(Atualizado: 05/03/2018)

Sobre o periódico

 

Informações básicas

 

A Revista Brasileira de Epidemiologia (Rev. bras. epidemiol.) é uma publicação trimestral, editada pela Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva - ABRASCO e tem por finalidade publicar Artigos Originais e inéditos, inclusive de revisão crítica sobre um tema específico, que contribuam para o conhecimento e desenvolvimento da Epidemiologia e ciências afins.

Publica também artigos para as seções: Debate destinada a discutir diferentes visões sobre um mesmo tema que poderá ser apresentado sob a forma de consenso/dissenso, artigo original seguido do comentário de outros autores, reprodução de mesas redondas e outras formas assemelhadas; Notas e Informações - notas prévias de trabalhos de investigação, bem como relatos breves de aspectos novos da epidemiologia além de notícias relativas a eventos da área, lançamentos de livros e outros; Cartas ao Editor - comentários de leitores sobre trabalhos publicados na Revista Brasileira de Epidemiologia.

A Revista Brasileira de Epidemiologia é associada à Associação Brasileira de Editores Científicos.

A abreviatura de seu título é Rev. bras. epidemiol., que deve ser usada em bibliografias, notas de rodapé e em referências e legendas bibliográficas.

 

 

 

Fontes de indexação

 

Os artigos publicados na Revista Brasileira de Epidemiologia são indexados ou resumidos por:

  • SciELO
  • MEDLINE
  • SCOPUS
  • LILACS – Index Medicus Latinoamericano
  • Latindex - Sistema Regional de Información em Línea para Revistas Científicas EBSCO Publishing
 

 

Propriedade intelectual

 

Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição BY.

 

 

Patrocinadores

 


Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO)


Faculdade de Saúde Pública / Universidade de São Paulo (FSP/USP)


Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)


Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)


Ministério da Saúde (MS)


Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS)


Organização Pan-Americana da Saúde (OMS/OPAS)

 

Corpo Editorial

Editores científicos

 
  • Antonio Fernando Boing - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC - Brasil

     

  • Cassia Maria Buchalla - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

  • Juraci Almeida Cesar - Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS – Brasil

     

  • Márcia Furquim de Almeida - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

  • Moisés Goldbaum - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

 

 

Grupo de Assessores

 
  • Alfonso Javier Rodriguez-Morales - Universidad Tecnológica de Pereira, Risaralda - Colombia
  • Asa Cristina Laurell - Universidad Autónoma Metropolitana , Xochimilco - México
  • Carlos Castillo Salgado - Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Baltimore - Estados Unidos
  • Henrique Barros - Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Porto - Portugal
  • Jaime Breilh - Universidad Andina Simón Bolívar, Quito - Equador
  • Jaime Miranda - Universidad Peruana Cayetano Heredia, Lima - Peru
  • Laura Cunha Rodrigues - London School of Hygiene and Tropical Medicine - London University, Londo - Inglaterra
  • Laura Rebecca Murray - Columbia University, New York - Estados Unidos
  • Luiz Augusto Cassanha Galvão - PAHO/WHO SDE, Washington, D.C. - Estados Unidos
  • Miquel Porta Serra - Universidad Autónoma de Barcelona, Barcelona - Espanha
  • Antonio Augusto Moura e Silva - Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA - Brasil
  • Bruce Duncan - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS -  Brasil
  • Celia Landmann Szwarcwald - Fundação Oswaldo Cruz, - Rio de Janeiro, RJ - Brasil
  • Cesar Gomes Victora - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS - Brasil
  • Chester Luiz Galvão Cesar - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
  • Cláudio José Struchiner - Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
  • Jarbas Barbosa da Silva Júnior - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Brasília, DF - Brasil
  • José Cássio de Moraes - Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
  • José da Rocha Carvalheiro - Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP - Brasil
  • José Eluf Neto - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
  • Luiz Augusto Facchini - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS - Brasil
  • Maria Fernanda Furtado Lima e Costa - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil
  • Maria Inês Schmidt - Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS -  Brasil
  • Marilisa Berti de Azevedo Barros - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP - Brasil
  • Maurício Lima Barreto - Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA - Brasil
  • Naomar de Almeida Filho - Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA - Brasil
  • Rita de Cássia Barradas Barata - Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo/SP - Brasil
  • Victor Wünsch Filho - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo/SP - Brasil
 

