DEBATEDORES DISCUSSANTS

 

Células-tronco no tratamento e cura do diabetes mellitus

 

Stem cells in the treatment and cure of diabetes mellitus

 

 

Fernando Henrique Lojudice; Mari Cleide Sogayar

Departamento de Bioquímica, Instituto de Química, USP. lojudice@iq.usp.br

 

 

O diabetes mellitus (DM)) consiste num distúrbio metabólico decorrente da falta de insulina e/ou incapacidade desta de agir adequadamente. Mecanismos que envolvem a destruição auto-imune das células beta-?pancreáticas e resistência dos tecidos periféricos à insulina vêm sendo sugeridos como causadores do diabetes.

O DM pode ser classificado em dois grupos: dependente de insulina (IDDM ou tipo I), e não insulino-dependente (NIDDM ou tipo II). Desprezando-se as características etiológicas e patofisiológicas, ambos os tipos podem resultar em complicações tardias (nefropatias, retinopatias, neuropatias, vasopatias). O estudo do DCCT (The Diabetes Control and Complications Trial) mostrou que um rígido controle sobre a glicemia pode retardar e diminuir a progressão de complicações tardias; no entanto, a insulinoterapia intensiva (5-6 injeções diárias), com um controle permanente da glicemia requer pacientes altamente motivados, além de aumentar consideravelmente o risco de hipoglicemias graves.

A Organização Mundial de Saúde estima em 143 milhões o número de diabéticos. No mundo, 15,7 milhões de pessoas (5,9% da população total de diabéticos) são acometidas de diabetes tipo I, sendo que um terço destes desconhecem o fato de possuir tal doença e, a cada ano, 798.000 casos novos são diagnosticados. A projeção para o ano 2025 é de que o diabetes atinja trezentos milhões de pessoas, sendo que este aumento deverá ocorrer, em grande parte, nos países em desenvolvimento, principalmente devido ao crescimento e envelhecimento da população, à obesidade, aos fatores dietéticos e ao sedentarismo. No Brasil, segundo estimativas do Ministério da Saúde, existem aproximadamente cinco milhões de diabéticos, 90% dos quais do tipo 2 e 5-10% do tipo 1.

O maior desafio no tratamento do diabetes é prover aos pacientes uma fonte de insulina que regule, fiel e constantemente, os níveis de glicose sanguínea. Os atuais métodos, que buscam alcançar esta meta, consistem em restaurar uma fonte endógena e/ou implantar uma fonte autóloga (ou não) de insulina. Por décadas, pesquisadores têm buscado meios de repor as células beta que foram destruídas pelo sistema imune do próprio paciente, mas, infelizmente, ainda não existe um tratamento eficaz que possa curar o diabetes sem trazer outras complicações, como aquelas causadas pelo uso de imunossupressores no caso dos transplantes de pâncreas e ilhotas.

Células-tronco são células progenitoras auto-renováveis que podem se diferenciar em um ou mais tipos de células especializadas. Estas células possuem diversas características que as qualificam como uma fonte potencial para terapia celular. Teoricamente, possuem capacidade ilimitada de replicação e, se adequadamente tratadas, podem se diferenciar em qualquer tipo celular do corpo humano adulto. Basicamente, dois tipos de células-tronco estão sendo investigadas: células-tronco provenientes de tecidos embrionários (ES - embryonic stem cells) e células-tronco adultas.

Nos últimos tempos, muitos tipos de terapias, baseadas na utilização de células-tronco, vêm sendo propostos para o tratamento de várias doenças degenerativas. Uma delas é a aplicação de células- tronco para a reposição de ilhotas não funcionais no órgão nativo, ou seja, o uso de células-tronco como uma fonte inesgotável de células beta para transplante.

A descoberta de métodos para isolar e cultivar células-tronco embrionárias humanas, em 1998, por James Thomson, renovou as esperanças de médicos, pesquisadores e pacientes diabéticos e suas famílias de uma cura para o diabetes tipo I e, talvez, até mesmo, para o diabetes do tipo II. Em teoria, células-tronco embrionárias podem ser cultivadas e tratadas para se diferenciarem em qualquer tecido/célula do corpo, até mesmo em células beta pancreáticas produtoras de insulina. Com um suprimento adequado de células produtoras de insulina, cultivadas in vitro, haveria massa suficiente para transplante, para que a terapia celular do diabetes pudesse ser aplicada amplamente em pacientes diabéticos. Estas células podem ser "manipuladas" para evitar rejeição imunológica. Antes mesmo de serem transplantadas, estas células poderiam ser acondicionadas/encapsuladas em materiais não-imunogênicos, os quais não seriam rejeitados, livrando, assim, o paciente dos efeitos devastadores das drogas imunossupressoras.

