitalistas ocidentais, não só têm trazido consigo uma crescente valorização da saúde como dimensão nuclear para o bem estar individual e coletivo como também levam à constituição de sistemas de atenção à saúde cada vez mais amplos e complexos. O desenvolvimento de pesquisas sólidas em uma perspectiva científica, mas ao mesmo tempo viáveis e com legitimidade e aplicabilidade, representa um dos grandes desafios para o conhecimento científico em geral; porém, é particularmente presente em uma área como a Saúde Coletiva. Esse desafio para a Saúde Coletiva hoje, no Brasil, está representado pela necessidade premente de criação de conhecimentos, métodos e tecnologia que dê suporte ao pleno desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Nessa perspectiva, a investigação em serviços de saúde assume especial relevância, pois se volta para produzir conhecimento sobre os sistemas e serviços de saúde com o objetivo de orientar o desenho de políticas e a melhoria do desempenho.

A Saúde Coletiva no Brasil tem uma produção científica ampla e reconhecida no estudo das questões relativas à medicina e sociedade, a políticas de saúde e à epidemiologia. No entanto, os estudos no país que tomam os sistemas, os serviços de saúde e as práticas assistenciais como objeto, em uma perspectiva coletiva, ainda estão em uma fase de definição conceitual e metodológica, explorando as interseções com as áreas de políticas, economia e gestão da saúde, epidemiologia e clínica.

Buscou-se, no planejamento deste suplemento, delinear a produção de pesquisas nesta área desenvolvidas no país, e incluir textos teóricos e conceituais que buscam discutir a área e indicam as possibilidades da sua expansão e articulação. Espera-se dessa forma contribuir para um mapeamento da investigação em serviços de saúde na Saúde Coletiva brasileira atual. Adotou-se como estratégia a identificação de produção, em nível de pós-graduação, nessa temática, por meio da consulta a pesquisadores da área de avaliação de serviços, programas e tecnologias em saúde. Os textos selecionados como artigos originais não esgotam a produção existente, mas permitem identificar tendências em expansão nas pesquisas vinculadas à academia. A diversidade destes textos e pesquisas expressa o potencial da investigação em serviços de saúde no Brasil, denota a abrangência e a relevância dos temas investigados, além de explorar e debater suas limitações, desafios, tendências e interseções com outras disciplinas da Saúde Coletiva e outras áreas do conhecimento. Foram convidados pesquisadores da área de epidemiologia e de gestão em saúde para debater as questões acima arroladas para a pesquisa em serviços de saúde.

O texto para discussão apresenta as características da área de investigação em serviços de saúde em uma perspectiva internacional e tem como debatedores pesquisadores que trabalham com questões relativas aos serviços de saúde nas suas respectivas especialidades, com contribuições importantes. No seu conjunto, este suplemento contém contribuições que, espera-se, poderão também incentivar e orientar a produção futura de conhecimento sobre os serviços de saúde em geral e, sobretudo, acerca do SUS.

 

Claudia Travassos
Centro de Informação Científica e Tecnológica, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil

 

Hillegonda Maria Dutilh Novaes
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil

Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Rio de Janeiro - RJ - Brazil