 

Editores associados

 
  • Saúde bucal
    Marco Aurelio de Anselmo Peres - University of Adelaide, Adelaide - Australia
    Paulo Capel Narvai - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Paulo Frazão - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

  • Atividade Física
    Alex Antonio Florindo - Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Arthur Eumann Mesas - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR - Brasil

     

  • Doenças Crônicas
    Airton Tetelbom Stein - Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS -  Brasil
    Antonio Fernando Boing - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC - Brasil

     

  • Câncer
    Gulnar Azevedo e Silva - Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Karina de Cássia Braga Ribeiro - Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Maria Teresa Bustamante Teixeira - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG - Brasil

     

  • Medicamentos
    Karen Sarmento Costa – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP - Brasil
    Nicolina Silvana Romano Lieber - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Sotero Serrate Mengue – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS - Brasil

     

  • Saúde do trabalhador
    Ary Carvalho de Miranda – Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Eduardo Mello De Capitani – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP - Brasil
    Frida Marina Fischer - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo/SP - Brasil
    Vilma Sousa Santana - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA - Brasil
    Ada Ávila Assunção - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil

     

  • Saúde Ambiental
    Carmen Ildes Rodrigues Fróes Asmus - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Nelson da Cruz Gouveia - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Luiz Alberto Amador Pereira - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

  • Saúde da Mulher e da Criança
    Rosângela Fernandes Lucena Batista - Universidade Federal do Maranhão, São Luís – MA - Brasil
    Silvana Granado Nogueira da Gama - Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil

     

  • Violência
    Maria Fernanda Tourinho Peres - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Selma Maffei de Andrade - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR - Brasil

     

  • Doenças Infecciosas
    Ana Paula Sayuri Sato – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Expedito José de Albuquerque Luna - Instituto de Medicina Tropical de São Paulo da Universidade de São Paulo, São Paulo, SO - Brasil
    Maria Rita Donalísio Cordeiro - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP - Brasil
    Pedro Luiz Tauil - Universidade de Brasília, Brasília, DF - Brasil

     

  • Nutrição
    Betzabeth Slater Villar - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Maria Teresa Anselmo Olinto - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre, RS - Brasil
    Renata Bertazzi Levy – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP – Brasil
    Rita de Cássia Ribeiro Silva - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA - Brasil
    Suely Godoy Agostinho Gimeno - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil

     

  • Saúde Mental
    Darci Neves Santos - Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA - Brasil
    Maria Cristina Pereira Lima - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Presidente Prudente, SP - Brasil
    Tânia Maria de Araújo - Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador, BA - Brasil

     

  • Serviços de Saúde
    Hillegonda Maria Dutilh Novaes - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Mariangela Leal Cherchiglia - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil
    Palmira de Fátima Bonolo – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil

     

  • Métodos Epidemiológicos
    Christovam Barcellos - Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Eduardo Faerstein - UERJ
    Francisco Inacio Pinkusfeld Monteiro Bastos - Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Iuri da Costa Leite - Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Ronir Raggio Luiz - Universidade Federal de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Zilda Pereira da Silva – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP – Brasil

     

  • Saúde do Idoso
    Eleonora D'Orsi - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC - Brasil
    Luiz Roberto Ramos - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP - Brasil
    Tiago da Silva Alexandre - Universidade Federal de São Carlos, São Carlo, SP- Brasil

     

  • Saúde indígena
    Ana Lucia Escobar - Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil
    Carlos Everaldo Alvares Coimbra Junior - Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ - Brasil

     

  • Comportamento - Estilo de vida
    Eduarda Angela Pessoa Cesse - Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ - Brasil
    Maria de Lourdes Drachler – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS - Brasil

     

 

 

Produção editorial

 
  • Sandra Suzuki
  • Christiane Teixeira
 

Instruções aos autores

 

Escopo e política

 

A Revista Brasileira de Epidemiologia tem por finalidade publicar Artigos Originais e inéditos (máximo de 21.600 caracteres com espaço), inclusive os de revisão crítica sobre um tema específico, que contribuam para o conhecimento e desenvolvimento da Epidemiologia e ciências afins. Serão aceitas somente Revisões Sistemáticas e Metanálises; não serão aceitas Revisões Integrativas.