Estudos recentes em camundongos mostraram que células-tronco embrionárias podem ser induzidas a se diferenciarem em células beta produtoras de insulina e outros trabalhos indicam que esta estratégia também pode ser possível utilizando-se células-tronco embrionárias humanas.Deste modo, estas células seriam boas candidatas para eliminar o transplante de pâncreas/ilhotas alogênicas em pacientes diabéticos, utilizando-as como fontes alternativas de células produtoras de insulina. No entanto, um protocolo detalhado para obter populações puras e funcionais de células secretoras de insulina a partir de ESCs ainda não foi propriamente estabelecido. As estratégias incluem o enriquecimento da população de células positivas para insulina, usando condições de cultura adequadas, isolamento de células que expressam insulina do resto da cultura ou direcionamento da via de diferenciação através do uso de construtos genéticos, que codificam para fatores de transcrição. Em diferentes graus, todos os protocolos têm dado importantes contribuições, avançando na busca para se encontrar um protocolo definitivo.

Paralelamente ao estudo das células-tronco pluripotentes de embriões, uma nova classe de células-tronco foi emergindo, visando seu uso clínico e terapêutico: as células-tronco adultas (ASCs - adult stem cells). A célula-tronco adulta é uma célula indiferenciada que é encontrada em um tecido diferenciado (especializado), podendo originar as células do tecido de origem e garantir sua manutenção. As células-tronco provenientes da medula óssea dos ossos longos são as células-tronco adultas mais estudadas. Atualmente, são utilizadas clinicamente para restaurar vários componentes do sangue e do sistema imune. Parece haver dois tipos de células-tronco na medula óssea: (1) as células progenitoras hematopoiéticas (CPHs), que formam as células do sangue e do sistema imune e, (2) as células-tronco do estroma (mesenquimais – MSCs), que, normalmente, formam osso, cartilagem e gordura. Normalmente, estas células são recrutadas para a reposição tissular após injúria e/ou angiogênese de vários órgãos.

As ASCs são normalmente comprometidas com as células maduras do tecido no qual elas estão localizadas. Em condições específicas, as ASCs apresentam certa plasticidade, de acordo com os sinais do ambiente extracelular, propriedade conhecida como transdiferenciação. As ASCs podem ser mantidas em cultura por longos períodos de tempo, embora esta capacidade seja mais restrita quando comparadas com ESCs.

As ASCs presentes nas ilhotas não foram completamente caracterizadas. Experimentos in vitro e de localização celular indicam que o epitélio ductal, tecido exócrino e a replicação das próprias células beta podem contribuir para produzir novas células positivas para insulina. Além do mais, foi mostrado que células de tecidos extrapancreáticos também podem ser "bioengenheiradas" para expressar insulina. Estes incluem tecido hepático, medula óssea e monócitos da circulação. O fígado compartilha a origem endodérmica embrionária com o pâncreas, tendo sido mostrado que as células hepáticas ovais podem ser manipuladas para induzir a co-expressão de insulina e glucagon. Alternativamente, o repovoamento pancreático a partir de células-tronco de medula óssea também já foi descrito. Os mecanismos implicados neste processo parecem estar mais relacionados à neoformação da vasculatura pancreática do que à transdiferenciação de células-tronco de medula óssea. A reprogramação de monócitos do sangue na presença de citocinas (IL-3 e M-CSF) e a exposição subseqüente a fatores de crescimento (EGF e HGF) e nicotinamida permitiram obter células que expressavam insulina. De modo geral, todos estes procedimentos parecem ser muito promissores, mas o mecanismo envolvido no processo de (trans) diferenciação ainda é a questão-chave para melhorar os protocolos existentes.

Embora ainda seja necessário otimizar todos os protocolos baseados em ESC e ASC, estas evidências sugerem fortemente que as células-tronco são uma fonte potencial de tecidos para terapias regenerativas no futuro. A diferenciação de células beta a partir de células-tronco é direcionada por determinantes ainda desconhecidos, que incluem interações célula-célula, sinais da matriz extracelular e a presença da combinação de fatores de crescimento, hormônios, citocinas e nutrientes. O principal desafio é obter um produto celular capaz de mimetizar o mais próximo possível as características básicas de uma célula beta pancreática. As vias de detecção de nutrientes, processamento de insulina e sua exocitose regulada, somados ao padrão de expressão do gene da insulina, devem ser traços fenotípicos chave na obtenção de um produto celular final capaz de restaurar a perda de função no organismo.

ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revscol@fiocruz.br