Publica, também, artigos para as seguintes seções:

  • Artigos originais com resultados de pesquisas
  •  Metodológicos: Artigos que se dedicam a analisar as diferentes técnicas utilizadas em estudos epidemiológicos;
  • Debate: destina-se a discutir diferentes visões sobre um mesmo tema, que poderá ser apresentado sob a forma de consenso/dissenso, artigo original seguido do comentário de outros autores, reprodução de mesas redondas e outras formas semelhantes;
  • Notas e Informações: notas prévias de trabalhos de investigação, bem como breves relatos de novos aspectos da epidemiologia, além de notícias relativas a eventos da área, lançamentos de livros e outros (máximo de 6.450 caracteres com espaço);
  • Cartas ao Editor: comentários de leitores sobre trabalhos publicados na Revista Brasileira de Epidemiologia (de 3.260 até 4.570 caracteres com espaço).

Os manuscritos apresentados devem destinar-se exclusivamente à Revista Brasileira de Epidemiologia, não sendo permitida sua apresentação simultânea a outro periódico. Após o envio do parecer, os autores devem assinar uma declaração, de acordo com modelo fornecido pela RBE (Declaração de Exclusividade, Declaração de Direitos Autorais e Declaração de Conflito de Interesses). Os conceitos emitidos em qualquer das seções da Revista são de inteira responsabilidade do(s) autor(es).

Os manuscritos publicados são de responsabilidade da Revista, sendo vedada a reprodução ― mesmo que parcial ― em outros periódicos, assim como a tradução para outro idioma sem a autorização do Conselho de Editores. Assim, todos os trabalhos, quando aprovados para publicação, deverão ser acompanhados de documento de transferência de direitos autorais contendo a assinatura dos autores, conforme modelo fornecido posteriormente pela Revista.

Cada manuscrito é apreciado por no mínimo dois relatores, indicados por um dos Editores Associados, a quem caberá elaborar um relatório final conclusivo a ser submetido ao Editor Científico. Na primeira etapa da submissão, a secretaria verifica se todos os critérios estabelecidos foram atendidos, e entra em contato com o autor. O manuscrito é encaminhado para a apreciação dos editores somente se atender a todas as normas estabelecidas pela RBE.

A Revista Brasileira de Epidemiologia não cobra taxas para a submissão de manuscritos, ou para a avaliação ou publicação de artigos.

Aprovação por Comitê de Ética em Pesquisa (CEP)
Medida exigida desde o início da publicação da RBE e que reafirmamos, exigindo especial menção no texto dos artigos. Tal exigência pode ser dispensada em alguns tipos de estudo que empregam apenas dados agregados, sem identificação de sujeitos, disponíveis em bancos de dados e tão comuns na área da saúde. Nenhuma instância é melhor que um CEP para analisar a natureza das propostas de investigação, seguindo a orientação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP/CNS/MS). O CEP que aprova a investigação deve ser registrado na CONEP.

Em particular, devem ser contempladas as seguintes Resoluções:

  • 196/96, reformulada pela 446/11, sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos;
  • 251/97, sobre Normas de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos para a área temática de Pesquisa com Novos Fármacos, Medicamentos, Vacinas e Testes Diagnósticos;
  • 292/99 e sua Regulamentação de agosto de 2002, que dizem respeito à área temática especial de Pesquisas Coordenadas do Exterior ou com Participação Estrangeira e Pesquisas que Envolvam a Remessa de Material Biológico para o Exterior.

A Revista Brasileira de Epidemiologia apoia as políticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE) para registro de ensaios clínicos, reconhecendo a importância dessas iniciativas para o registro e divulgação internacional de informação sobre estudos clínicos, em acesso aberto. Sendo assim, a partir de 2007, serão aceitos para publicação  somente os artigos de pesquisa clínicas que tenham recebido um número de identificação em um dos Registros de Ensaios Clínicos validados pelos critérios estabelecidos pela OMS e ICMJE, cujos endereços estão disponíveis no site do ICMJE. O número de identificação/aprovação deverá ser registrado na Folha de rosto.

As entidades que registram ensaios clínicos segundo os critérios do ICMJE são:

  • Australian New Zealand Clinical Trials Registry (ANZCTR)
  • ClinicalTrials.gov
  • International Standard Randomised Controlled Trial Number (ISRCTN)
  • Nederlands Trial Register (NTR)
  • UMIN Clinical Trials Registry (UMIN-CTR)
WHO International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP)
 

 

Apresentação do manuscrito

 

Os manuscritos são aceitos em português, espanhol ou inglês. Os artigos em português e espanhol devem ser acompanhados do resumo no idioma original do artigo, além de abstract em inglês. Os artigos em inglês devem ser acompanhados do abstract no idioma original do artigo, além de resumo em português.

O manuscrito deve ser acompanhado de documento a parte com carta ao editor, justificando a possível publicação.

Os manuscritos devem ter o máximo de 21.600 caracteres com espaço e 5 ilustrações, compreendendo Introdução, Metodologia, Resultados, Discussão, Conclusão (Folha de rosto, Referências Bibliográficas e Ilustrações não estão incluídas nesta contagem). O arquivo deve apresentar a seguinte ordem: Folha de rosto, Introdução, Metodologia, Resultados, Discussão, Conclusão, Referências Bibliográficas e Ilustrações. O manuscrito deve ser estruturado, apresentando as seções: Folha de rosto, Resumo, Abstract, Introdução, Metodologia, Resultados, Discussão, Conclusão, Referências e Ilustrações. O arquivo final completo (folha de rosto, seções, referências e ilustrações) deve ser submetido somente no formato DOC (Microsoft Word), e as tabelas devem ser enviadas em formato editável (Microsoft Word ou Excel), devendo respeitar a seguinte formatação:

  • Margens com configuração “Normal” em todo o texto (superior e inferior = 2,5 cm; esquerda e direita = 3 cm);
  • Espaçamento duplo em todo o texto;
  • Fonte Times New Roman, tamanho 12, em todo o texto;
  • Não utilizar quebras de linha;
  • Não utilizar hifenizações manuais forçadas.

Folha de Rosto
Os autores devem fornecer os títulos do manuscrito em português e inglês (máximo de 140 caracteres com espaço), título resumido (máximo de 60 caracteres com espaço), dados dos autores*, dados do autor de correspondência (nome completo, endereço e e-mail), agradecimentos, existência ou ausência de conflitos de interesses, financiamento e número de identificação/aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa. Deve ser especificada, também, a colaboração individual de cada autor na elaboração do manuscrito.

*A indexação no SciELO exige a identificação precisa da afiliação dos autores, que é essencial para a obtenção de diferentes indicadores bibliométricos. A identificação da afiliação de cada autor deve restringir-se a nomes de entidades institucionais, Cidade, Estado e País (sem titulações dos autores).

O financiamento deve ser informado obrigatoriamente na Folha de rosto. Caso o estudo não tenha contato com recursos institucionais e/ou privados, os autores devem informar que o estudo não contou com financiamento.

Os Agradecimentos devem ter 460 caracteres com espaço no máximo.

Resumo e Abstract
Os resumos devem ter 1600 caracteres com espaço no máximo, e devem ser apresentados na a forma estruturada, contemplando as seções: Introdução, Metodologia, Resultados, Discussão, Conclusão. As mesmas regras aplicam-se ao abstract.

Os autores deverão apresentar no mínimo 3 e no máximo 6 palavras-chave, bem como as respectivas Keywords, que considerem como descritores do conteúdo de seus trabalhos, no idioma em que o artigo foi apresentado e em inglês. Esses descritores devem estar padronizados conforme os DeCS (http://decs.bvs.br/).

Ilustrações
As tabelas e figuras (gráficos e desenhos) deverão ser inseridas no final do manuscrito, não sendo permitido o envio em páginas separadas. Devem ser suficientemente claras para permitir sua reprodução de forma reduzida, quando necessário. Fornecer títulos em português e inglês, inseridos fora das ilustrações (não é necessário o corpo da tabela e gráficos em inglês). Deve haver quebra de página entre cada uma delas, respeitando o número máximo de 5 páginas dedicadas a Tabelas, Gráficos e Figuras. Apresentá-las após as Referências, no final do manuscrito (em arquivo único).

As ilustrações podem no máximo ter 15 cm de largura e devem ser apresentadas dentro da margem solicitada (configuração nomeada pelo Word como “Normal”). Não serão aceitas ilustrações com recuo fora da margem estabelecida.

Imagens

  • Fornecer as fotos em alta resolução;
  • Fornecer os gráficos em formato editável (preferencialmente PDF).

Tabelas, Equações, Quadros e Fluxogramas

  • Sempre enviar em arquivo editável (Word ou Excel), nunca em imagem;
  • Não formatar tabelas usando o TAB; utilizar a ferramenta de tabelas do programa;
  • Nas tabelas, separar as colunas em outras células (da nova coluna); não usar espaços para as divisões.

Abreviaturas
Quando citadas pela primeira vez, devem acompanhar o termo por extenso. Não devem ser utilizadas abreviaturas no título e no resumo.

Referências
Devem ser numeradas de consecutiva, de acordo com a primeira menção no texto, utilizando algarismos arábicos. A listagem final deve seguir a ordem numérica do texto, ignorando a ordem alfabética de autores. Não devem ser abreviados títulos de livros, editoras ou outros. Os títulos de periódicos seguirão as abreviaturas do Index Medicus/Medline. Devem constar os nomes dos 6 primeiros autores, seguidos da expressão et al. quando ultrapassarem esse número. Comunicações pessoais, trabalhos inéditos ou em andamento poderão ser citados quando absolutamente necessários, mas não devem ser incluídos na lista de referências, sendo apresentados somente no corpo do texto ou em nota de rodapé. Quando um artigo estiver em vias de publicação, deverá ser indicado: título do periódico, ano e outros dados disponíveis, seguidos da expressão, entre parênteses “no prelo”. As publicações não convencionais, de difícil acesso, podem ser citadas desde que os autores indiquem ao leitor onde localizá-las. A exatidão das referências é de responsabilidade dos autores.

EXEMPLOS DE REFERÊNCIAS

Artigo de periódico
Szklo M. Estrogen replacement therapy and cognitive functioning in the Atherosclerosis Risk in Communities (ARIC) Study. Am J Epidemiol 1996; 144: 1048-57.

Livros e outras monografias
Lilienfeld DE, Stolley PD. Foundations of epidemiology. New York: Oxford University Press; 1994.

Capítulo de livro
Laurenti R. Medida das doenças. In: Forattini OP. Ecologia, epidemiologia e sociedade. São Paulo: Artes Médicas; 1992. p. 369-98.

Tese e Dissertação
Bertolozzi MR. Pacientes com tuberculose pulmonar no Município de Taboão da Serra: perfil e representações sobre a assistência prestada nas unidades básicas de saúde [dissertação de mestrado]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP; 1991.

Trabalho de congresso ou similar (publicado)
Mendes Gonçalves RB. Contribuição à discussão sobre as relações entre teoria, objeto e método em epidemiologia. In: Anais do 1º Congresso Brasileiro de Epidemiologia; 1990 set 2-6; Campinas (Br). Rio de Janeiro: ABRASCO; 1990. p. 347-61.

Relatório da OMS
World Health Organization. Expert Committee on Drug Dependence. 29th Report. Geneva; 1995. (WHO - Technical Report Series, 856).

Documentos eletrônicos
Hemodynamics III: the ups and downs of hemodynamics. [computer program]. Version 2.2. Orlando (FL): Computorized Systems; 1993.

OBSERVAÇÃO

A Revista Brasileira de Epidemiologia adota as normas do Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas (estilo Vancouver), publicadas no New England Journal of Medicine, 1997; 336: 309, e na Revista Panamericana de Salud Publica, 1998; 3: 188-96 (http://www.icmje.org/urm_main.html).
 

 

Envio de manuscritos

 

Os manuscritos são submetidos online, através da plataforma SciELO (https://mc04.manuscriptcentral.com/rbepid-scielo).

Não há taxa para submissão e avaliação de artigos.

 
Associação Brasileira de Pós -Graduação em Saúde Coletiva São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revbrepi@usp.br